Terça-feira, 18 de Dezembro de 2012
por Fernando Moreira de Sá

O primeiro-ministro foi ao Porto Canal. Uma boa entrevista conduzida por Júlio Magalhães - sem ruído, as perguntas foram feitas e foi permitido ao entrevistado responder sem passar a vida a ser interrompido, por tudo e por nada.

 

No meio de um fim-de-semana intenso, o primeiro-ministro falou em vários locais e disse várias coisas. Entre as que disse ao Porto Canal e as ditas noutros locais, foram destacadas duas pela agenda: a Portugal pode acontecer o mesmo que na Grécia e a contribuição solidária nas reformas. Vamos por partes.

 

Pode Portugal ficar na mesma situação da Grécia? Claro. Para tal, basta uma crise política a sério. Ou seja, o Governo cair. De tal ninguém está livre. A acontecer, não tenho dúvida alguma de que o resultado será idêntico ao que se passa na Grécia. 

 

E a contribuição solidária nas reformas? Vou socorrer-me dos dados publicados no Diário de Notícias. A saber: As taxas vão de 3,5% a 10% nas reformas com valores compreendidos entre €1350 e €3750; de 15% para valores entre os €5030 e os €7545 e a partir deste valor, 40% de corte na pensão. E diz mais o DN: nas chamadas pensões milionárias, acima dos 5 mil euros brutos temos cerca de 2400 pensionistas, a maioria ex-governantes, juízes, professores catedráticos e médicos.

 

Tendo em conta que o mesmo DN dá como exemplos Eduardo Catroga (€9690/mensais), Cavaco Silva (€9400/mensais) e Mário Soares (€5520), fica a questão que ainda ontem coloquei no Porto Canal: canelada ou puro bom senso? Querem que se corte 40% a quem?


tiro de Fernando Moreira de Sá
tiro único | comentar | gosto pois!

1 comentário:
De Ajom Moguro a 19 de Dezembro de 2012 às 10:20
Nada a ver com a Doutora Judite, sempre preocupada em encher o espelho com ela própria.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Nada a ver com a Doutora Judite, sempre preocupada em encher o espelho com ela própria. <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>RAPÓTACHO</A> <BR>Se é necessário cortar, avancem para o balneário dos que acumulam pensões principescas, muitas delas por poucos anos ou mesmo alguns meses de actividade. Venham os números do que esses lambões arrebanham mensalmente e depois falem connosco. Contabilizem esse escândalo com a agravante de tais figurões continuarem em actividade pública ou privada arrebanhando também por aí muitos milhões. O que não podem é continuar a sugar ainda mais as magrezas dos que jogam de pé descalço para a engorda de velhos bácoros mamões insaciáveis. Cá o rapaz, a quem já cortaram em 2 ou 3 subsídios de uma reforma abaixo de 999 euros, quer saber por exemplo quanto é que o Estado gasta mensalmente com Soares, desde as fundações de cada um dos elementos do casal, outras remunerações por cargos de fachada, segurança e policiamento, gabinetes de apoio, automóveis e outras que possamos desconhecer. Vamos a contas, cambada! Problema mesmo é se consideram pensões altas aquelas magras e únicas por aposentado que se situam abaixo da casa dos 900 e picos. Privatizem toda a comandita de luxo que em vez de mealheiro de centenas, guarda para si a chave do nosso cofre forte dos milhões.


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds