Segunda-feira, 15 de Julho de 2013
por Maurício Barra

Esta semana vai ser fértil, tal como a anterior, em doses de fel daqueles que, nos partidos e na imprensa que os apoia e acolhe, estão contra o acordo sugerido pelo Presidente da República, pressionando para que o mesmo não aconteça.

À cabeça o PC e o BE ( o partido melancia que esta semana vai propor uma moção de desconfiança ao governo só tem existência teórica: é mais um dos artifícios hipócritas em que a III republica é pródiga ). De dentro do PS surge quem era previsível: Mário Soares, Sócrates, Manuel Alegre, Ferro Rodrigues. A Ana Gomes ainda não falou ( ou eu não a ouvi ).

Na imprensa, os do costume: Nicolau Santos, os bloquistas comentadores, os comentadores com dor de cotovelo, a tribo acéfala da má-língua que é uma forma da SICN dar voz à baixa política sem escrúpulos, uns indígenas avulsos que confundem a Venezuela com a democracia, e até o cinismo de Marcelo Rebelo de Sousa, que viu a realidade ultrapassar a sua opinião sobre a mesma.

Entretanto, o país dos eleitores não lhes liga nenhuma. A proposta do Presidente corresponde ao que há muito é o sentimento de bom senso que atravessa transversalmente a sociedade portuguesa. E os partidos democráticos perceberam isso. Vão negociar, vão discutir, vão concordar, vão discordar, vão, enfim, fazer aquilo que é próprio de uma democracia: defender as suas propostas políticas até chegarem a conclusões em nome do bem comum.

Nem têm outro remédio. Os juros dispararam para valores de dois anos atrás, temos dívidas a pagar e compromissos a respeitar, negociar em acordo com as instituições europeias não é a mesma coisa que querer renegociar a dizer que não pagamos, o investimento e a criação de emprego só têm viabilidade se houver credibilidade internacional aceite pelos nossos parceiros económicos.

A não ser assim, quem ganhar as próximas eleições (presumivelmente o PS sem maioria absoluta) vai herdar o caos em vez de uma plataforma que lhe garanta estabilidade governativa, baseada em critérios fundamentais económicos e financeiros que defendam os interesses nacionais e nos permitam continuar a ser um país europeu.


tiro de Maurício Barra
tiro único | comentar | gosto pois!

1 comentário:
De fado alexandrino a 15 de Julho de 2013 às 13:58
A Ana Gomes ainda não falou ( ou eu não a ouvi ).
Se ela tivesse falado, toda a gente a iria ouvir. Ela não fala, berra.

Outra coisa.
Para o Sapo colocarmos a cruzinha em Guardar Dados significa nada.
Há milhares de crianças que podiam resolver-lhes aquele problema.
Porque é que não contratam uma?


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds