Sábado, 3 de Agosto de 2013
por Pedro Correia

Aqui está uma forma saudável de fazer política: discorda-se frontalmente da decisão adoptada pelo partido, rejeita-se a candidatura lançada pelo partido e em consequência abandona-se o partido. Com todas as consequências daí inerentes. Para apoiar sem reservas uma candidatura alternativa e até integrar essa lista que se apresenta contra a do partido.

Atitudes claras, acima de tudo. Para estarem de acordo com as palavras. Ao contrário do que diz Rui Rio, "isto" em que vivemos é uma democracia. Porque em democracia há sempre alternativa. Só em ditadura é que não.

Agora compete aos eleitores julgar. Porque num sistema democrático, por mais notória que seja a qualidade das elites, só o povo é soberano.


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | gosto pois!

Segunda-feira, 22 de Julho de 2013
por Pedro Correia

{#emotions_dlg.angry}

análise política (parte 1)

a política portuguesa está transformada num conjunto de declarações hipócritas e carregada de promessas vãs. os deputados dão diariamente um espectáculo deplorável ao país com divergências e incompatibilidades que não conduzem a lado nenhum. o governo está morto só falta fazerem-lhe o funeral e é bom que isso aconteça rapidamente porque já não se aguenta o mau cheiro. as sucessivas trapalhadas condenaram o executivo ao fracasso ao ponto de todos sentirmos muitas saudades do santana lopes. ninguém percebe por que motivo o primeiro-ministro ainda não se demitiu. os políticos não conseguem apresentar uma solução coerente aos cidadãos. o presidente da república é um incapaz. enterrou o governo mas já se percebeu que não tem nada para dizer. ninguém percebe por que motivo o presidente da república ainda não se demitiu. ele e os outros todos só são capazes de fazer jogos florais. todos os partidos chegaram a um estado de degradação lamentável. a oposição também é péssima. a política falhou. a classe política enlouqueceu. ninguém percebe por que motivo os líderes dos partidos da oposição ainda não se demitiram. não há soluções boas nem más. agora só há soluções péssimas. o país já foi ao fundo.

salve-se quem puder.

{#emotions_dlg.brrrpt}

análise política (parte 2)

os políticos não conseguem apresentar uma solução coerente aos cidadãos. o presidente da república é um incapaz. enterrou o governo mas já se percebeu que não tem nada para dizer. ninguém percebe por que motivo o presidente da república ainda não se demitiu. ele e os outros todos só são capazes de fazer jogos florais. todos os partidos chegaram a um estado de degradação lamentável. a oposição também é péssima. a política falhou. a classe política enlouqueceu. ninguém percebe por que motivo os líderes dos partidos da oposição ainda não se demitiram. não há soluções boas nem más. agora só há soluções péssimas. o país já foi ao fundo. a política portuguesa está transformada num conjunto de declarações hipócritas e carregada de promessas vãs. os deputados dão diariamente um espectáculo deplorável ao país com divergências e incompatibilidades que não conduzem a lado nenhum. o governo está morto só falta fazerem-lhe o funeral e é bom que isso aconteça rapidamente porque já não se aguenta o mau cheiro. ninguém percebe por que motivo o primeiro-ministro ainda não se demitiu. as sucessivas trapalhadas condenaram o executivo ao fracasso ao ponto de todos sentirmos muitas saudades do santana lopes.

salve-se quem puder.

{#emotions_dlg.ninja}

análise política (parte 3)

ninguém percebe por que motivo o primeiro-ministro ainda não se demitiu. as sucessivas trapalhadas condenaram o executivo ao fracasso ao ponto de todos sentirmos muitas saudades do santana lopes. os políticos não conseguem apresentar uma solução coerente aos cidadãos. o presidente da república é um incapaz. enterrou o governo mas já se percebeu que não tem nada para dizer. ninguém percebe por que motivo o presidente da república ainda não se demitiu. ele e os outros todos só são capazes de fazer jogos florais. todos os partidos chegaram a um estado de degradação lamentável. a oposição também é péssima. a política falhou. a classe política enlouqueceu. ninguém percebe por que motivo os líderes dos partidos da oposição ainda não se demitiram. não há soluções boas nem más. agora só há soluções péssimas. o país já foi ao fundo. a política portuguesa está transformada num conjunto de declarações hipócritas e carregada de promessas vãs. os deputados dão diariamente um espectáculo deplorável ao país com divergências e incompatibilidades que não conduzem a lado nenhum. o governo está morto só falta fazerem-lhe o funeral e é bom que isso aconteça rapidamente porque já não se aguenta o mau cheiro.

salve-se quem puder.


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | gosto pois!

Quinta-feira, 18 de Julho de 2013
por Pedro Correia

Em Espanha, durante 35 anos de regime democrático, foram votadas apenas duas moções de censura no Parlamento. A primeira em 1980, suscitada pelo Partido Socialista de Felipe González, então principal força da oposição, contra o Executivo centrista de Adolfo Suárez. A segunda em 1987, promovida pela conservadora Aliança Popular, contra o Governo socialista de González.

Repito: apenas duas.

 

Em Portugal, só nos últimos nove meses, houve quatro moções de censura ao Governo. Duas apresentadas em Outubro de 2012, pelo Bloco de Esquerda e pelo PCP. A terceira em Março, apresentada pelo PS. A quarta será discutida e votada hoje, por iniciativa dos 'verdes', um partido que não existe. Será a 25ª moção de censura apresentada na Assembleia da República desde 1976.

 

É uma estatística que diz muito sobre duas formas antagónicas de fazer política. Lá e cá.


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | ver comentários (4) | gosto pois!

Terça-feira, 16 de Julho de 2013
por Pedro Correia

 

Imaginem uma mesa onde se joga póquer. À volta da mesa, quatro cadeiras. Nessas cadeiras estão sentados quatro homens: Aníbal, António, Paulo e Pedro. Cada qual fazendo bluff, temendo as cartas que os restantes possam lançar.

A política portuguesa, por estes dias, transformou-se nisto. Há um país inseguro, que sustém a respiração, suspenso destas cartadas. Um país sob intervenção externa, que há mais de dois anos perdeu a soberania financeira, aguarda que naquela mesa termine o jogo. Sem a mais remota esperança que daqui resulte uma solução mais sólida e mais estável.

 

Passaram apenas duas semanas desde que foi tornada pública a demissão de Vítor Gaspar, acompanhada de uma carta que constitui um notável contributo para a antologia do humor negro na política portuguesa. "Os riscos e desafios do próximo tempo são enormes. Exigem a coesão do Governo. É minha firme convicção que a minha saída contribuirá para reforçar a sua liderança e a coesão da equipa governativa", dizia o ex-titular das finanças nessa missiva supostamente dirigida ao primeiro-ministro mas tendo afinal por destinatários dez milhões de portugueses, inaugurando o estilo "carta aberta" no exercício da governação.

Quinze dias depois, tudo parece ter regressado aos penosos dias do pântano - num teste quase desesperado à liderança e à coesão, palavras habitualmente invocadas na razão inversa da sua existência, como Gaspar bem sabia quando as colocou na sua carta que abriu oficialmente a saison de crises políticas.

Não admira, por isso, que um dos quatro opte por uma pausa no mais remoto e desabitado recanto do território português. Perfeita antítese da atribulada política portuguesa por estes dias, o plácido arquipélago das Selvagens. Com apenas quatro habitantes e banhado pelas águas mais limpas do mundo, como as classificou o oceanógrafo Jacques-Yves Cousteau.

 

A Bolse treme, levando Lisboa ao terceiro pior desempenho do mundo? Os juros disparam? Há novos pedidos de demissão na equipa das finanças? Chovem acusações de que se pretende "institucionalizar o caos"? Nada que o som das cagarras não dissipe enquanto se contempla o vasto Atlântico que inspirou os navegadores das naus de Quinhentos.

Talvez elas nos tragam notícias do eclipsado Gaspar, o ex-ministro em quem o chefe do Governo costumava "confiar plenamente" em dias que parecem já muito distantes. Talvez elas contribuam para atenuar o choque das contínuas surpresas em que se transformou a montanha russa da política nacional. Talvez elas ajudem a revigorar o supremo árbitro do sistema, mais eloquente nos longos períodos de silêncio do que no esporádico uso da palavra.

Ou talvez não.

 


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | ver comentários (10) | gosto pois!

Sexta-feira, 12 de Julho de 2013
por Pedro Correia

 

Trataria, desde logo, de clarificar a situação. Abandonando ambiguidades e consensos pastosos, que nada resolvem e tudo complicam.

Apresentaria uma moção de confiança no Parlamento. Que separasse águas e tornasse evidente a legitimidade política do Governo na única sede perante a qual é politicamente responsável à luz do que estipula a nossa lei fundamental: a Assembleia da República.

A política, para ser eficaz, exige clareza.

Um gesto destes perturbaria o tacticismo pessoal de alguns vultos majestáticos ocupados em escrever livros de memórias antes do tempo? Talvez.

Paciência. A democracia é assim.


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | gosto pois!

Quinta-feira, 11 de Julho de 2013
por Pedro Correia

Escutei hoje com atenção a Antena Aberta, da RTP N. Escutei hoje com atenção a Opinião Pública, da SIC Notícias. Foi quanto bastou: adquiri a certeza de que o país está salvo.

Ouvi frases de esclarecidos "populares" como esta: "Um país tão pequeno com tantos deputados é um caos total." Ou esta: "Depois do 25 de Abril os políticos venderam o País completamente." Ou ainda esta: "É preciso um governo que faça recolher os partidos e os sindicatos às cavernas durante vinte anos!"

Com tal caldo de cultura - abençoado por uma certa intelectualidade lisboeta que não esconde o seu imeeeeenso horrrrrrror pela existência de estruturas partidárias - não admira que se multipliquem ocorrências deste género, sem encontrarem a resposta adequada dos que deviam figurar na primeira linha da defesa das instituições democráticas.

Quem grita "fascismo nunca mais" na Assembleia da República parece desconhecer que o primeiro passo de todos os fascismos é descredibilizar os parlamentos. O segundo é encerrá-los.

 

Nos fóruns da "democracia televisiva", os "populares" foram designando sem rodeios nomes de putativos chefes de um governo de "salvação nacional", correspondendo ao aparente desígnio do Presidente da República.

Fui anotando esses nomes, com minuciosa reverência: Bagão Felix, Adriano Moreira, Jorge Miranda, Vital Moreira, Silva Peneda, Guilherme Oliveira Martins, Rui Rio, Marcelo Rebelo de Sousa.

Pelo menos estes foram mencionados. Mas admito que haja muitos outros. Freitas do Amaral, que também poderia figurar nesta lista, aludiu num recente serão televisivo a "pelo menos quinze ou vinte".

 

Ditosa pátria que tantos salvadores tem.

 


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | ver comentários (2) | gosto pois!

por Pedro Correia

Se bem entendi a confusa e contraditória comunicação de Cavaco Silva ao País, Portugal estará durante um ano em campanha eleitoral. Nada melhor para promover a estabilidade política. Nada melhor para assegurar um executivo sólido. Nada melhor para garantir os nossos compromissos externos. Nada melhor para deixar os "mercados" imperturbáveis.


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | gosto pois!

por Pedro Correia

 

Em tempos de turbulência política aparecem sempre os mesmos a defender um executivo de salvação nacional, dando ênfase a estas duas palavras, como se produzissem efeitos mágicos. São poucos, mas parecem muitos porque falam imenso nas televisões - noite após noite. Sugerindo que é uma maçada ir a votos, que a Europa vê isso com maus olhos, que dá despesa, que o resultado é incerto.
Já vi este filme. E não gosto dele.

De génios em abstracto está a política portuguesa mais que cheia. Grande parte deles já "salvou" o País. A falar. Escuto um desses enquanto escrevo estas linhas.

O Governo - todos os governos - deve sair do voto livre dos portugueses, não de arranjos palacianos. E deve congregar um apoio parlamentar claro, sem depender da tutela majestática do Chefe do Estado.

Quem queira governar o País terá de cumprir algumas formalidades, eventualmente maçadoras. Candidatar-se. Ganhar o partido. Concorrer a eleições. Ganhar as eleições. Formar governo a partir dessas eleições.

Claro que é muito mais fácil alcançar isto nos debates televisivos do que na vida real. Mas o tempo em que o salvador da pátria chegava a Lisboa montado num cavalo branco já passou.

Imagem: desfile das tropas de Sidónio Pais em Lisboa (1918)


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | ver comentários (2) | gosto pois!

Terça-feira, 2 de Julho de 2013
por Pedro Correia

 

A expressão "Que se lixe a troika" - multiplicada nos espaços de intervenção pública, a começar nas redes sociais - inaugura, por via indirecta, um debate que vale a pena travar em Portugal. Funciona, desde logo, como um corolário do que poderíamos denominar "doutrina Pedro Nuno Santos", o deputado socialista que abriu caminho ao actual slogan quando proclamou sem rodeios "Estou-me marimbando [isto é, lixando] para os credores."

Confesso que não aprecio particularmente esta contaminação do discurso político pelos plebeísmos de linguagem que nos induzem a estar "lixando" para tudo, dos credores às eleições, passando pela inefável troika. Isto decorre do mesmo caldo de cultura que leva meio mundo a insultar a outra metade nos fóruns da Net e estimula as micromultidões de vaiadores de conselheiros de Estado e outros protagonistas da cena política nacional, com direito a longos directos televisivos e registo antecipado nas reportagens dos telejornais. Daí ao insulto mais desbragado como paupérrimo sucedâneo da argumentação racional vai um curto passo.

Mas desagrada-me ainda mais o alastramento do jargão tecnocrático ao discurso político. Ao menos o calão tem a vantagem de ser claramente perceptível pelo cidadão comum.

 

As palavras nunca são indiferentes ou neutras no debate político. Podemos dizer "Que se lixe o défice" ou "Que se lixe a dívida". Podemos - e devemos - gritar "Que se lixe o desemprego". Mas quando elejemos a expressão "Que se lixe a troika" temos a obrigação de saber onde esta palavra de ordem nos conduziria caso fosse seguida à letra. Rasgar o memorando com a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional, assumindo o incumprimento, levaria Portugal a ser expulso da zona euro.

E este é, portanto, o debate que vale a pena ser travado: devemos ou não permanecer no euro?

 

É um debate que urge travar, mesmo que algumas forças políticas que mandam "lixar a troika" o evitem. Essa foi uma clarificação que faltou à esquerda na última campanha legislativa grega e que explica porventura o desaire eleitoral do Syriza, contrariando o que diziam as sondagens: há uma contradição insanável entre a proclamada intenção de manter o euro como moeda enquanto se recusa o cumprimento das mais elementares obrigações impostas aos membros deste clube - à cabeça das quais está, naturalmente, o pagamento das dívidas.

Tal como o Luís Menezes Leitão, gostaria de ver esse debate travado em Portugal. Com argumentos sérios, não com slogans. Alguns economistas têm defendido sem rodeios a saída de Portugal do euro: são poucos, como João Ferreira do Amaral e Octávio Teixeira, mas os seus argumentos merecem ser escutados.

E é bom que não haja dúvidas sobre as consequências dessa opção. Mandar fora a troika seria mandar fora o euro mas sem que nos livrássemos da pressão dos credores. Porque, mesmo de regresso ao velho escudo, necessitaríamos de financiamento externo como de pão para a boca. Nenhum dos nossos actuais problemas terminava - e vários outros começariam. Resta saber que slogans iríamos gritar então.

 

Leitura complementar: Louçã antevê sacrifícios como os da II Guerra Mundial


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | gosto pois!

Quarta-feira, 26 de Junho de 2013
por Miguel Félix António

Hoje no Diário de Notícias escrevo sobre as opções partidárias nas autarquias locais.

 

http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=3290257&page=-1


tiro de Miguel Félix António
tiro único | comentar | gosto pois!

Terça-feira, 28 de Maio de 2013
por Fernando Moreira de Sá

 

 

Vamos ser sinceros: não é com o Facebook que se ganham eleições. Quer seja para uma coletividade, para uma autarquia ou para a Presidência da República - escreve Hugo Melo Gomes no Jornal de Negócios (clicar para ler o artigo).


Aqui está uma frase com a qual até posso concordar, em parte. Imaginem agora a frase "ao contrário" e faço a pergunta: será que com o facebook (e outras redes sociais) se podem perder eleições? Vamos por partes.


Estou convencido (vale o que vale) de duas coisas: é fundamental marcar presença nas redes sociais e, estando, só com profissionalismo. Para já, estar nas redes sociais, como o plural da frase indica, significa "estar" no facebook, no twitter, no instagram, na blogosfera (aqui de forma indirecta), etc. Significa apostar nos conteúdos - comuns, próprios, nas fotografias, nos vídeos, no design, entre outros - e tudo integrado em rede. E perceber a linguagem própria destas "novas" ferramentas de comunicação. Obviamente, como bem refere no seu artigo Hugo Melo Gomes, tudo isto não faz ganhar eleições. Mas ajuda. Ajuda na dinâmica, na "onda", na humanização da comunicação, na partilha de informação. Estar nas redes sociais não significa deixar de estar na rua, no contacto pessoal, colocar outdoors ou não dar entrevistas, não falar com a imprensa. O projecto pode ser excelente, o candidato pode ser fantástico. Porém, se eu não tiver acesso à informação, de nada vale. Ora, as redes sociais são importantes para dar a conhecer o projecto, para "vender" o candidato (entre aspas!) e para criar uma dinâmica de pertença. Claro que não chega.


Coisa diferente é saber se uma péssima presença (ou presença nenhuma) ou um tiro mal dado nas redes sociais pode destruir uma campanha. Sem ter certezas (vou aguardar por outubro para as ter) penso que sim. Basta pensar nalguns números: os quase 5 milhões de portugueses com internet e, destes, os mais de 70% que usam as redes diariamente, com espeial relevância o facebook. E ver como os leitores dos principais jornais fogem dos artigos de opinião, das páginas de política ou, nas televisões, as audiências dos canais de notícias da cabo. Tudo isto, por junto, pode significar alguma coisa. A ver vamos.


Contudo, nunca esquecer: mal ou bem, a meu ver mal, existem duas realidades distintas no nosso país, o país dos grandes aglomerados populacionais e o resto. Logicamente, a influência das redes sociais é diferente.


tiro de Fernando Moreira de Sá
tiro único | comentar | ver comentários (7) | gosto pois!

Quarta-feira, 15 de Maio de 2013
por Alexandre Poço

Passos em económica e Sócrates em executiva

 

"Tão perto e tão longe, o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho viajou em classe económica, obrigado pela regra que impôs a todo o governo no início do mandato. Livre de tais constrangimentos, o ex-primeiro-ministro e comentador dominical da RTP, José Sócrates, viajou em executiva. Onde, aliás, era o único passageiro."


tiro de Alexandre Poço
tiro único | comentar | ver comentários (8) | gosto pois!

Sexta-feira, 26 de Abril de 2013
por Alexandre Poço

Há anos que ouvimos a ladainha que nos diz que é preciso trazer "nova gente" para a política. Gente que faça a "renovação" do desgraçado e pútrido sistema político, maioritariamente constituído por políticos profissionais. Diz-nos o senso comum que devemos sentir repulsa pelo carreirismo partidário que se inicia nas inefáveis jotas e tem continuidade no parlamento, nas autarquias ou no governo. Um movimento novo, qual agrupamento de D. Sebastiões independentes, é urgente para a restauração do regime. Esse movimento novo tem de nascer para lá dos partidos, como que por geração espontânea, e o ódio ao partidarismo e ao caciquismo deverá ser o cimento cola. A política feita por políticos profissionais é um nojo. Os partidos têm de trazer pessoas de outras áreas.

 

Ora, é engraçado ver a reacção dos que passam a vida a apontar os defeitos dos políticos quando os partidos vão buscar pessoas fora da esfera política para desempenharem cargos ou para se candidatarem a algum lugar. Se é alguém da academia ou da ciência, essa pessoa não conhece a realidade e não será um homem de acção, pois falta-lhe senso político (o mesmo que é simultaneamente odiado). É ver a forma como o Ministro Álvaro é tratado desde que tomou posse. Neste artigo no Blasfémias, o João Miranda já abordou o assunto de forma muito feliz. Nos últimos dias, as novidades do PS Oeiras e do PSD Porto para as respectivas candidaturas autárquicas deram-nos mais dois exemplos desta cultura que odeia políticos profissionais e que pede "renovação" mas que quando confrontada com as personalidades vindas de fora do meio político reage lembrando o populismo das escolhas, a decadência partidária e a falta de perfil para desempenhar cargos políticos. Como alguém disse no Twitter sobre estas escolhas: "Acenam com cromos para ganhar votos".


Ficamos então a saber que um professor universitário, um apresentador de televisão, um ex-futebolista ou um antigo árbitro não servem para a dita renovação, sendo que no caso dos últimos três isto é claramente uma manobra para ganhar votos devido à visibilidade mediática alcançada nas anteriores profissões. Esta gente na política é que não. A política tem de ser tratada de outra forma. São uma vergonha estes movimentos e estas candidaturas. Viva os políticos profissionais!


tiro de Alexandre Poço
tiro único | comentar | gosto pois!

Quinta-feira, 25 de Abril de 2013
por Pedro Correia

                            

 

É curioso: o 25 de Abril fez-se para fundar uma democracia representativa em Portugal, sufragada pelo voto universal e livre dos cidadãos. Mas raras vezes, ano após ano, vejo homenagear esse órgão concreto da democracia - com o qual tantos sonharam durante gerações - que é a Assembleia da República, símbolo supremo do nosso regime constitucional.

Espero que este lapso seja corrigido e que em 25 de Abril de 2014, quando a Revolução dos Cravos comemorar quatro décadas, possam ser homenageados 40 deputados, de diferentes partidos. Deputados que nunca foram ministros nem secretários de Estado nem presidentes de câmara nem presidentes de governos regionais: apenas deputados. Seria uma excelente forma de assinalar a instituição máxima da democracia portuguesa.

Fui repórter parlamentar do Diário de Notícias durante cinco anos e, nessa qualidade, tive o privilégio de conhecer competentíssimos deputados em todas as bancadas. E hoje, a pretexto do 25 de Abril, quero distinguir dois desses parlamentares que conheci pessoalmente: Maria José Nogueira Pinto e João Amaral. Ela claramente de direita, ele inequivocamente de esquerda.

Em legislaturas marcadas por fortes combates políticos, nenhum dos dois alguma vez cessou de tomar partido, envolvendo-se convictamente no confronto de ideias que é função cimeira do órgão parlamentar: sabia-se ao que vinham, por que vinham, que causas subscreviam e que bandeiras ideológicas sustentavam. Mas também sempre vi neles capacidade para analisar os argumentos contrários, com elegância e lealdade institucional, sem nunca deixarem as clivagens partidárias contaminarem as saudáveis relações de amizade que souberam travar com adversários políticos.

Porque a democracia também é isto: saber escutar os outros, saber conviver com quem não pensa como nós.

Lembro-me deles com frequência. Lembrei-me hoje deles também a propósito das sábias palavras que Giorgio Napolitano proferiu segunda-feira passada, em Roma, ao tomar posse no segundo mandato como Presidente italiano. "O facto de se estar a difundir uma espécie de horror a todas as hipóteses de compromisso, aliança, mediações e convergência de forças políticas é um sinal de regressão", declarou neste notável discurso Napolitano, de longe o político mais respeitado da turbulenta e caótica Itália, que festeja a 25 de Abril o seu dia nacional.

Palavras que certamente encontram eco entre os italianos.

Palavras que também deviam suscitar meditação entre nós. Palavras que a conservadora Maria José Nogueira Pinto e o comunista João Amaral seguramente entenderiam - desde logo porque sempre souberam pôr os interesses do País acima de tacticismos políticos.

Quis o destino, tantas vezes cruel, que já não se encontrem fisicamente entre nós. Mas o exemplo de ambos perdura, como símbolo de convicções fortes que - precisamente por isso - são capazes de servir de cimento para edificar pontes. E talvez nunca tenhamos precisado tanto dessas pontes como agora.

 

Publicado também aqui


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | gosto pois!

Sábado, 13 de Abril de 2013
por Pedro Correia

Dois pesos, duas medidas. A 8 de Março, por unanimidade, a Assembleia da República aprovou quatro - repito: quatro - votos de pesar pela morte de Hugo Chávez. Unanimidade que não se repetiu, longe disso, na sessão parlamentar de ontem, ao ser aprovado um voto de pesar pelo falecimento de Margaret Thatcher: os comunistas votaram contra, o PEV naturalmente também, o Bloco de Esquerda idem aspas. O sectarismo destes partidos em relação a quem não professa a mesma cor política não ocorre só em vida: evidencia-se também na fase post mortem.

Mas o mais espantoso, na votação de ontem, foi verificar que 13 deputados socialistas, depois de terem lamentado a morte de Chávez, não foram capazes de fazer o mesmo por Thatcher, abstendo-se na votação. Tratando-se da primeira mulher que ascendeu à chefia de um Governo ocidental, tratando-se de uma líder política que foi sufragada pelos eleitores britânicos em três eleições sucessivas, tratando-se de uma figura com inegável relevância histórica, nem assim mereceu um gesto de cortesia parlamentar destes socialistas, quase equiparados em sectarismo a comunistas, verdes e bloquistas.

Como se estivessem sentados na bancada errada.


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | ver comentários (6) | gosto pois!

Domingo, 7 de Abril de 2013
por Diogo Agostinho

É fantástico assistir à preparação dos planos de uma brigada do reumático que por aí pulula por nobres instituições do nosso mais nobre país.

Nos corredores, entre reuniões e bocas, as soluções milagrosas dos Penedas e Vilares desta vida são há muito faladas.

Gente de bem, com visão, com capacidade de pegar neste País. Gente que não se revê nos actuais dirigentes partidários. Gente que vive encostada a nomes e imagens de rigor e eficácia.

Tenho uma confissão a fazer: estes tipos são zero! Zero de ideias, zero de capacidade de decisão, zero de capacidade de trabalho, vivem entre almoços e inaugurações de bicos de pé, entre convites respeitosos por um Mário Crespo ou um tempo de antena de um qualquer canal, com os seus méritos de serem ex qualquer coisa, são hoje armados em grandes gestores que juntam cargos e cargos em conselhos de administração ou consultores divinos. Quais senhas de presença, trabalhar é para o povo e para quem recebe salário mínimo, eles são de outra casta. São predestinados. São o melhor que este país produziu.

É esta brigada do reumático que sonha com um governo à medida. Eleições? Partidos? Isso é para a plebe. Eles estão acima. Sempre foram a voz da razão. Foi como divinos conselheiros de Sampaio, é agora com o chapéu de guarda moral para os destinos de um povo perdido.

Monti correu mal? Isso foi por culpa de Berlusconi, cá no burgo não há nenhum qualquer populista que os possa atrapalhar na missão tão nobre para que se preparam.

E é uma missão. Não duvidem. Eles estão aí prontos para o sacrificio. E o povo sereno pode agradecer aos ceús por contar com tão nobre armada para o futuro risonho da nossa nação.

tags:

tiro de Diogo Agostinho
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

Quinta-feira, 21 de Março de 2013
por Pedro Correia

O nome é péssimo: Movimento Revolução Branca. E o desígnio é tão infeliz quanto o nome: restringir direitos políticos de cidadãos portugueses, indo além da letra da lei. Uma espécie de racismo contra titulares de cargos políticos sufragados pelos cidadãos, utilizando o poder judicial para tentar condicionar candidaturas partidárias em locais tão diversos como Lisboa, Porto, Loures, Tavira, Estremoz, Castro Marim, Beja, Évora e Alcácer do Sal.

Parte-se do princípio que um autarca, após ter cumprido três mandatos consecutivos num determinado município ou junta de freguesia, não poderá cumprir um primeiro mandato noutro município ou noutra junta de freguesia - algo que não é vedado pela lei, nem poderia ser. Porque a presidência da Junta de Freguesia de Marvila, em Lisboa, nada tem a ver com a presidência da Junta de Freguesia de Nevogilde, no Porto. Ou a presidência da Câmara Municipal de Ponta Delgada nada tem a ver com a presidência da Câmara Municipal de Freixo de Espada à Cinta.

A ideia é combater os políticos, presumindo que assim se "limpa" a política. Como se o discurso antipolíticos, eivado de populismo, não fosse sempre o primeiro passo para uma democracia condicionada.

 

O que pretende afinal esta "Revolução Branca"? Ganhar antecipadamente na secretaria aquilo que se receia perder no terreno eleitoral, através do voto livremente expresso pelos cidadãos. Invertendo, com o recurso a providências cautelares, um princípio básico do direito em qualquer país onde vigora uma democracia de matriz liberal: "Tudo quanto não é proibido, é permitido."

Os "brancos", de uma alvura imaculada, preferem inverter o axioma: para eles, tudo quanto não é expressamente autorizado, merece ser proibido. Esquecem que, em matéria de direitos, liberdades e garantias, a doutrina jurisprudencial portuguesa recomenda precisamente o contrário.

"As leis restritivas de direitos fundamentais, como é o caso, devem ser interpretadas restritivamente e não podem ter uma interpretação extensiva. Não somos nós que o dizemos. É a Constituição que o determina no artigo 18.º, quando confere força jurídica aos direitos, liberdades e garantias, e é a jurisprudência constitucional que reiteradamente o afirma."São palavras do deputado comunista António Filipe, proferidas a 14 de Fevereiro na Assembleia da República. Palavras lapidares, que de algum modo antecipam o que sucederá quando assentar a poeira deste folclore juridico-mediático que pretende transformar as providências cautelares em armas de arremesso eleitoral, judicializando a política.

O resultado provisório é este: o tribunal cível de Lisboa declara improcedente a candidatura autárquica de Fernando Seara, que nem sequer está formalizada, expropriando-o de um direito político essencial, enquanto o de Loures - analisando exactamente a mesma matéria de direito - nada obsta à candidatura de Fernando Costa, recusando até apreciar a queixa contra este autarca.

 

A democracia só tem a perder com esta judicialização da política, que coloca os tribunais em sintonia com uns partidos enquanto desfavorecem outros. O Presidente da República e a presidente da Assembleia da República, que gostam de se debruçar sobre tão magnas questões, aqui têm abundante matéria de reflexão: concordarão ambos com esta tentativa de restringir em absoluto a limitação de mandatos?

A última palavra cabe ao Tribunal Constitucional - e não tenho a menor dúvida que os juízes do Palácio Ratton desautorizarão todas as restrições de direitos que os tribunais comuns possam pretender impor, à margem da letra e do espírito da nossa lei fundamental. Resta saber se tudo se processará em tempo útil e quem beneficiará com esta tentativa de transformar magistrados em protagonistas políticos como se a separação de poderes não fosse uma conquista civilizacional.

 

Também aqui


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | gosto pois!

Sexta-feira, 8 de Março de 2013
por Alexandre Poço

Diz-se por aí que precisamos do "regresso da política" para substituir a odiosa "folha do Excel". Empurrar para a frente com a barriga os problemas é um hábito bem nosso. Sei bem o que é que significa esse regresso, por isso perdoem-me o antipatriotismo, mas prefiro o "Excel". 


tiro de Alexandre Poço
tiro único | comentar | gosto pois!

Domingo, 17 de Fevereiro de 2013
por Alexandre Guerra

Talvez por ser uma pessoa minimamente exigente com aquilo que lê e ouve, o autor destas linhas conta pelos dedos de uma mão aqueles que, entre os que ocupam o espaço mediático em Portugal, têm um pensamento verdadeiramente consistente e sofisticado. Ou seja, homens que “pensam bem” e que, sempre que escrevem ou falam, merecem a atenção redobrada deste vosso escriba.

Adriano Moreira é uma dessas pessoas. Aos 90 anos é um dos poucos pensadores dignos desse nome em Portugal e, sem qualquer dúvida, uma das mentes mais esclarecidas entre todos aqueles que, por esse mundo fora da "intelligentsia", vão debitando as suas opiniões sobre o modelo de governança das sociedades actuais.

Nos últimos anos, Adriano Moreira tem abordado vários assuntos sobre os quais tem problematizado, nomeadamente, as funções do Estado e a responsabilidade dos governos.

E a este propósito, ainda há uns tempos, o mesmo Adriano Moreira desconstruía de forma magistral o argumento da “incerteza” provocada pela conjuntura internacional que o Governo português (e outros) recorrentemente utiliza para justificar eventuais desvios de previsões ou falhanço de políticas.

Ora, para Adriano Moreira, a capacidade de lidar com a “imprevisibilidade” é precisamente um dos requisitos da função de um Governo, seja em que país for. A Política assume a “imprevisibilidade” e a “incerteza” como factores naturais inerentes à arte de governar e não como “desculpas” ou “refúgios” de previsões erradas ou más políticas levadas a cabo por um Governo.

tags:

tiro de Alexandre Guerra
tiro único | comentar | gosto pois!

Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2013
por Pedro Correia

Os primeiros sinais positivos das finanças portuguesas desde o pedido de intervenção externa (regresso aos mercados após 30 meses, com juros abaixo dos 5%, garantindo as necessidades de financiamento de Portugal para este ano; execução orçamental abaixo do limite do défice para 2012 previsto no memorando de entendimento; seis avaliações positivas ao cumprimento das metas de consolidação orçamental impostas pelos nossos credores do FMI, do BCE e da Comissão Europeia; primeira balança comercial positiva desde 1943) estão a acelerar algumas pulsações nas fileiras do Partido Socialista. A economia é o melhor barómetro para entendermos certas movimentações políticas.

António José Seguro bem tentou reclamar para si os louros da dilatação dos prazos previstos para o pagamento da nossa dívida, mas não consegue convencer ilustres socialistas, que lhe vão apertando o cerco, conscientes que a recuperação da economia portuguesa daqui a um ano já será realidade, de acordo com as previsões do Banco de Portugal: aguardar pacientemente um longo processo de desgaste dos rivais internos deixou de ser a palavra de ordem.

Os sinais são evidentes. Pedro Silva Pereira, ex-ministro da Presidência, afirma em entrevista à Rádio Renascença que a principal força política da oposição ainda não se apresenta como uma "alternativa credível" ao Governo PSD-CDS, enquanto reclama a antecipação do congresso do partido - cenário já rejeitado pelo dirigente socialista José Junqueiro. Outro deputado do PS, José Lello, defende também um congresso "o mais breve possível", pressionando Seguro. O ex-ministro da Defesa e dos Assuntos Parlamentares, Augusto Santos Silva, no seu habitual espaço de comentário na TVI 24, diz sem papas na língua que a recente trapalhada no PS em torno da ADSE resultou de "um erro de liderança".

E - superando em acutilância os seus camaradas de partido - António Costa aproveitou também a sua tribuna de comentário televisivo semanal, na SIC Notícias, para acusar Seguro de partir para as próximas batalhas políticas "diminuído, sem autenticidade, sem convicção, sem capacidade de confrontação, sem capacidade de formulação de uma alternativa sustentada". Isto enquanto tarda em confirmar a sua recandidatura à Presidência da Câmara Municipal de Lisboa.

Terminou o tempo de esperar para ver: estas vozes não se levantam agora por acaso. Em política, nunca há coincidências.

Também aqui


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

Domingo, 28 de Outubro de 2012
por Dita Dura

A corrupção é a principal doença do sistema político, seja através de nepotismo, clientelismo, suborno ou outras engenhosas formas de favorecimento. Uma sociedade nunca será verdadeiramente livre enquanto existir uma réstia de abuso de poder e não é coincidência que apareça nos países mais pobres, mais permeáveis à crise económica e com maior desigualdade na distribuição de riqueza. Precisamente por isso mesmo, é fundamental descobrirmos rapidamente uma cura para podermos superar a grave crise económica. Mas a verdade é que apontar o dedo é demasiado fácil e, se não quisermos ser hipócritas, facilmente observamos que o tráfico de influências está impregnado em toda a sociedade e convivemos diariamente com as cunhas, os arranjos e os favorzinhos.

 

Nas candidaturas de emprego, por exemplo, os jovens habituam-se desde cedo a utilizar todos os meios ao seu alcance para conseguirem uma oportunidade. E os instrumentos variam desde a influência familiar até à insinuação sexual que está tantas vezes latente nas entrevistas. É um jogo que aceitam fazer por ser mais eficaz que qualquer aptidão profissional e é o primeiro sintoma de um carreirismo baseado em premissas tribais primárias. Por outro lado, mais do que um colaborador competente ou um investimento em capital humano, os empregadores buscam uma sensação de poder que para eles é tão fundamental como a conquista do lucro. São instintos básicos próprios de uma sociedade primitiva e os catalisadores de uma noção de sucesso profissional que nos deixa uns furos abaixo dos nossos concorrentes do Norte da Europa.

 

Mas é evidente que esta cultura mediterrânica não se encontra só na gestão de pessoal. Em todas as áreas do negócio existem estas motivações subconsciencializadas, desde a contabilidade criativa até à abordagem comercial que coloca os produtos ou serviços cinco por cento mais caros para se fazer o obrigatório desconto de pagamento de cinco por cento. Todos sabemos que, sem este tipo de compensações imaginárias, há pessoas que não dormem e sofrem ataques de ansiedade. Porque a sensação de que estamos a ultrapassar alguém num negócio devido à nossa esperteza superior tem o efeito de uma injecção de heroína.

 

Podemos assim deixar de encontrar explicações matemáticas para a falência económica mediterrânica. De nada servem os modelos estatísticos ou as complicadas demonstrações macroeconómicas. A razão da nossa (tão falada) fraca resposta económica perante a crise económica e imobiliária tem raízes essencialmente psicanalíticas. Por isso, ponham de lado os economistas, dispensem os comentadores políticos – o que precisamos neste momento é de psiquiatras e psicólogos que façam uma boa terapia cognitiva e comportamental para reestruturar as motivações primárias dos empresários e cimentar relações económicas que não se desviem do seu objectivo principal. E no final talvez receitem um bom medicamento que cure estes comportamentos desviantes. De preferência um gigante supositório. 


tiro de Dita Dura
tiro único | comentar | ver comentários (2) | gosto pois! (1)

Sábado, 22 de Setembro de 2012
por Rodrigo Saraiva

o que tem de ser escrito, deve ser escrito. É de ler.

 


tiro de Rodrigo Saraiva
tiro único | comentar | gosto pois!

Quarta-feira, 19 de Setembro de 2012
por Rodrigo Saraiva

PSD cai a pique mas PS não sobe

 

Portugal emite dívida e juros caem a pique

tags: , ,

tiro de Rodrigo Saraiva
tiro único | comentar | gosto pois!

Segunda-feira, 20 de Agosto de 2012
por Luís Naves

Tem gerado polémica a decisão de Francisco Louçã de deixar a liderança do Bloco de Esquerda, sobretudo após o coordenador do BE propor aos militantes uma solução bicéfala para a direcção do partido. Julgo que a comoção é exagerada e que releva incompreensão em relação aos bloquistas e ao próprio Louçã.
Embora seja o melhor orador da política portuguesa, Francisco Louçã irrita a direita, que frequentemente distorce as suas posições. Em muitos comentários (ainda ontem no de Marcelo Rebelo de Sousa, na TVI) surgiu a acusação de "demagogia" que julgo ser injusta. Embora tenha fama de radical, o líder do bloco é um político com um percurso coerente, que transformou uma federação de pequenas formações num partido a sério e que tem hipóteses de integrar futuros governos. A ideia da direcção bicéfala resulta da adopção de um modelo idêntico ao dos Verdes alemães, a meu ver a grande referência do Bloco, pelo menos no plano das aspirações. 
 


tiro de Luís Naves
tiro único | comentar | ver comentários (7) | gosto pois!

Sexta-feira, 22 de Junho de 2012
por Fernando Moreira de Sá

tags:

tiro de Fernando Moreira de Sá
tiro único | comentar | gosto pois!

Terça-feira, 29 de Maio de 2012
por Fernando Moreira de Sá


tiro de Fernando Moreira de Sá
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

Quinta-feira, 3 de Maio de 2012
por José Adelino Maltez

 

Ontem, devorando, ao segundo, o debate das presidenciais francesas, compreendi como o meu quotidiano está tão dependente das questiúnculas do politiqueirismo francês, quanto do alemão, do italiano ou do grego. Por cá, até Passos Coelho deve estar a torcer pela vitória de Hollande. Com a mesma convicção PPE que Sarkozy demonstrou, ao tentar esquivar-se da camaradagem com Berlusconi. Malhas que a hipocrisia da política europeia tece. "Espelho de enganos, theatro de verdades, mostrador de horas minguadas, gazua geral dos reynos de Portugal"...

 

Daqui a uns anos, os historiadores, ao analisarem as parangonas dos dias que passam na política interna portuguesa, criarão uma nova categoria de sexo dos anjos, a nomeação dos representantes da partidocracia para o Tribunal Constitucional. Ficará para a categoria do riso aquele desabafo de uma ilustre nomeadora da Corte, a que ficou danada quando descobriu que o respectivo indigitado não lhe confessou as respectivas filiações filosóficas, de acordo com a terminologia oficial da comissão europeia. Assim se demonstrou como a nomeação para a vigilância da constitucionalidade assenta em bases mentais materialmente inconstitucionais. Porque é destes meandros e pormenores que se faz o todo. Por isso é que os analistas costumes, que reportam a matéria para o resto do mundo polido e civilizado, apenas nos continuam a incluir na zona das mercearias entrevadas.

 

Poucos terão reparado no pressuposto politicamente correcto em que radica a escolha dos juízes do tribunal constitucional. Se os partidos, em nome do parlamento, escolhem políticos, a escolha é partidária, mas se são condenados a escolher entre magistrados de carreira, ninguém diz que ainda são mais partidários, ao partidarizarem a própria magistratura, ou, pelo menos, a optarem pelos partidos internos que fragmentam a magistratura. A hipocrisia da quota apenas deixa o periscópio de fora.

 

Essa de haver juízes eleitos pelo povo está de acordo com as próprias raízes da democracia, a grega. O problema está nas canalizações enferrujadas dos que os dizem candidatar. Para resolver a questão, poderia haver um verdadeiro concurso público, aberto a quem estivesse disposto a levar o respectivo currículo a escrutínio, mas desde que os avaliadores não tivessem descido da cunha e da golpada.

 

Outra das hipocrisias do sistema está no processo oculto dos avaliadores que não são avaliados. Veja-se, por exemplo, o concurso público internacional na escolha dos reitores e directores das universidades públicas, e outros. Poucos reparam que, previamente, o colégio eleitoral, o dos famosos conselhos gerais, já foi objecto de restrições, desviacionistas das presentes oligarquia e aristocracia. Neste momento, é dos sítios de Portugal onde há maior concentração dos notáveis da banca e dos empresários de regime, com intelectuais oficiosos e ex-partidocratas enfeitando.

 

Este ciclo de regime é bem representado pelo estilo e pela linguagem gestual do seu máximo magistrado, bem como pelas cacafonias discursivas dos partidocratas do centrão e da respectiva teatrocracia. Todos eles são crepúsculo, mas sabendo que a decadência pode levar anos e anos, dado que se refinou o modelo de servidão voluntária. Como a honra continua a não querer consumar o matrimónio com a inteligência, toda a mudança, imprevisível, virá de fora para dentro e pode ocorrer a qualquer momento. No dia seguinte, haverá inúmeros treinadores de bancada, adeptos de La Palisse, que dirão: eu bem tinha avisado, até pus no "site"!

 

Infelizmente, no Portugal Contemporâneo, isto é, pós-vintista, os períodos de liberdade e democracia imperfeita que tivemos, foram sempre produzidos por ditaduras revolucionárias de governos provisórios. Foi assim com a regência, do rei soldado, com o governo dos republicanos, 1910-1911, e com os provisórios de Abril, 1974-1976, quando as comunidades foram agitadas por minorias de serviço, obtendo o consenso comunitário "a posteriori". Surgiram, então, novos regimes que passaram a ser contratos sociais estabelecidos entre os aparelhos de poder e um determinado sistema de valores, o implantado num determinado dia fundador. Infelizmente, já não somos o que fomos, nem podemos voltar a ser o que éramos, como diria Garrett. A não ser que o deus queira, o homem sonhe e a obra nasça.


tiro de José Adelino Maltez
tiro único | comentar | ver comentários (2) | gosto pois!

Sexta-feira, 27 de Abril de 2012
por Alexandre Guerra

Agora, depois de o ter visto, este apache percebe porque é que o All The King’s Men (1949) é um daqueles filmes obrigatórios para quem trabalha em comunicação política.

Vencedor de três óscares da Academia, incluindo Melhor Filme, e baseado na obra homónima de Robert Penn Warren, de 1946, laureada com o Pulitzer no ano seguinte, All The King’s Men conta a história da ascensão política de Willie Stark nos anos 30 num Estado pobre dos Estados Unidos que, com a sua base de apoio assente nos “hicks” (provincianos, labregos), conquista o poder e o vai mantendo a todo o custo. Porque, a verdade é que a “política é um jogo sujo”, mesmo que esteja ao serviço do “Bem”.

A seu lado, Willie Stark tem Jack Burden, um antigo jornalista, que, acreditando no homem e no político, passa para o “outro lado” e se torna no seu assessor mais próximo.

O filme começa precisamente com Jack Burden, ainda repórter político do “Chronicle”, a ser chamado ao gabinete do seu editor. Este pergunta-lhe se já ouviu falar num tal de Willie Stark. Ao que Burden responde não.

É então que o editor lhe diz que se trata de um político de Kanoma City, uma capital de comarca “típica, quente, poeirenta e remota”, que se vai candidatar a um cargo público no “county council”.

E perante esta informação aparentemente algo inócua e sem interesse jornalístico, Stark pergunta: “E o que tem isso de especial?”

“Dizem que é um homem honesto”, responde o editor.

 

É neste discurso que Willie Stark, falando com paixão e com sinceridade ao povo, inverte a tendência negativa da sua primeira campanha eleitoral para Governador. Acabaria por perder, mas longe de ser a derrota estrondosa que muitos previam. Na altura em que soube os resultados eleitorais, anunciando a sua derrota, Willie Stark sorriu. Alguém perguntou-lhe porquê e ele respondeu: "Agora perdi, mas aprendi como se ganha!"


tiro de Alexandre Guerra
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

Segunda-feira, 2 de Abril de 2012
por José Adelino Maltez

 

Segundo Weber, a moral da convicção (Gesinnungsethik) incita cada um a agir segundo os seus sentimentos, sem referência à s consequências, diz, por exemplo, para vivermos como pensamos, sem termos de pensar como depois vamos viver. Difere da moral da responsabilidade (Verantwortungsethik). A segunda apenas interpreta a acção em termos de meios–fins e é marcada pelo supra-individualismo, defendendo a eficácia de um finalismo que escolhe os meios necessários, apenas os valorando instrumentalmente, dizendo, por exemplo, como em Maquiavel, que a salvação da cidade é mais importante que a salvação da alma.

A intelectualice que emiti tem a ver com duas conversas que me chegaram. A primeira, de um velho patriarca da esquerda, sobre a instrumentalização de um velho direitista, dizendo que o deviam usar porque ele era inofensivo, vaidoso e até dava jeito. A segunda de um novo direitista no poder, dizendo exactamente o mesmo de um esquerdista. Ambos têm razão enquanto a não perderem. Com o factor mais criativo da história da humanidade: o imprevisto que produz mudanças.

Uma conclusão: em Portugal, o de hoje, e o de ontem, não há espaço para teorias da conspiração, para lutas de ideias ou para combates políticos. É tudo mais de amiguismos de jantarada e de troca de favores. No toma lá, dá cá, que nem feudalismo chega a ser. Porque este tinha lógica. De cavalaria, vergonha e dominação dos outros. Um colonizado está uns degraus abaixo do feudalizado. É mais barato.

Até quando andava meio mundo ao serviço do outro sempre havia direito à rebelião. No moluscular, jamais.

Sempre acreditei nos acasos procurados. Movem montanhas.  A libertação é apenas a liberdade que se conquista. Não é uma concessão do ministerialismo a deslumbrados.

 

Quem se assume como mera consequência de dois lados da tirania, não passa de mera conquência de um paralelograma de forças. Usam-no e deitam-no fora.

A palavra sempre foi um saber que a experiência fez. Basta ver, ouvir e ler. Sem ignorar.

Daí que partilhe uma emoção. De Anna Marly, a exilada russa que desencadeou a coisa em Londres, 1943. Há quem pense que a canção tem a ver com um partido ou com uma revolução, o que não corresponde à conspiração de todos quantos criaram a libertação. 

tags:

tiro de José Adelino Maltez
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

Sábado, 31 de Março de 2012
por Mr. Brown

Mas ficaria bem ao CDS, tal como aconteceu noutras situações nesta legislatura, não impor consequências políticas a quem pensa pela sua própria cabeça. Cortinas de fumo à parte, no caso de Ribeiro e Castro não ficaria nada bem. Se esta alteração ao Código do Trabalho não é matéria de disciplina de voto, qual é que será? Resta o orçamento e pouco mais. Além disso, as alterações ao Código do Trabalho resultam do memorando de entendimento com a troika, o qual, pensava eu, comprometia todos os deputados do CDS. Se Ribeiro e Castro, furando a disciplina de voto, vota contra nesta matéria e isso não tem qualquer consequência, então a partir de agora, pelo menos no que ao ponto de vista do CDS diz respeito, todos os deputados do PS ganham liberdade para deixar de respeitar o memorando que o partido pelo qual foram eleitos também assinou. Um deputado do CDS arranjou um pretexto para votar contra, muitos outros pretextos não faltariam na bancada socialista.


tiro de Mr. Brown
tiro único | comentar | ver comentários (3) | gosto pois!


Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds