Terça-feira, 6 de Agosto de 2013
por Rodrigo Saraiva

Sgt. Johnny Beaufort:

Did any of you men serve in the Confederate army during the late unpleasantness?

 

Recruit:

Yes sir. I had the honor of serving with General Nathan Bedford Forrest.

 

Sgt. Johnny Beaufort:

I would like to shake your hand. You are now an acting corporal. I hope you have the honor of buying me a drink on your next payday.

 


tiro de Rodrigo Saraiva
tiro único | comentar | ver comentários (6) | gosto pois!

Segunda-feira, 5 de Agosto de 2013
por José Meireles Graça

"Mas também podia ser a descrição do último passatempo da direita portuguesa. Há dois anos, em Faro, Assunção Esteves não consegue travar a tempo e embate num veículo que estava parado em frente a uma passadeira. O impacto do automóvel da presidente da Assembleia da República foi tão violento que o carro da frente atropelou uma idosa que atravessava a rua. No ano seguinte, o presidente da Câmara Municipal de Tomar, António Paiva, também do PSD, atropelou uma criança que circulava com a sua bicicleta. Violando o limite de velocidade de 50 km/h, o veículo do autarca só conseguiu travar a 20 metros do acidente e a vítima foi projectada caindo a 17 metros de distância. Acabou por morrer. Já o candidato do PSD à Câmara Municipal de Lagoa, nos Açores, Gaspar Costa levava 1,65 gramas de álcool por litro de sangue e espetou-se contra uma árvore. Morreu um jovem de 19 anos e outra jovem ficou em estado grave."

 

E não lhes acontece nada porquê? Ora, é bom de ver: Polícia, Ministério Público, Tribunais, é tudo  a mesma corja - em se tratando de passatempos da direita portuguesa fecham os olhos.

 

E não é só em Portugal. Em Espanha a coisa não é muito diferente: um dirigente do PP tinha 45 multas acumuladas desde 2011 e nada. Mas foi a Cuba, teve um acidente que provocou uma vítima mortal e "Ángel Carromero ficou sem carta e foi condenado a quatro anos de prisão". Cuba é um estado de direito, os poderosos, lá, não têm como passatempo pôr em risco a vida dos seus concidadãos.

 

Mas, espera: Para da comparação se poder tirar uma conclusão edificante, o dirigente preso não deveria ser governante local?

 

Porque, assim, almas mal-intencionadas - fascistas, vá lá - poderão julgar que o acidente pode ter tido alguma coisa a ver com a lástima das estradas e a decrepitude do parque automóvel cubano. 


tiro de José Meireles Graça
tiro único | comentar | ver comentários (6) | gosto pois!

por Pedro Correia

«Deve existir a mais completa liberdade de admitir e discutir como assunto de convicção ética qualquer doutrina, por mais imoral que possa ser considerada.»

John Stuart Mill


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

Domingo, 4 de Agosto de 2013
por José Meireles Graça

Há com certeza textos que regulam a actividade dos Provedores de Leitores, jornal a jornal, e se calhar há também legislação - em Portugal tudo o que mexe é regulado.

 

Não vou pesquisar, que nem a legislação nem os estatutos podem iluminar o estranho caso Óscar Mascarenhas.

 

Um Provedor do Leitor tem como função puxar as orelhas aos jornalistas quando estes ofendem princípios do jornalismo são, direitos dos leitores ou o estilo do jornal (se o tiver), pontapeiam a Gramática ou ignoram o senso.

 

Age por sua iniciativa ou por reclamação dos leitores, não tem poderes hierárquicos, e é independente. A sua arma é a opinião escrita, e a força dela vem do prestígio que tiver granjeado pela sua carreira, a sua independência, o seu equilíbrio e a sua experiência.

 

Da carreira de Óscar sei nada, excepto o que pude respigar, que é um percurso anódino de jornalista, e o que pude constatar, que é uma relação com a expressão escrita, digamos assim, desconfortável; da independência ficamos conversados, que tachar de fascistas dois excelentes moços, de impecáveis credenciais académicas e percurso de cidadania exemplar, com a indemonstrada afirmação de que "nos poucos dias que levam de governo, já deram provas de terem sido aldrabões" pode excitar o universo alvar do comentarismo oposicionista mas não passa de um insulto gratuito; equilíbrio quer dizer ponderação, equidistância e contenção, tudo o que um texto espumando raiva e ressentimento não tem; e quanto à experiência, existirá decerto, mas ganhava se lhe fosse dado melhor uso.

 

Óscar Mascarenhas colou, no JN, um cartaz de campanha. A minha sugestão é que deixe o lugar de Provedor para um colega que saiba bater ao de leve nos colegas.

 

E que vá colar os cartazes nas paredes.


tiro de José Meireles Graça
tiro único | comentar | ver comentários (7) | gosto pois!

Sábado, 3 de Agosto de 2013
por José Meireles Graça

Todos os dias tomo a minha ração de indignação e ternura, juntamente com três cafés. O café, dadas as suas propriedades excitantes, desperta-me do torpor e dá-me, não vontade de ir trabalhar, que apesar de tudo não se trata de um alucinogénio, mas de acordar; e a ração vou bebê-la a este sítio.

 

Hoje indignei-me, como de costume, contra eles (eles são os empresários, os consumistas, os republicanos, os accionistas das grandes empresas, os ignorantões, os mal-intencionados - os capitalistas, em suma), desta vez por causa desses patifes que andam por aí a fracturar rochas para libertar gás, que depois é utilizado em actividades criminosas.

 

E enterneci-me moderadamente com uma gata a querer dar de mamar a uns patinhos, não conseguindo todavia evitar a suspeita de a bichinha ser um pouco burra.

 

Estava o dia ganho, julgava eu. Mas o Homem põe e a comunicação social dispõe: que antes de acabar o dia fui surpreendido com a notícia de que os golfinhos foram declarados pessoas não-humanas. Isto pode ser um pequeno passo, perdão, impulso para eles, mas é um grande passo para a Humanidade. E fico agora à espera da inclusão na Declaração Universal dos Direitos do Homem das baleias-de-bossa, macacos, cães e focas.

 

Sou todo a favor dos direitos, da modernidade e assim. Mas, por amor de Deus, nem vos passe pela cabeça incluir as ratazanas. São muito inteligentes, não contesto, mas isso não.

tags:

tiro de José Meireles Graça
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

por Luís Naves

Não percebo este tipo de post, mesmo com grão de sal.

Rasgar jornais é estúpido, intolerante e anti-liberal. Quem rasga jornais será bem capaz de um dia mandar queimar livros.

Ninguém é forçado a comprar jornais, mas se estes não existirem, não haverá democracia, pelo menos uma democracia saudável.

 

Rasgar jornais (e aquele não pertencia à pessoa que o rasgou) é prepotência e abuso de poder. Um gesto despótico, portanto.

Não gosto de déspotas e não gosto de pessoas que rasgam jornais e não gosto de posts que defendem pessoas que rasgam jornais.

As ideias dos outros podem estar erradas, mas é indigno que alguém as tente rasgar.

 

 


tiro de Luís Naves
tiro único | comentar | gosto pois!

por Luís Naves

O pessimismo está a banhos. Nas redes sociais, onde ontem só encontrávamos textos neo-realistas e indignações, agora lemos sobre sorridentes partidas para férias em locais maravilhosos onde o colapso nacional não se fez sentir.

O Algarve está repleto e Lisboa parece uma aldeia.

É por causa da crise, mas esta fará mesmo assim uma breve pausa de semanas, pois é difícil escrever sobre desgraças alheias quando se está de papo para o ar na piscina. É difícil falar da fome dos portugueses e da sua pobreza sem remédio quando se tenta escolher entre vários petiscos sobre a mesa.
O Portugal comentador pode dar-se ao pequeno luxo de ignorar a troika durante algum tempo. Pode engordar uns quilos, enquanto pensa nas críticas que em Setembro parecerão muito mais certeiras.
Quando os dias encurtarem outra vez, regressam as visões do apocalipse e estaremos à beira do abismo. Serão derramadas lágrimas pelos portugueses que tantos sacrifícios fazem e haverá de novo coincidência entre as queixas dos intelectuais bronzeados e do País sofredor, essa abstracção cuja caricatura literária surgiu (até ontem à tarde) de forma tão concreta nas redes sociais.

 

Aqui, podem ler outro texto sobre grandes escritores e o preconceito de esquerda na vida intelectual.


tiro de Luís Naves
tiro único | comentar | gosto pois!

por José Meireles Graça

Sei de fonte limpa que a CDU vai ter direito, por sessão legislativa, a três moções de censura; a interpelar o Governo em triplicado; a dizer a mesma coisa de três maneiras diferentes; a reforçar a presença na comunicação social da voz da classe operária, do campesinato, dos intelectuais e das camadas mais esclarecidas da população.

 

Adivinha-se portanto a derrota iminente das forças da reacção. Qual silly season o quê?

tags:

tiro de José Meireles Graça
tiro único | comentar | gosto pois!

por Pedro Correia

Aqui está uma forma saudável de fazer política: discorda-se frontalmente da decisão adoptada pelo partido, rejeita-se a candidatura lançada pelo partido e em consequência abandona-se o partido. Com todas as consequências daí inerentes. Para apoiar sem reservas uma candidatura alternativa e até integrar essa lista que se apresenta contra a do partido.

Atitudes claras, acima de tudo. Para estarem de acordo com as palavras. Ao contrário do que diz Rui Rio, "isto" em que vivemos é uma democracia. Porque em democracia há sempre alternativa. Só em ditadura é que não.

Agora compete aos eleitores julgar. Porque num sistema democrático, por mais notória que seja a qualidade das elites, só o povo é soberano.


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | gosto pois!

por Pedro Correia

«Um país se faz com homens e livros.»

Monteiro Lobato


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | gosto pois!

Sexta-feira, 2 de Agosto de 2013
por Luís Naves

Podem ler aqui o segundo texto de uma série sobre questões europeias.

Haverá um declínio irreversível da Europa, como muitos autores sustentam?

Qual será o papel dos europeus no mundo que está a ser criado?

 

Considero as visões da Europa contemporânea demasiado pessimistas e até irrealistas. Se dependesse dos intelectuais que costumam ser mais ouvidos nestes temas, estávamos todos a saltar da ponte...

Alguns dos textos serão também publicados no Forte Apache.


tiro de Luís Naves
tiro único | comentar | gosto pois!

por Alexandre Guerra
"Freeride" e "downhill" num vídeo totalmente "made in" Portugal", o primeiro do género filmado por Federico Ramalho.
 

A televisão por cabo e a Internet, enquanto plataformas de comunicação de massas ou de nichos, estão cada vez melhores e com mais qualidade. No fundo, está a verificar-se uma adaptação aos novos paradigmas do mercado, em que se começam a delinear estratégias de comunicação e de marketing com o objectivo de direccionar determinados “produtos” para determinados públicos.

Esta segmentação de “produto” e de público é a principal virtude da “cabo” e dos vários canais na Internet. Aquilo que cada um quer ver é aquilo que cada um vê. É verdade que há plataformas com mais e menos qualidade, mas é inegável que a oferta é variada e contínua.

Para quem é entusiasta de desportos “extreme”, como é o caso do autor destas linhas, tem hoje à sua disposição uma variedade de canais e plataformas on line internacionais, nas quais encontrará todo o tipo de vídeos e filmes profissionais, abordando modalidades como BTT (cross country, enduro, downhill), BMX, surf, skate, snowboard, entre muitas outras. É todo um mundo que faz as delícias de quem gosta de praticar e ver modalidades que vão para além dos desportos “mainstream”.  

Infelizmente, neste campo, a produção nacional ainda é escassa, quando comparada com aquilo que se faz nos Estados Unidos e nalguns países europeus. É assim de salutar a estreia de Frederico Ramalho, um “rider” de “freeride” e de “downhill”, nas lides da realização de filmes dedicados àquelas modalidades “extreme”. Trata-se de um pequeno vídeo, filmado quase todo na Serra de Sintra, que tem como protagonista um outro “rider”, Francisco Rocha, e que já apresenta uma qualidade muito interessante.

Frederico Ramalho, estudante de marketing e publicidade no IADE, desde há algum tempo que se tem dedicado ao aprofundamento da técnica de filmagem e realização, concretizando agora esse processo, dando o primeiro passo numa área que tem margem para crescer em Portugal, até porque começam a surgir algumas plataformas nacionais a necessitarem de conteúdos mais “extreme”.

 

Texto publicado originalmente no PiaR.


tiro de Alexandre Guerra
tiro único | comentar | gosto pois!

por Fernando Moreira de Sá

Era uma vez um Secretário de Estado das Finanças que, no exercício das suas funções participou activamente nas negociações e decisão de atribuição de 160 milhões de euros à Galp para a modernização das refinarias de Sines e Matosinhos. Passado poucos anos (menos de três, o que viola a lei) foi trabalhar para a......adivinhem....exacto: GALP. Para a Comissão Executiva da mesma.

 

Engraçado, não??? Ora adivinhem lá de quem estou a falar. Uma pista: nos últimos dias andou pelos jornais e pela AR...

tags: ,

tiro de Fernando Moreira de Sá
tiro único | comentar | ver comentários (4) | gosto pois!

por Maurício Barra

 


tiro de Maurício Barra
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

por Pedro Correia

«Nós somos diálogo.»

Platão


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | gosto pois!

Quinta-feira, 1 de Agosto de 2013
por André Miguel
Há um chavão muito popular entre a nossa sociedade que diz que aquilo que é uma empresa são as pessoas, são os seus trabalhadores, principalmente quando toca a reivindicar melhores condições e salários.

A nossa esquerda e os sindicatos adoram relembrar-nos deste facto, mais do que óbvio e elementar, motivo pelo qual me faz espécie esquecerem este pormenor quando chega ao pagamento de impostos pelas empresas; ora se estas são constituídas por pessoas, quem senão estas para pagar os impostos que recaem sobre as mesmas? Abro aqui um parêntesis para fazer já uma declaração de intenções: sou contra todo e qualquer imposto sobre as empresas, nomeadamente sobre o suposto lucro. Todo e qualquer imposto sobre uma empresa recai única e exclusivamente sobre dois tipos de pessoas: accionistas e trabalhadores; as empresas não pagam impostos. Mais: é uma perversão total taxar o suposto lucro obtido com trabalho e consumo já previamente taxados, quando na verdade qualquer gestor que saiba o que é fazer pela vida sabe que os "lucros" não existem, só existem os custos futuros. E digo suposto porque o lucro como o definimos é um mito, não existe como tal, não é objectivo, mas sim consequência de determinada actividade, a prova da validade da mesma; por isso prefiro a expressão de nuestros hermanos: benefício.

O socialismo é assim, e desde sempre, o maior entrave ao crescimento económico, pois na sua infinita bondade de tudo controlar, decidir e distribuir, lá do alto da sua caridade centralizada, necessita de cada vez mais recursos, vai daí taxa-nos pelo simples facto de trabalharmos, quando trabalhamos porque temos que comer, taxa-nos quando comemos e volta a taxar quem nos deu de comer não vá este obter algum lucro à custa das nossas necessidades. Assim, é óbvio que impostos sobre as empresas são menos salários e menos investimento, resumindo: mais pobreza. Se mais impostos resultassem numa sociedade mais justa porque não taxamos tudo a 100%? No fundo porque não nacionalizamos tudo o que mexe? Talvez Cuba e a Coreia do Norte sirvam de resposta, mas para mal dos nossos pecados, infelizmente, não nos decidimos, pois continuamos com essa coisa de "economia mista", seja lá o que isso for.


tiro de André Miguel
tiro único | comentar | ver comentários (3) | gosto pois!

por Dita Dura

@fvicentedasilva

Faz parte da política que vale a pena, a esquerda altruísta, assertiva e realista. O Francisco é sensível às questões sociais, verdadeiramente preocupado com os mais fracos e frágeis, defensor dos desprotegidos. Ao mesmo tempo, tem uma inteligência muito acima da média e um sentido de humor apurado. O resultado final é um Twitter forte, pragmático, sem medo e sem complexos, mas com muita piada.

 

@diogobeja

O Diogo Beja tem a paixão da rádio. Além de ser um dos comunicadores nacionais mais conhecidos, faz o programa da manhã da Antena 3 há largos anos. Trabalha na rádio desde sempre e aparece muitas vezes na televisão. Além de ser uma simpatia, tem um humor descomunalmente divertido. Impossível perder os seus tweets.

 

@luismiguelrocha

O Luís Miguel Rocha é um dos escritores portugueses mais lidos e vendidos em todo o mundo. Apesar de ser bem-sucedido e até alvo de inveja, nada disso se nota no seu Twitter. É sim uma pessoa simples com gostos perfeitamente humildes. Quem o segue e com ele interage, tem a impressão que é um de nós, sem vedetismos.

 

@pedroteich

O Pedro Teichgräber é uma das maiores promessas do jornalismo português. Mas é muito mais do que isso. O seu Twitter é apenas e só a melhor fonte de links sobre social media, notícias, artigos de interesse e vídeos. Na minha opinião pessoal, o melhor conjunto agregado em toda a internet.

 

@ruimalheiro

O futebol é um dos assuntos preferidos do Twitter. Toda a gente tem algo a dizer, todos apoiam a sua equipa quando o esférico rola na chuteira do craque, remata para o golo e a timeline vibra. O Rui Malheiro é um dos maiores entendidos do assunto, pelas análises detalhadas que faz, pelo conhecimento das táticas e dos jogadores, das equipas e dos campeonatos. De Portugal até ao Vietname, da primeira-divisão até aos regionais.

 

@paulanevesd

A Paula Neves é uma das mais conhecidas e talentosas atrizes portuguesas. No Twitter tem a simpatia e gentileza de uma verdadeira senhora. Partilha a sua vida e os seus amores de forma descontraída, como uma mulher comum. Sem vedetismos. E revela acima de tudo o excelente ser humano que é.

 

@nelsonrosado

Toda a gente sabe do talento do Nélson Rosado, mas nem todos conhecerão a sua extrema humildade e empatia. Partilha as suas viagens, os seus gostos, o dia-a-dia cheio de novidades. Muito boas fotografias não faltam e, claro, grande música.

 

@fcancio

Polémica e frontal, está quase sempre no centro das disputas acaloradas do Twitter. Mas concordemos ou não com as suas posições e opiniões, descobrimos na Fernanda Câncio uma das melhores jornalistas portuguesas, séria e isenta no exercício da sua profissão. No Twitter revela um humor extremamente cáustico e mordaz. E no meio ainda fala da inclinação musical e literária, que é exímia.

 

Tenho pena de não mencionar muita gente que merecia, sem sombra de dúvida. Alguns estou apenas agora a descobrir e talvez mencione no futuro. No Brasil também há muito boa gente e provavelmente com melhor qualidade. Isto sem falar nos americanos.  Em breve farei uma compilação para além do nosso pequeno rectângulo. Se entretanto quiserem completar esta lista, coloquem na caixa de comentários.


tiro de Dita Dura
tiro único | comentar | ver comentários (7) | gosto pois!

por Francisca Prieto

 

Meu Deus, isto está tão mal que as pessoas já se estão a vender a elas próprias.

tags:

tiro de Francisca Prieto
tiro único | comentar | ver comentários (2) | gosto pois!

por Pedro Correia

 

Tanto barulho para nada. Rui Rio arrisca-se a decepcionar uma vez mais aqueles que insistem em chamá-lo ao salão. Numa entrevista concedida em horário nobre à televisão pública, o ainda presidente da câmara do Porto voltou a aflorar o perigoso discurso antipartidos (como se não fosse membro de um, tendo sido aliás seu vice-presidente) com expressões de profundo nojo pela vida política (como se não desempenhasse há mais de duas décadas funções políticas).

Expressões como esta: "Sinto-me cada vez mais longe desta forma de fazer política." E esta: "Isto em que nós vivemos já nem sei bem se é uma democracia."

Palavras dignas de qualquer dos habituais intervenientes da Opinião Pública da SIC Notícias.

 

Seria de esperar algo um pouco mais profundo do ex-vice-presidente da JSD, ex-secretário-geral do PSD, ex-vice-presidente do grupo parlamentar do PSD e ex-vice-presidente dos laranjinhas, que à beira de concluir 12 anos de mandato na Avenida dos Aliados fala como se não tivesse partido e recomenda - não recomendando - uma via alternativa. "Há um movimento do topo da sociedade portuense para a existência de uma candidatura independente, fora dos partidos", destacou, apontando em direcção de Rui Moreira sem no entanto ter o desassombro de anunciar que lhe destina o voto. A falta de clareza de alguns protagonistas é um dos principais problemas da nossa vida política, como há muito sustento. Incluindo aqueles que, como Rui Rio, tanto gostam de apregoar frontalidade.

De caminho, nesta entrevista, o autarca disparou contra Luís Filipe Menezes, indicado pelo PSD para concorrer à sua sucessão. Nada de admirar, dadas as públicas divergências que ambos mantêm há longos anos. Mas Rio - apresentado pela RTP como "um homem cuja palavra pode ser decisiva para o resultado final" - caiu num lapso: por duas vezes falou como se Menezes tivesse a eleição assegurada. A primeira quando disse isto: "Não posso apoiar, de forma nenhuma, quem vai fazer o contrário daquilo que estive a fazer." A segunda, aqui: "Tenho a obrigação ética de me demarcar muito claramente daquilo que eu sei que vai destruir tudo aquilo que foi feito [pelo Porto]." Tem a certeza de que Menezes vai fazer e vai destruir, doutor Rio? Essa forma verbal indicia que já dá por garantida a vitória do seu rival.

 

E da entrevista conclui-se o quê? Que Rio tenciona abandonar a política, ingressando na actividade privada, porque precisa de "ganhar um pouco mais pois os salários na política, ao contrário do que as pessoas pensam, são muito baixos".

Tem todo o direito de o fazer, como é óbvio. Mas afinal, com o actual autarca a dissolver-se em breve na nossa linha do horizonte, quem poderá protagonizar a regeneração por que tanto ansiamos na política portuguesa?

tags: ,

tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | ver comentários (9) | gosto pois!

por Pedro Correia

"Ao contrário das previsões, o Algarve está quase esgotado neste início de férias de Agosto. Nesta altura já é praticamente impossível encontrar alojamento. A taxa de ocupação em hotéis e empreendimentos turísticos aumentou porque milhares de portugueses decidiram fazer férias em Portugal por causa da crise."

Lançamento de notícia no Primeiro Jornal da SIC


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | ver comentários (4) | gosto pois!

por Pedro Correia

«A verdadeira sabedoria consiste em reconhecer a própria ignorância.»

Sócrates


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | gosto pois!

Quarta-feira, 31 de Julho de 2013
por Pedro Correia

Nunca tive a menor dúvida sobre a orientação do Tribunal Constitucional relativamente à questão das candidaturas autárquicas. Para mim, portanto, a decisão dos juízes do Palácio Ratton - hoje anunciada - relativamente à candidatura de Fernando Seara em Lisboa não constituiu surpresa. Vem na sequência de várias outras, emanadas dos tribunais comuns. Já tinha ocorrido em Évora, Loures, Tavira, AveiroAlcácer do Sal, Beja  e  Guarda. Com derrotas claras do auto-proclamado Movimento Revolução Branca (que raio de nome...) encabeçado por um ex-mandatário de Narciso Miranda. Alguém que só ganhou alergia aos chamados "dinossauros" do poder local depois de ter sido ferrenho adepto do tiranossaurus rex de Matosinhos.

Como já referi aqui e aqui, não faz o menor sentido limitar direitos políticos consagrados na Constituição da República com interpretações extensivas da lei ordinária. A ausência da clarificação que a Assembleia da República deveria ter feito ao diploma que interdita mais de três mandatos consecutivos na mesma câmara municipal ou na mesma junta de freguesia foi um erro que não pode ser compensado com outro, de maior gravidade. A melhor doutrina jurídica ensina-nos que a compressão de um direito só é admissível com menção expressa na letra da lei, não invocando um seu putativo "espírito" à mercê de calendários políticos.

Os "revolucionários brancos" terão de arranjar muito em breve outra causa para se manterem à tona das ondas mediáticas. Esta tornou-se um "não-assunto", como bem lhe chamou Vital Moreira. 


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | ver comentários (2) | gosto pois!

por Luís Naves

Série de textos sobre a decadência da Europa, que também publico aqui.

 

1

Um historiador do futuro talvez considere que 1989 foi o ano em que a civilização europeia se tornou verdadeiramente global, mas para os europeus que viveram a transição, o colapso dos regimes comunistas é geralmente interpretado como o culminar da reunificação do continente.
Esse ponto de vista é estreito e pode tornar-se rapidamente anacrónico. A nova ordem que se desenha é acima de tudo financeira e planetária. Ela inclui democracias, oligarquias e ditaduras. Ela caracteriza-se por uma vasta e crescente circulação de produtos e capitais, mas também pela globalização dos media.


 

tags:

tiro de Luís Naves
tiro único | comentar | gosto pois!

por José Meireles Graça

Já redigi centenas de posts, e tenho esperança de que, tirando o facto de residir em Guimarães e trabalhar em Fafe, pouco tenha deixado entrever da minha intimidade.

 

Mas hoje não resisto a divulgar um facto familiar alarmante: suspeito que a minha Mulher dá sinais de loucura. E, pior, dá sinais de loucura por causa do novo carteiro.

 

Explico: À volta de um ano, mudou o carteiro. E, periodicamente, passei a ser inteirado de que o digno funcionário, quando houvesse cartas registadas, se abstinha de entrar no jardim ou esperar que viessem ao portão, antes deixando um aviso na caixa de correio, que obrigava a deslocações escusadas ao posto local, que dista uns quilómetros, implicando parcómetros, filas, esperas - a tralha do costume.

 

Isto originou uma reclamação, que a minha Mulher, porventura já abalada na plena posse das suas faculdades, apresentou por escrito. E a resposta veio, esclarecendo que o carteiro tocava sempre à campainha (o texto não esclarecia se duas vezes, que no serviço de reclamações não deve haver cinéfilos), deixando o aviso em caso de não haver resposta, pelo que a reclamação não teria fundamento.

 

Há meses, fui informado de que o carteiro veio entregar uma encomenda, tocou à campainha e entrou no jardim, colheu o recibo da entrega e, apesar de lhe ter sido pedido para se certificar, à saída, de que o portão ficava fechado, por causa do cachorro, saiu com o bicho trotando alegremente atrás da motoreta, o que foi testemunhado.

 

Como o animal foi avistado perto do antigo Hospital, preso por uma trela a um miúdo que o terá vendido a desconhecidos, estes infelizes sucessos causaram grande desgosto doméstico, e colocaram o carteiro na categoria de persona non grata naquela casa. Eu próprio registei mentalmente o incidente, para o efeito de, em cruzando-me com aquele servidor dos CTT, lhe revelar alguma impressão pessoal sobre o seu comportamento.

 

Sucede que as cartas registadas devolvidas continuaram. E como, segundo a tese possivelmente alucinada que minha Mulher adiantou, está sempre gente em casa, foi apresentada nova reclamação.

 

A resposta chegou hoje. E nela, com extrema amabilidade, somos novamente informados de que o carteiro afirma "passar aviso apenas quando não é atendido".

 

Soube, a propósito do negregado plano de privatização, que os CTT são uma organização prestigiada, lucrativa, eficiente e depositária inclusive de merecidos prémios internacionais. E a carta, acima referida, diz que "Os CTT-Correios de Portugal, estão empenhados em conferir Qualidade aos seus Produtos e Serviços, de forma a satisfazer todos os Clientes, pelo que nos esforçamos por evitar e corrigir todo o tipo de situações, que possam eventualmente comprometer os níveis de satisfação a que nos propomos".

 

Já a sucessão estranha dos factos alegados me deveria ter levantado suspeitas. Mas este texto, impressionante pela sua evidente sinceridade e pela abundância de maiúsculas, lançou esta dúvida excruciante no meu espírito: ou a minha Mulher sofre de momentâneas alucinações, ou esta organização tão gabada é um logro.

 

Na dúvida, vou apoiar a privatização. Não é que os privados não enviem cartas parvas aos clientes; é que têm menos quem os defenda.

tags:

tiro de José Meireles Graça
tiro único | comentar | ver comentários (4) | gosto pois!

por jfd

Rui Rio não quis ser oportunista. Nem hipócrita. Apenas foi aquilo que sempre foi. Umbiguista, com pouco sentido partidário e de estado. É um político e não um Político. Essa prerrogativa lhe assiste. Mas ontem mostrou (de novo) as suas verdadeiras cores. Fica para a história julgar. Vergonhoso, digo eu. Houve e continua um bom trabalho no Porto. Merece a cidade ver isso marcado por vinganças pessoais? Por necessidade de preparar o seu pós-executivo? Por se esquecer qual o desígnio do seu mandato, da sua filiação e da sua responsabilidade?

Isto não é uma brincadeira de crianças mas sim um assunto muito sério.

Não creio que os apoiantes de Rui Rio, e principalmente de Portugal, se revejam no triste discurso a que ontem assistimos na RTP.

 


tiro de jfd
tiro único | comentar | ver comentários (4) | gosto pois!

por Pedro Correia

«Errar é humano. Culpar os outros é política.»

Hubert Humphrey


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | gosto pois!

Terça-feira, 30 de Julho de 2013
por José Meireles Graça

Barreto, estou a imaginá-lo durante a entrevista: cenho franzido, duas fundas rugas cavadas por anos de meditação sobre os males da Pátria, os olhos angustiados e errantes, e o dedo fulminante apontando a sentença definitiva, profunda e límpida:

 

"... todos os políticos e gestores de empresas públicas que lesaram o Estado devem ser responsabilizados politicamente, e judicialmente só aqueles que cometeram verdadeiras ilegalidades".

 

É isto? Cáspite!, que a gente está mesmo ao lado da solução e não é que nos passa desapercebida?

 

Mas, espera: Há alguém que ignore estes nomes? Há alguém que não saiba acrescentar à lista muitos outros? Há quem desconheça, localmente, quem são os edis que começaram os seus mandatos a tinir e os acabaram com fartos cabedais? Há algum responsável político sobre cujos desmandos, reais ou imaginários, a Oposição do dia não se tenha cansado de chamar a atenção?

 

O regime precisa ser reformado, sim: o sistema eleitoral, a legislação criminal, incluindo o processo penal, as práticas e meios de investigação; como casar a investigação do enriquecimento ilícito com a preservação da privacidade e sem reforçar os poderes de uma administração fiscal enxerida e predatória; e uma longa lista de outras matérias.

 

Para tudo isto é preciso estudar muito, discutir muito, e com muita paciência. E não ter excessivas esperanças: que no meio de um eleitorado que não hesita em eleger homens sobre cuja venalidade há poucas dúvidas não irá nascer de um dia para o outro aquele espírito de exigência e censura que é a verdadeira garantia de uma vida pública sã.

 

Agora, os já clássicos discursos de motorista de táxi não melhoram se embrulhados numa retórica mais elaborada. Fosse Barreto um blogger anódino, como este Vosso criado e muitos, e não estaria mal. Mas quando se detém uma magistratura de influência convém não dizer apenas qual é o destino, mas também como lá chegar.

 

Barreto isso não fez. E é pena, que há uma relativa abundância de quem sabe muito; e escassez de quem diga como se faz melhor.


tiro de José Meireles Graça
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

por Fernando Moreira de Sá

 

 

"É como brincar aos pobrezinhos", explicava Cristina Espírito Santo na revista do Expresso. Confesso que mal li a coisa, no sábado de manhã, virei-me para quem estava comigo e avisei: "isto vai dar confusão e da grossa".

 

Não é preciso ser bruxo para o saber. Toda a reportagem (excelentemente bem feita, por sinal) tinha tudo para gerar invejas, sobretudo nas redes sociais. Obviamente, a Espirito Santo do momento colocou-se a jeito. A facilidade com que alguns endinheirados deste país cometem o erro de falar para a imprensa como se fossem íntimos da maralha costuma dar asneira. Confundem entrevistas nos jornais/revistas com as conversas no Gigi entre flutes de Moet. Na nossa vizinha Espanha é natural esta ligação umbilical entre jornalistas e jet-set. Abundam as revistas e os programas de televisão que fazem qualquer português normal corar de vergonha. Confesso que, nestas matérias, me sinto como o tolo no meio da ponte. Acho um piadão ao estilo descontraído e meio doido espanhol e considero uma enorme hipocrisia a nossa forma de ser perante estas banalidades.

 

Quando era miúdo costumava ouvir a comparação entre um português e um americano perante o Ferrari do vizinho. O meu pai, procurando educar-nos para a matéria, repetia-a vezes sem conta: o americano olha para o ferrari do vizinho e diz: "Vou trabalhar tanto que vou conseguir ter um carro como o dele" enquanto o português preferia outro caminho: "vê-se logo que anda metido no tráfico de droga". Somos assim e não vale a pena andar a lamentar. Porém, somos assim por uma razão tão grave e séria que nem o 25 de Abril conseguiu alterar: um americano que se esforce, que trabalhe de sol a sol consegue. Um português na mesma situação acaba por desistir pois não o consegue - é mal pago, não é reconhecido e vê histórias como as do BPN/BPP a desencorajar o seu esforço.

 

Eu até posso perceber o que queria dizer a Espirito Santo. O que não entendo é como ela foi tão "inocente". No fundo, tenho de concluir que ela, a exemplo de tantos outros compatriotas, desconhece profundamente o país onde vive. É pena e é um mau sinal.


tiro de Fernando Moreira de Sá
tiro único | comentar | ver comentários (4) | gosto pois!

por Maurício Barra

O sistema de contra-informação que Sócrates deixou instalado na imprensa portuguesa continua no seu melhor. Transformou o dolo público das swaps aprovados durante o seu consulado em. . . . .culpa de actual Ministra das Finanças, precisamente a responsável pela sua denúncia e negociação determinada da sua solução.

De uma penada, a Ministra arranjou um pacote de três inimigos: o propriamente dito, que quer reescrever a história, os bancos “benevolentes “, que pensaram que  “mamar o Estado” era a coisa mais natural do mundo e a imprensa “amiga” , hoje já tão previsível que se conhece com antecedência o road-map ( órgãos de informação e autores ) da cadência das campanhas de “ deformação “.


tiro de Maurício Barra
tiro único | comentar | gosto pois!

por Pedro Correia

«É mais difícil ser livre do que puxar uma carroça.»

Vergílio Ferreira


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | gosto pois!


Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds