Quarta-feira, 21 de Novembro de 2012
por Carlos Faria

Quando tudo aparentemente parecia ir bem em Portugal, pois os bancos cobriam a falta de rendimentos das pessoas e do Estado com empréstimos para permitir um consumo desenfreado que alimentava o crescimento da economia, as estatísticas eram geralmente positivas. O Povo e os poderes político e financeiro pareciam estar na generalidade felizes com a estratégia em curso, embora alheios ao facto de estarem a comprometer o futuro.

Nesses tempos, algumas vozes raras e isoladas de economistas sensatos alertavam para a insustentabilidade da via que se estava a seguir com a  justificação de que as dívidas necessitam de se limitar a uma fração dos rendimentos para não se atingir uma situação de rotura  com a impossibilidade do seu pagamento, momento a partir do qual o sistema entraria em colapso.

Em paralelo, outro grupo com preocupações bem diferentes, remava contra o otimismo cego reinante e com muitos a usar a voz do bom senso: os ambientalistas. Estes alertavam para a necessidade de se racionalizar o consumo, implementar a reciclagm, a reutilização e mesmo a sua redução ou reparação artigos de forma a  diminuir a pegada ecológica, os gastos dos recursos e a produção de resíduos, pois a Terra é limitada nos seus bens para sustentar o aumento demográfico, o crescimento imparável do consumo nos países desenvolvidos e o alatramento desta situação aos países emergentes.

Hoje em crise, muitos dos economistas sensatos matém-se como pessoas duras ao dizerem o que não nos agrada em termos de sacrifícios, enquanto muito dos insensatos de antes persistem na receita do consumismo para se sair da crise e, mesmo com o Estado falido, vendem a ideia de que a solução é continuar no erro... considero normal que muitos dos que não tinham bom senso antes o passassem a ter agora.

Contudo, passei a estranhar que alguns ambientalistas, alguns dos quais falavam da insustentabilidade do vício consumista do capitalismo e associados a grupos de esquerda, de repente, mesmo sem apagar em definitivo várias premissas ecológicas, passaram a ter um discurso que aponta para a saída da crise através do aumento do consumo, como se isso agora fosse ambientalmente sustentável, e é vê-los aí em blogues e nos órgãos de comunicação social num volte face incrível.

Enquanto isso, para os ambientalistas convertidos à saída da crise pelo consumo, um dos resultados da insustentabilidade deste método em termos globais está à vista. Encontrar receitas para a crise sem comprometer o ambiente é um novo desafio que não se  submete às lutas político-ideológicas oportunistas.


tiro de Carlos Faria
tiro único | comentar | gosto pois!

10 comentários:
De l.rodrigues a 21 de Novembro de 2012 às 17:16
Uma falsa e demagógica questão a levantada por este post.
A redução da classe média a uma economia de sobrevivência não tem nada que ver com hábitos de consumo mais saudáveis e uma economia, num sentido lato, mais sustentável.

Posts como estes apenas têm por detrás uma posição: fazer os que empobrecem aceitar a sua nova condição. O consumo é para os ricos.


De Carlos Faria a 21 de Novembro de 2012 às 17:30
A sua resposta mostrou afinal que estou cheio de razão e toquei na ferida do volte de face de alguns.
Não defendi o empobrecimento da classe média, mas questionei apenas a sustentabilidade pelo crescimento pelo consumo que não vejo ser questionada pelos ambientalistas de esquerda.


De l.rodrigues a 21 de Novembro de 2012 às 17:47
Não consegue demonstrar que o consumo seja automaticamente igual a degradação ambiental e exaustão de recursos. Só uma avaliação qualitativa do consumo daria essa análise e não o fez de todo.
O impacto ambiental de um produto de marca branca é igual é essencialmente igual ao de um de marca, por exemplo.
Poderá até ser maior, porque a marca talvez tenha mais cuidados na produção para garantir critérios ambientais que não manchem a sua imagem. Comprar um carro novo, pode ser um gesto ambientalista por oposição a um velho, perigoso e poluente, ainda que o transporte público seja preferível.
Poderia estar aqui a desbobinar a não relação directa entre consumo e impacto ambiental mas acho que é perder o latim.


De Carlos Faria a 21 de Novembro de 2012 às 19:48
O raciocínio deste artigo é o seguinte:
Uma coisa é ensinar a poupar na água por que não se tem dinheiro e há crise, outra é oportunisticamente deixar pensar que para se dinamizar o setor há que haver dinheiro e consumir mais água. NÃO! Esta via é insustentável ambientalmente.
O artigo não diz que o consumo seja automaticamente igual a degradação ambiental, nem compara a opção do consumo de produtos baratos de marca branca em detrimento de outros mais caros, esta seria uma mera medida de poupança sem redução de consumo e se for por imposição de carência económica é a outra questão que quer insinuar, mas não está por detrás do artigo.
O artigo alerta e muito bem, que a via do consumo para a saída da crise é insustentável, isso quer dizer que consumir para levantar a economia mais cedo ou tarde conduz a outra rotura nos recursos e à degradação ambiental.
A crítica do artigo é haver ambientalistas, sobretudo de esquerda, a deixarem-se levar agora na falácia do aumento do consumo para protestarem contra a redução de rendimentos.


De l.rodrigues a 21 de Novembro de 2012 às 22:03
A crítica ao artigo é que os ambientalistas de conveniência, aqueles que agora descobrem que o consumo da nossa civilização é insustentável, usam o argumento da sustentabilidade que, sobretudo para os de direita sempre lhes foi alheio, para defender medidas de austeridade que não têm nada que ver com o ambiente.

É apenas a busca de mais um homem de palha moral para minorar "os de esquerda".


De Carlos Faria a 21 de Novembro de 2012 às 22:20
Por haver tantos preconceitos na mente de alguns é que muitos não se entendem, são incapazes de discutir, de descobrir pontes e de encontrar soluções consistentes. Há gente assim, infelizmente.


De l.rodrigues a 22 de Novembro de 2012 às 16:52
E todos os que se levantavam contra a obesidade também agora estão calados face à extraordinária oportunidade de comer muito menos que a crise nos proporciona.


De Carlos Faria a 22 de Novembro de 2012 às 19:55
Aí é de facto uma questão de sequelas da austeridade, algo que eu não defendo a qualquer preço, muito diferente da ideia que o consumismo para se sair da crise é ambientalmente insustentável a prazo que era o tema do artigo e este problema deve ser pensado sem ser enviesado por ideologias oportunistas.


De a.l.sameiro a 22 de Novembro de 2012 às 17:16
vai ser lindo quando o costa vier com a lamúria da bauxa estar a morrer!


De Carlos Faria a 22 de Novembro de 2012 às 19:57
a ideia dos veículos eu compreendo, só que na situação em que vivemos é perniciosa, pois prejudica os que não podem comprar um carro mais novo em detrimento da opção voluntária pelos transportes públicos, que em Lisboa são do pior que conheço.


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds