Sábado, 3 de Agosto de 2013
por José Meireles Graça

Todos os dias tomo a minha ração de indignação e ternura, juntamente com três cafés. O café, dadas as suas propriedades excitantes, desperta-me do torpor e dá-me, não vontade de ir trabalhar, que apesar de tudo não se trata de um alucinogénio, mas de acordar; e a ração vou bebê-la a este sítio.

 

Hoje indignei-me, como de costume, contra eles (eles são os empresários, os consumistas, os republicanos, os accionistas das grandes empresas, os ignorantões, os mal-intencionados - os capitalistas, em suma), desta vez por causa desses patifes que andam por aí a fracturar rochas para libertar gás, que depois é utilizado em actividades criminosas.

 

E enterneci-me moderadamente com uma gata a querer dar de mamar a uns patinhos, não conseguindo todavia evitar a suspeita de a bichinha ser um pouco burra.

 

Estava o dia ganho, julgava eu. Mas o Homem põe e a comunicação social dispõe: que antes de acabar o dia fui surpreendido com a notícia de que os golfinhos foram declarados pessoas não-humanas. Isto pode ser um pequeno passo, perdão, impulso para eles, mas é um grande passo para a Humanidade. E fico agora à espera da inclusão na Declaração Universal dos Direitos do Homem das baleias-de-bossa, macacos, cães e focas.

 

Sou todo a favor dos direitos, da modernidade e assim. Mas, por amor de Deus, nem vos passe pela cabeça incluir as ratazanas. São muito inteligentes, não contesto, mas isso não.

tags:

tiro de José Meireles Graça
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

Terça-feira, 16 de Julho de 2013
por José Meireles Graça

A trela do meu cão é verde de um lado e bege do outro, mas esta delicada combinação de cores não resultou da escolha, aliás avisada, de quem a comprou, mas de puro acaso.

 

O mesmo acaso poderia ter determinado a cor amarela, e isso seria potencialmente uma grande alhada. É que a visão de um cão com uma fita amarela na trela significa que o animal "precisa de espaço", razão pela qual devemos ou afastar-nos ou dar tempo à alma compassiva que passeia o bicho para passar ao largo.

 

É pelo menos o que é defendido em 45 (!) países, tendo os materiais pedagógicos já sido traduzidos para 12 línguas.

 

A notícia não esclarece se uma dessas línguas é o Português. Mas, se esse urgente trabalho ainda não estiver feito, sê-lo-á asinha. Que não há causa parva, bandeira imbecil, ou iniciativa estapafúrdia que cá não chegue, se vier embrulhada na bandeira da defesa de causas boazinhas, em nome de "direitos".

 

Direitos dos animais, neste caso. Que não basta que quem aprecie não possa ver uma tourada; é ainda necessário que, se nos cruzarmos com um canídeo perigoso devidamente assinalado, mudemos de passeio, não vá, além de corrermos o risco de pisar o cocó do animal, ainda lhe ofendermos os sentimentos. 

tags:

tiro de José Meireles Graça
tiro único | comentar | ver comentários (3) | gosto pois!

Sábado, 22 de Junho de 2013
por José Meireles Graça

Para fazer meio quilo de seda natural é necessário assassinar barbaramente entre dois e três mil bichos-da-seda. Por aqui já se vê que, para confeccionar um elegante vestido de Verão, daqueles que devastam corações ou que usa a senhora Christine Lagarde, estamos a falar de verdadeiros genocídios.

 

Os bichos em questão, quando terminam o seu processo de transformação em insectos, têm o desagradável hábito de perfurarem os casulos para se porem na senhora da alheta, e esta perniciosa tendência estraga algumas valiosas fibras. Daí que os criadores, com oportunista prudência, cozam os casulos, com as lagartas lá dentro, em água fervente.

 

Isto gela o coração: os pobres animais indefesos, os ocelos (ou lá o que é) arregalados de pavor, revendo num instante as suas até aí confortáveis vidas, e os quilos de folhas de amoreira que devoraram. Ai credo!, que se tivesse aqui à mão um formulário, não sei se não era desta que me inscrevia no budismo ou no PAN.

 

Mas para as (e os) elegantes com um coração de esquerda (esta modernice dos seres sencientes e não sei quê é, como quase todas as causas, uma coisa de esquerda e de lunáticos, com perdão da redundância), há a alternativa da seda da paz: o insecto Eri vai à vida e os locais recolhem os casulos vazios, com os quais confeccionam à mão uma seda extremamente compassiva.

 

Se porém ainda isto for demais, há uns filamentos de uma árvore, e umas sementes de uma erva - também dão seda, sobre cuja qualidade o artigo, infelizmente, diz nada.

 

Já estou por tudo, desde que não se estenda o amor pela Natureza até às bactérias maléficas e aos vermes nojentos, e se deixe Braga em regime de extra-territorialidade.

 

É que hoje encaro a hipótese de jantar arroz de lavagante na cidade dos Arcebispos, num estabelecimento cujo nome não divulgo. E é claro que não tenciono inquirir de que forma, exactamente, se deu o falecimento do infeliz animal.

tags: ,

tiro de José Meireles Graça
tiro único | comentar | ver comentários (3) | gosto pois!

Quarta-feira, 21 de Março de 2012
por Fernando Moreira de Sá

Todos os motivos são bons para se ter uma camisola do Hulk assinada por ele. E se, ainda por cima, estiver assinada por todo o plantel, melhor ainda. Porém, este motivo consegue ser ainda mais especial:

 

A Associação Justiça Para Todos (AJPT) lançou um leilão da camisola do Hulk assinada por este e por todo o plantel e cujo valor da receita será entregue à Associação "Bebés de S. João". Uma grande causa!

 

Para aceder ao leilão, basta clicar AQUI e toca a ir a jogo. Eu já estou!


tiro de Fernando Moreira de Sá
tiro único | comentar | gosto pois!


Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
3 comentários
1 comentário
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds