Quinta-feira, 1 de Agosto de 2013
por André Miguel
Há um chavão muito popular entre a nossa sociedade que diz que aquilo que é uma empresa são as pessoas, são os seus trabalhadores, principalmente quando toca a reivindicar melhores condições e salários.

A nossa esquerda e os sindicatos adoram relembrar-nos deste facto, mais do que óbvio e elementar, motivo pelo qual me faz espécie esquecerem este pormenor quando chega ao pagamento de impostos pelas empresas; ora se estas são constituídas por pessoas, quem senão estas para pagar os impostos que recaem sobre as mesmas? Abro aqui um parêntesis para fazer já uma declaração de intenções: sou contra todo e qualquer imposto sobre as empresas, nomeadamente sobre o suposto lucro. Todo e qualquer imposto sobre uma empresa recai única e exclusivamente sobre dois tipos de pessoas: accionistas e trabalhadores; as empresas não pagam impostos. Mais: é uma perversão total taxar o suposto lucro obtido com trabalho e consumo já previamente taxados, quando na verdade qualquer gestor que saiba o que é fazer pela vida sabe que os "lucros" não existem, só existem os custos futuros. E digo suposto porque o lucro como o definimos é um mito, não existe como tal, não é objectivo, mas sim consequência de determinada actividade, a prova da validade da mesma; por isso prefiro a expressão de nuestros hermanos: benefício.

O socialismo é assim, e desde sempre, o maior entrave ao crescimento económico, pois na sua infinita bondade de tudo controlar, decidir e distribuir, lá do alto da sua caridade centralizada, necessita de cada vez mais recursos, vai daí taxa-nos pelo simples facto de trabalharmos, quando trabalhamos porque temos que comer, taxa-nos quando comemos e volta a taxar quem nos deu de comer não vá este obter algum lucro à custa das nossas necessidades. Assim, é óbvio que impostos sobre as empresas são menos salários e menos investimento, resumindo: mais pobreza. Se mais impostos resultassem numa sociedade mais justa porque não taxamos tudo a 100%? No fundo porque não nacionalizamos tudo o que mexe? Talvez Cuba e a Coreia do Norte sirvam de resposta, mas para mal dos nossos pecados, infelizmente, não nos decidimos, pois continuamos com essa coisa de "economia mista", seja lá o que isso for.


tiro de André Miguel
tiro único | comentar | ver comentários (3) | gosto pois!

Terça-feira, 16 de Julho de 2013
por Alexandre Poço

 


tiro de Alexandre Poço
tiro único | comentar | gosto pois!

Sábado, 13 de Julho de 2013
por Alexandre Poço

Salário mínimo pode aumentar nos Açores


Diploma foi aprovado pelos votos a favor do PS, PCP, BE e CDS, com a abstenção do PPM e votos contra do PSD. Proposta será agora enviada a Lisboa para decisão final.


Notícia aqui


tiro de Alexandre Poço
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

Sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2013
por Alexandre Poço

"A Câmara de Cascais, por acaso PSD, ofereceu um jantar de 13 mil euros aos 250 participantes de um encontro da Internacional Socialista (IS), por acaso socialistas. Este gesto de generosidade e ecumenismo foi mal visto pela típica mesquinhez pátria e deu origem às indignações do costume, aflitíssimas com um repasto de 52 euros por estômago e convencidas de que a esquerda, só porque é esquerda, se alimenta a bifanas.

 

O curioso é que quase ninguém pareceu indignar-se com o encontro da IS propriamente dito. Arriscando acusações de parcialidade, acho esquisito que os principais obreiros da crise europeia passeiem nos países onde a crise é mais flagrante a fim de debatê-la e, não se riam, resolvê-la. Não seria muito diferente se um bando de pirómanos regressasse ao local do incêndio para discutir protecção florestal. Aliás, salvo a provável comparência da polícia no segundo caso e a incompreensível ausência da política no primeiro caso, não é nada diferente.

 

Mas o cúmulo do descaramento passou pela destacada presença do presidente da IS, Georgios Papandreou de sua graça. O seu papel na desgraça grega, que contemplou e, a bem da "agenda" pessoal, agravou enquanto primeiro-ministro chegaria, num mundo justo, para manter a criatura na prisão durante longos e pedagógicos anos. No mundo que temos, a criatura ciranda por aí a oferecer palpites e alertas. Os nossos media, que deram ao sr. Papandreou a antena que não dariam à comparativamente credível Leopoldina dos hipermercados, divulgaram-lhe as declarações na abertura do convívio cascalense: "A crise não acabou. Ainda hoje, se a Europa não tomar mais medidas, os sacrifícios dos portugueses, gregos, espanhóis e italianos poderão perder-se e mais nos será exigido."

 

Nem uma admissão de culpas, nem um pio sobre responsabilidade: o importante, note-se, é a Europa "tomar medidas". Não importa que os socialistas tomem juízo ou vergonha na cara. No máximo, tomaram café após o jantar pago pelo contribuinte, uma despesa minúscula face à factura que essa gente já nos legou."

 

Alberto Gonçalves no DN


tiro de Alexandre Poço
tiro único | comentar | gosto pois!

Domingo, 7 de Outubro de 2012
por Alexandre Poço

Equidade fiscal, por João Duque


"Era uma vez dez amigos que se reuniam todos os dias numa cervejaria para beber e a factura era sempre de 100 euros. Solidários, e aplicando a teoria da equidade fiscal, resolveram o seguinte:

- os quatro amigos mais pobres não pagariam nada;

- o quinto pagaria 1 euro;

- o sexto pagaria 3;
- o sétimo pagaria 7;

- o oitavo pagaria 12;
- o nono pagaria 18;
- e o décimo, o mais rico, pagaria 59 euros.

Satisfeitos, continuaram a juntar-se e a beber, até ao dia em que o dono da cervejaria, atendendo à fidelidade dos clientes, resolveu fazer-lhes um desconto de 20 euros, reduzindo assim a factura para 80 euros.

Como dividir os 20 euros por todos?

Decidiram então continuar com a teoria da equidade fiscal, dividindo os 20 euros igualmente pelos 6 que pagavam, cabendo 3,33 euros a cada um. Depressa verificaram que o quinto e sexto amigos ainda receberia para beber.

Gerada alguma discussão, o dono da cervejaria propôs a seguinte modalidade que começou por ser aceite:
- os cinco amigos mais pobres não pagariam nada;
- o sexto pagaria 2 euros, em vez de 3, poupança de 33%;
- o sétimo pagaria 5, em vez de 7, poupança de 28%;
- o oitavo pagaria 9, em vez de 12, poupança de 25%;
- o nono pagaria 15 euros, em vez de 18.
- o décimo, o mais rico, pagaria 49 euros, em vez de 59 euros, poupança de16%.
Cada um dos seis ficava melhor do que antes e continuaram a beber.

No entanto, à saída da cervejaria, começaram a comparar as poupanças.
-Eu apenas poupei 1 euro, disse o sexto amigo, enquanto tu, apontando para o décimo, poupaste 10!... Não é justo que tenhas poupado 10 vezes mais...
- E eu apenas poupei 2 euros, disse o sétimo amigo, enquanto tu, apontando para o décimo, poupaste 10!...Não é justo que tenhas poupado 5 vezes mais!...

E os 9 em uníssono gritaram que praticamente nada pouparam com o desconto do dono da cervejaria.

"Deixámo-nos explorar pelo sistema e o sistema explora os pobres", disseram. E rodearam o amigo rico e maltrataram-no por os explorar.

No dia seguinte, o ex-amigo rico "emigrou" para outra cervejaria e não compareceu, deixando os nove amigos a beber a dose do costume.
Mas quando chegou a altura do pagamento, verificaram que só tinham 31euros, que não dava sequer para pagar metade da factura!...
Aí está o sistema de impostos e a equidade fiscal.
Os que pagam taxas mais elevadas fartam-se e vão começar a beber noutra cervejaria, noutro país, onde a atmosfera seja mais amigável!..."

[David R. Kamerschen, Ph.D. -Professor of Economics, University of Georgia]"


tiro de Alexandre Poço
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

Quarta-feira, 5 de Setembro de 2012
por Filipe Miranda Ferreira

 
 


tiro de Filipe Miranda Ferreira
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

Quarta-feira, 22 de Agosto de 2012
por Carlos Faria

Ouvi num noticiário o melhor exemplo do que foi e ainda é a estratégia socialista para Portugal, através da crítica de um autarca socialista à suspensão da autoestrada do Baixo Alentejo com a seguinte fundamentação:

 

A autoestrada do Baixo Alentejo é estruturante por fazer a ligação ao aeroporto de Beja.

 

Em resumo: depois de um elefante branco, há que lhe fazer um pedestal.

 

Mesmo assim, muitos ficam felizes com a esta estratégia suicida.


tiro de Carlos Faria
tiro único | comentar | ver comentários (9) | gosto pois!

Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2012
por Pedro Correia

Socialismo "bolivariano": a receita venezuelana para o desastre.


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | ver comentários (2) | gosto pois!

Segunda-feira, 21 de Novembro de 2011
por Ricardo Vicente

Os mercados foram malvados. "Foram": no passado. A maldade dos mercados foi não terem estabelecido diferenças entre as taxas de juro da dívida alemã e as da dívida portuguesa (e grega e irlandesa e... e tantos "e"s) há muito mais tempo. Os mercados foram demasiado permissivos durante muitos anos e isso foi mau. Agora que estão pela primeira vez a funcionar com um módico de discernimento, impondo disciplina mínima aos países é que as pessoas começaram a queixar-se deles e a dizer que são maus! As gentes não poderiam ser mais injustas para com os mercados. Estes permitiram o financiamento de Estados sociais e socialistas sobredimensionados, suportaram todos os populismos eleitoralistas e todos os mega-projectos que visavam exclusivamente os cofres das empresas amigalhaças (nomeadamente as da construção civil) e pagaram ainda todos os "direitos sociais" exigidos e imagináveis. E agora quando a farra social-socialista-populista chega ao fim é que as pessoas se queixam!


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | comentar | gosto pois!

Sábado, 15 de Outubro de 2011
por Ricardo Vicente

Quanto menos um país tem, mais se faz com esforço e mérito. Atente-se no exemplo de Cabo Verde. Portugal é um caso estranho, porque embora uma boa parte dos seus recursos não sejam próprios (os fundos da Europa, o endividamento internacional, as remessas dos emigrantes, "o ouro do Brasil"), comportou-se sempre como se fosse rico. Não é e esta triste verdade só agora está a ser revelada - pela força e à bruta.

 

Mas ainda há muitos que não querem ver e nem à bruta aceitam a realidade. Chamam-se "socialistas".


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | comentar | ver comentários (6) | gosto pois!

Sexta-feira, 14 de Outubro de 2011
por Ricardo Vicente

É interessante que o partido português mais à direita do parlamento nacional consiga um dos seus melhores resultados (segundo lugar) precisamente na região portuguesa mais influenciada pelo "socialismo" enquanto multiplicação dos factores despesismo, endividamento e favoritismo aos amigalhaços.

Será caso para o cliché "os extremos atraem-se"? É possível.


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | comentar | gosto pois!

Domingo, 11 de Setembro de 2011
por Pedro Correia

 

Nos primeiros dois dias de congresso, virados para o partido, o PS tinha o palco dominado pelo vermelho vivo. Hoje, dia em que António José Seguro promete "falar para o País", o vermelho deu lugar ao verde. É uma simbologia muito reveladora: os socialistas, quando saem dos círculos concêntricos do debate interno, são forçados a pôr de lado a retórica "antiliberalismo" e "antimercados", adoptando as receitas de governação da direita liberal neste tempo em que o nosso destino está intimamente ligado ao do conjunto da Europa. Repare-se no que tem sucedido além-fronteiras: todos os maiores países europeus são hoje governados por partidos do centro ou da direita. A excepção, até agora, tem sido a Espanha. Mas é uma excepção já com fim anunciado: 20 de Novembro, data em que o Partido Popular, de Mariano Rajoy, sairá como vencedor mais que provável das legislativas.

Manuel Alegre fez neste congresso de Braga a mais estimulante intervenção de todas quantas pude escutar, questionando por que motivo, em tempos de grave crise económica, os eleitores europeus preferem dar o poder à direita. Para obter uma resposta a esta pergunta basta analisar o que foi dito pelos congressistas em Braga contra o Governo PSD/CDS: na esmagadora maioria dos casos essas críticas poderiam ter sido dirigidas com razão acrescida ao anterior Executivo, liderado por José Sócrates, que conduziu o País a uma situação de emergência financeira. Acontece que no anterior congresso socialista, realizado apenas há cinco meses, quase ninguém proferiu o menor reparo, como se vivêssemos no melhor dos mundos - o que retira autoridade moral às actuais vozes críticas.

Comparemos com Espanha: quase tudo quando os socialistas criticam agora em Portugal tem vindo a ser aplicado no país vizinho, começando pela eventual imposição de limites ao défice na Constituição: esta medida, que o PS contesta, foi já adoptada entre os espanhóis por iniciativa de Zapatero. E já nem falo do caso grego, onde o Executivo socialista aplica hoje as mais draconianas medidas de contenção orçamental de que há memória - aliás sem evidentes resultados práticos.

Isto, de algum modo, responde à perplexidade de Alegre: entre o original e a cópia, os eleitores europeus preferem o original. Os socialistas precisarão de novas receitas governativas para liderarem futuros ciclos de poder. O problema é que nenhum deles as inventou ainda.

 

Imagem: cartaz do Partido Socialista Italiano (1890)


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | ver comentários (4) | gosto pois!


Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds
visitas