Quarta-feira, 13 de Junho de 2012
por Pedro Correia

Finalmente, voltaram os golos. Sem sequer necessitarmos do contributo de Cristiano Ronaldo. E numa partida em que não podíamos perder: Portugal enfrentou hoje com êxito a Dinamarca, que vinha moralizada de uma vitória contra a Holanda, marcando três excelentes golos. Aos 37 minutos, a equipa nacional já vencia por 2-0 no Arena Lviv (Ucrânia). Uma quebra de rendimento no início da segunda parte permitiu aos dinamarqueses empatar a partida, mas a vontade de vencer dos jogadores comandados por Paulo Bento ditou o rumo dos acontecimentos. E desta vez ninguém pode queixar-se de azar.

Portugal foi superior. Não devido ao factor sorte, mas devido ao factor competência. Do ponto de vista táctico e do ponto de vista técnico. A selecção demonstrou grande maturidade, física e psicológica. Superou algumas debilidades reveladas no jogo contra a Alemanha com um notável esforço colectivo. E deu-se até ao luxo de falhar duas outras soberbas oportunidades de golo, protagonizadas por um Ronaldo muito abaixo do seu rendimento habitual.

O seleccionador nacional confirmou ter fibra de líder ao recusar as intensas pressões mediáticas dos últimos dias para retirar Helder Postiga do onze titular e fazê-lo substituir pelo jovem Nélson Oliveira. Postiga, autor do segundo golo, justificou a confiança que o seleccionador nele depositou. A equipa entrará em campo no próximo domingo, contra a Holanda, muito mais moralizada com esta vitória, inteiramente merecida e justamente festejada. As bandeiras de Portugal vão regressar às varandas, não duvido.

 

Dinamarca, 2 - Portugal, 3

.................................................

 

Os jogadores portugueses, um a um:

 

Rui Patrício - Voltou a ser um bastião da equipa, com defesas seguras e grande personalidade entre os postes. Sem culpas nos golos dinamarqueses.

 

João Pereira - Melhor do que no jogo anterior, contra a Alemanha. Arriscou mais incursões pelo seu flanco e chegou a fazer um centro bem medido aos 52'. Perdeu no entanto o confronto individual com Krohn-Dehli na jogada que viria a gerar o primeiro golo dinamarquês.

 

Bruno Alves - Concentrado, seguro, eficaz. Continua exímio na arte de desarmar os adversários sem necessidade de recorrer a faltas. E voltou a ajudar o ataque português nos lances de bola parada, aproveitando a sua elevada estatura. Deixou Bendtner movimentar-se na grande área e marcar o primeiro golo dinamarquês: foi praticamente a sua única falha durante o encontro.

 

Pepe - Uma grande partida do central do Real Madrid, coroada no magnífico golo que marcou aos 24', de cabeça, elevando-se junto ao primeiro poste com a defesa dinamarquesa batida. Pôde assim vingar-se daquele seu remate à barra que só não chegou a ser golo por centímetros na partida contra os alemães. Foi, logo de início, o português que ganhou mais lances individuais. E manteve-se em excelente nível durante quase todo o encontro, só não conseguindo travar Bendtner na marcação do segundo golo dinamarquês, aos 79'.

 

Fábio Coentrão - Muito mais contido do que no jogo anterior, obedecendo provavelmente a indicações do técnico. O meio-campo português ressentiu-se disso. Na segunda parte perdeu alguns duelos individuais com o recém-entrado Mikkelsen, que mostrou muito melhor condição física do que Rommedahl como extremo-direito dinamarquês.

 

Miguel Veloso - O médio do Génova voltou a jogar muito concentrado, dando um contributo decisivo para anular os lances ofensivos da Dinamarca. Marcou aos 56' um excelente livre que o guardião dinamarquês defendeu com dificuldade.

 

Raul Meireles - Com uma exibição irregular, ressentiu-se do cartão amarelo que lhe foi mostrado pelo árbitro britânico logo aos 28', por travar com a mão um ataque perigoso da equipa adversária. Esta jogada, em que arriscou uma expulsão, parece ter inibido o médio do Chelsea, que hoje falhou mais passes do que é seu hábito. Muito desgastado fisicamente, foi substituído aos 83' por Varela.

 

João Moutinho - O melhor médio português, com missões constantes no corredor esquerdo e no próprio centro do terreno em apoio permanente à linha avançada. Marcou de forma exímia o canto que esteve na origem do primeiro golo português.

 

Nani - Voltou a ser o melhor português em campo, faltando-lhe apenas um golo para chegar perto da perfeição. Nunca quebrou animicamente, ao contrário de Ronaldo, e protagonizou algumas das jogadas mais acutilantes da selecção. Aos 36', fez uma assistência excelente para Helder Postiga e daí surgiu o segundo golo português. Outro passe de elevado nível para Cristiano Ronaldo, aos 49', poderia ter igualmente resultado em golo. Arrancou um cartão amarelo a Poulsen aos 55'.

 

Cristiano Ronaldo - Voltou a ser muito marcado, como já se esperava, mas desta vez só pode queixar-se dele próprio: esteve duas vezes isolado perante o guarda-redes da Dinamarca, aos 49' e aos 77', e falhou escandalosamente o golo em ambas as ocasiões. Recebeu um cartão amarelo à beira do fim do jogo.

 

Helder Postiga - Mereceu ter recebido a confiança do seleccionador. Marcou o segundo golo português, aos 36', e mostrou sempre grande dinamismo na linha avançada portuguesa. Rendido aos 63' por Nélson Oliveira.

 

Nélson Oliveira - O mais jovem elemento da selecção, único jogador de campo do Benfica no onze nacional, continua a ser levado em ombros pela imprensa desportiva portuguesa. Mas parece ainda demasiado imaturo para desafios de grande responsabilidade, ao nível da fase final de um Europeu. Entrou para o lugar de Postiga, mas não pode dizer-se que o substituiu com vantagem.

 

Varela - Substituiu Meireles, tal como sucedera contra a Alemanha. Aos 83'. Mas desta vez não falhou: quatro minutos depois de entrar, marcou o terceiro - e decisivo - golo de Portugal quando já quase todos aguardavam o empate.


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | gosto pois!

32 comentários:
De dylan a 13 de Junho de 2012 às 23:19
Por acaso tambem achei estranho que os portugueses nao metem mais as bandeiras nas varandas. Ja nao e como ha 8 ou 9 anos (e como o tempo passa) Parece que os portugueses viraram-se contra a seleccao e ja nem sequer me parece que hajam muitos portugueses a seguirem a seleccao. Eu hoje por acaso cheguei do estrangeiro depois de 5 anos e tambem apercebi me disso. Fiquei espantado que nao haja muita gente entusiasmada com o futebol que sempre foi um desporto de eleicao no pais. Nao sei se a vitoria mudara algum amor a patria mas, sem duvida que isto esta muito alterado!


De Pedro Correia a 14 de Junho de 2012 às 00:24
Seja bem-regressado, Dylan. De facto as coisas estão diferentes. E o tempo passa demasiado depressa sem que a gente mal se aperceba.


De suzana a 14 de Junho de 2012 às 11:52
Pois eu não acho que os portugueses abandonaram a seleção...muito pelo contrário!! A questão é que a grande maioria desses portugueses está a braços com grandes dificuldades financeiras (com o que daí advêm) e custa ver os montantes escandalosos gastos com '1' seleção!!! somos todos apoiantes e sabemos que podem levar o nome de portugal mais alto mas....há que haver um pouco de bom senso!!!Existe a circular uma foto no FB que mostra umas janelas cheias de bandeira(em 2004) substituídas por placas de imob.com 'vende-se(2012)....esta é que é a grande realidade....


De Pedro Correia a 14 de Junho de 2012 às 15:08
Os montantes gastos com a selecção não são do contribuinte português. São verbas da UEFA, que gera - e de que maneira - receitas próprias.


De Francisco Jarra a 13 de Junho de 2012 às 23:31
Na minha opinião a selecção nacional tem-se portado bem. Teve foi azar no primeiro jogo. Aliás a generalidade dos jogos do Euro tem sido bastante equilibrada.

Hoje foi um dia não para o CR7. Penso que teve a haver com a pressão da comunicação social e em parte com o estado péssimo do relvado que condicionou a sua forma de jogar.

Queria aproveitar para agradecer à RTP pelo "óptimo" serviço público que tem prestado, sobretudo em relação à comunidade portuguesa e lusófona radicada no estrangeiro, pois o jogo de hoje não foi transmitido na RTP Internacional. Não é a primeira vez. Não me venham com essa dos direitos televisivos pois estamos a falar da selecção nacional e de um canal de serviço público com dinheiros do estado. Só no ano de 2011 gastou quase 300 milhões de euros, gasto este comparável à uma superprodução Hollywoodiana. Bom dia Portugal, Praça da Alergia, Portugal no Coração, 7 Maravilhas disto e daquilo.. Serviço público como este por mim pode muito bem terminar.
Viva Portugal!


De Pedro Correia a 14 de Junho de 2012 às 00:25
Fica registado o seu protesto. E as suas palavras de optimismo e confiança, apesar de tudo.


De Francisco Castelo Branco a 14 de Junho de 2012 às 12:34
excelente análise.

Só uma nota : Varela antes de marcar o golo decisivo fez aquilo a que se chama "uma" rosca. ahahaha


De Pedro Correia a 14 de Junho de 2012 às 15:09
Pois foi, Francisco. Assim é que se vê bem um jogo: saber estar atento aos pormenores.


De joji a 14 de Junho de 2012 às 09:14
GOSTARIA MUITO DE VER OS 99,9% DOS PORTUGUESES QUE SÓ SE LEMBRAM EXIBIR ESTA LINDA BANDEIRA, QUE POR ACASO, NÃO É DO FUTEBOL MAS É DE UM PAÍS, UMA NAÇÃO, CUJAS EMPRESAS; PRODUTOS E SERVIÇOS 100% PORTUGUESES ESTÃO A PRECISAR QUE ESTE "BURRO" POVO, COMEÇE DE UMA VEZ POR TODAS, CONSUMIR TUDO O QUE É EXCLUSIVAMENTE PORTUGUÊS, RESULTANDO NUM QUASE IMEDIATO CRESCIMENTO ECONÓMICO/EMPREGO NO PAÍS!


De Pedro Correia a 14 de Junho de 2012 às 15:10
Sim. Mas não se esqueça que o futebol também gera muitas receitas e muitos postos de trabalho. E não me refiro apenas a jogadores.


De mohamed, anti-parasitas do Senado a 14 de Junho de 2012 às 09:16
Para ti a bola deve ser um triângulo.


De Pedro Correia a 14 de Junho de 2012 às 15:11
Para ti deve ser uma lua em quarto crescente, 'Mohamed'.


De NN a 14 de Junho de 2012 às 10:19
Bandeiras??? Porque não, já agora carros pintados, nossas senhoras, santinhos... A Bandeira Nacional é um símbolo da soberania da Republica, da independência, da unidade e integridade de Portugal (art.11º da CRP) e não um mero adereço futebolístico de país de 3º mundo.
Força Portugal!!!


De Pedro Correia a 14 de Junho de 2012 às 15:12
Essa agora. Você não costuma frequentar estádios de futebol, pois não? Hino e bandeira são indissociáveis dos estádios em partidas internacionais.


De Cobarde a 14 de Junho de 2012 às 15:25
Nos estádios, não nas varandas! Patriotismo não é ir buscar bandeiras só porque a seleção ganha, é bem mais que isso, lamento que só se lembrem das bandeiras quando está em causa a seleção e, mesmo assim, só quando ganha!
P.S. Adoro futebol!


De Pedro Correia a 14 de Junho de 2012 às 15:59
Fez bem em estabelecer essa distinção. É a diferença entre patriotismo e patrioteirismo...


De Julie a 14 de Junho de 2012 às 10:45
Realmente o Ronaldo, já é mais uma estrela do que bom jogador, marca golos no Real Madrid que é lá que lhe pagam bem... Por Portugal nunca o vi a fazer muito! Quanto ás Bandeiras eu tenho a minha na janela desde o principio, só a tiro quando a selecção vier embora. Não acho nada bem que as pessoas vão agora nesta altura só porque ganharam por as Bandeiras, é sempre assim em tudo na vida... só se dá apoio quando se vence!


De Pedro Correia a 14 de Junho de 2012 às 15:12
Concordo. Não devemos prestar atenção à bandeira só quando vencemos.


De Cobarde a 14 de Junho de 2012 às 11:10
Bandeiras nas janelas? Porquê? Acabou o desemprego? Terminou a crise? Deixou de haver desigualdades? Não, nada disso, as bandeiras devem-se ao facto de um pedaço de couro insuflado ter entrado entre dois postes ligados por uma rede! Vivam os pontapeadores de bolas que ganham €50.000/mês à custa de muito parolo alienado que identifica isso com o orgulho da nação (!?). Abaixo os médicos (e outros) contratados a prazo por €600/mês! Vale mais um mitra chutar uma bola do que um médico salvar vidas. Tristes!


De Pedro Correia a 14 de Junho de 2012 às 15:13
Você é dinamarquês?


De hds a 14 de Junho de 2012 às 13:48
o problema da seleção não é cr7 é que toda a gente tem os olhos nele e esquecemo-nos por exemplo de pépe que para mim foi de longe o melhor em campo mas não posso deixar de pensar que quando se quer ser o melhor do mundo não se pode falhar por duas vezes sozinho diante o guarda redes como foi o caso cr7. será que paulo bento tem mêdo de o substituir?


De Pedro Correia a 14 de Junho de 2012 às 15:14
Todos falham, mesmo os melhores do mundo. Você não falha? Seguramente que sim. Eu também. Falhar é humano. E ainda bem que é assim. Somos pessoas, não somos máquinas.


De 2.ª voz a 14 de Junho de 2012 às 13:54
A selecção não é só o CR7. Aliás, ele esteve muito mal para o que ele representa. E não, eu não faria melhor, mas fiquei desiludido. Ainda assim, viva Portugal!


De Pedro Correia a 14 de Junho de 2012 às 15:14
Viva!


De MM a 14 de Junho de 2012 às 13:58
Espero que o ronaldo cumpra o que dizia há tempos... os golos são como o ketchup... quando saem, saem todos de uma vez. Força Portugal!


De Pedro Correia a 14 de Junho de 2012 às 15:14
Espero que sim, MM.


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds