Sexta-feira, 24 de Maio de 2013
por Carlos Faria

O Governo de Passos Coelho não tem sido fértil em medidas de crescimento económico, aspeto que foi aproveitado pelo PS de Seguro para usar a bandeira do crescimento como estratégia política.

Infelizmente, Seguro parece usar esta bandeira apenas como objetivo eleitoral, pois logo que surge uma medida vinda do Governo para apoio à economia, o imediato comportamento do PS é desvalorizar o impacte dessa medida, como acontece mais uma vez com os benefícios fiscais ao investimento em Portugal anunciados ontem.

Se a injeção de dinheiro nos consumidores pode ser uma ferramenta para o crescimento, pelo que a austeridade tem efeitos recessivos, (diferente do Estado ter mesmo de cortar nas despesas apesar de os socialistas não querem falar disto) a esperança não é uma ferramenta menor, mas já se percebeu que se for necessáriao confiança dos investidores, credores e consumidores em Portugal nada pior que este PS, logo que surge uma medida ou um indicador positivo este só pensa em destruir os seus potenciais efeitos na economia sem se preocupar com o crescimento.

O PS age neste domínio contra o crescimento económico, esquecendo-se que em primeiro lugar deve estar o País e não a estratégia eleitoral do líder da oposição e nisto Passos Coelho já deu provas que é muito mais estadista que José Seguro.


tiro de Carlos Faria
tiro único | comentar | ver comentários (3) | gosto pois!

Sábado, 23 de Março de 2013
por Carlos Faria

O PS teve o cuidado de salvaguardar-se perante a troika que esta moção de censura ao governo não quer dizer que o partido pretenda deixar de honrar os compromissos do Estado.

Como estamos mesmo comprometidos é com a governação imposta pela troika através do memorando e sabendo nós da abertura da troika a vias que não sejam de austeridade, estamos conversados sobre a alternativa de António José Seguro: Existe, mas é apenas para Português ver, não a troika!


tiro de Carlos Faria
tiro único | comentar | gosto pois!

Quarta-feira, 13 de Março de 2013
por Carlos Faria

O desgaste do atual governo não só é ampliado devido ao modo deficiente como este comunica e explica as suas medidas, dos efeitos recessivos a curto-prazo que resultam da necessidade de correção da gestão do País incluindo das reformas que se impõem e deveriam substituir o aumento dos impostos, mas também da incapacidade em contrapor, publicamente e a bom som, os insucessos e contradições na prática da alternativa socialista.

Podemos mesmo esquecer a mais antiga, o facto de haver socialistas a repetirem até à exaustão que austeridade traz mais austeridade que ainda se atrevem com a falácia de abrir uma exceção para o PEC4 que, segundo eles, teria salvo o País.

Mas já não nos podemos esquecer que explicaram-nos em alta voz que veríamos como farol da Europa a via alternativa do crescimento que seria implementada por François Hollande em França, agora no poder aquele socialista cria uma austeridade de esquerda que equilibra contas e já não falam alto do modelo francês que evidencia a falácia do crescimento sem recursos para o sustentar.

Insistem que com o PS no poder as coisas seriam diferentes, mas a falácia cai por terra se compararmos os resultados entre o governo "entroikado" em Lisboa e o governo que garante que não traz a austeridade do Continente para os Açores e onde "O desemprego na Região cresceu em 2012 a um ritmo muito superior do que a nível nacional e os números da execução fiscal mostram que nos Açores a economia travou mais a fundo. As receitas do IVA (imposto sobre o valor acrescentado) caíram no ano passado 2% no país e 14,4 % nos Açores e as do IRC (imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas) decresceram 17,3% no país e 42,5% na Região" como denuncia Luís Garcia hoje no jornal Incentivo.

Contraditório também é preciso sobre os resultados práticos e alternativas socialista no presente.


tiro de Carlos Faria
tiro único | comentar | ver comentários (7) | gosto pois!

Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2013
por Carlos Faria

Já me habituei que existe um tratamento diferencial na cobertura jornalística nacional dos problemas insulares face aos que se passem no território do Continente, tal como já me habituei a que os problemas no estado social, quando gerido por socialistas, merecem menor atenção do que quando geridos por governos sociais-democratas.

Imagine, que nuns Açores com um Serviço Regional de Saúde, onde o Executivo socialista chuta para as empresas públicas as dívidas da sua governação para se vangloriar perante Lisboa de ter um superavit nas suas contas públicas já houve 50 cirurgias canceladas só em Ponta Delgada, nomeadamente por dificuldades orçamentais.

Este hospital cobre uma população de menos de 150 mil pessoas, transponha a relatividade do problema para a dimensão de 9,5 milhões de habitantes do Continente e veja quantos cancelamentos o Serviço Nacional de Saúde teria efetuado e a dimensão do escândalo que seria.

É assim na prática, na terra do domínio quase absoluto do PS, que está defendido o serviço público... mas o perfume inebriante da rosa cala a desgraça.

 


tiro de Carlos Faria
tiro único | comentar | ver comentários (5) | gosto pois!

Domingo, 27 de Janeiro de 2013
por Carlos Faria

Após o discurso populista de António Costa na abertura do Congresso do PS-Açores na Horta, que recebeu um elogio rasgado de Carlos César e uma grande ovação dos congressistas, eis que um Seguro, inseguro, agastado e desnorteado faz um triste discurso no encerramento do congresso, que, como mandam estas festas transmitidas em direto para a TV, lá teve os aplausos dos presentes no Teatro Faialense que se haviam comovido com Costa.

Seguro começou no seu novo tom de quem se sente injustiçado a tentar agarrar a máquina do partido nos Açores: elogiou José Contente (o tradicional homem do aparelho regional e seu anterior apoiante) como candidato à câmara de Ponta Delgada; o Vice-presidente do Governo (o homem das finanças do executivo açoriano), o ex-presidente César (que já dera o sinal para o apunhalarem na abertura) e o novo líder do PS-Açores e atual Presidente do Governo Regional.

Depois virou-se a atacar o Primeiro-ministro, sentiu-se pioneiro no pedido de alargamento do prazo de maturidade do empréstimo à troika, repetindo o erro de ter sido ele quem falara de mais tempo para consolidar as contas públicas, mostrando que nem ainda compreendeu o que Gaspar pediu.

Falou que teria reestruturado os fundos comunitários para apoio ao investimento, como se estes não tivessem sido definidos pelo PS no tempo de Sócrates e como se no final do QREN e com Portugal falido se conseguisse mudar rapidamente a rota iniciada e até propôs a repetição de uma receita rosa.

Assegurar o crescimento com a construção de via férrea para Madrid, mostrando persistência na veia das obras públicas para tirar Portugal da recessão como se não tivesse sido esse o caminho que nos levou à bancarrota.

Claro que ele teria dinheiro 5000 ME, vindos da ajuda e destinada à banca e outras coisas afins, só não está disponível para a reforma do Estado, pois para ele tal é só cortar no Estado Social...

Deu para compreender o desespero dos socialistas com este líder, mas foram eles que o escolheram e ainda não vi ideias de fundo alternativas vindas de quem o está a apunhalar internamente.


tiro de Carlos Faria
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

Sábado, 26 de Janeiro de 2013
por Carlos Faria

No momento em que se previa que José Seguro apostava nas autárquicas que lhe pareciam favoráveis e seriam a sua salvação para potencialmente caminhar para Primeiro-ministro de Portugal, eis que muitos membros da máquina do seu partido logo lhe espetam facas nas costas, iniciando uma revolta interna, pedem eleições e lança-se um estratega como homem de confiança: António Costa, e este surge como que a liderar a traição.

A verdade é que esta revolta no PS surge de um núcleo que se comporta como traidores que esfaqueiam o seu líder inseguro quando pressentem que um desafio eleitoral lhe poderia dar segurança… e provavelmente são estes traidores, oportunistas que lhe querem roubar a liderança que amanhã assumirão o papel de alternativa salvadora de Portugal.

Contudo, como é que um grupo que ascende ao poder dum partido através de traições públicas aos seus camaradas e sem nenhuma estratégia política que os distinga, exceto faro oportunista, pode ser para o Povo um exemplo de pessoas de confiança?


tiro de Carlos Faria
tiro único | comentar | ver comentários (8) | gosto pois!

Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2013
por Carlos Faria

Ontem Seguro foi o único líder político a remar contra a maré. Inesperadamente, nem o BE, nem o PCP pareciam tão descontentes com o regresso de Portugal aos mercados como o PS.

Seguro ontem só tentou apagar a possibilidade de sucesso deste regresso aos mercados, como parece estar a acontecer no terreno neste momento, ao esforçar-se por transformar em derrota a estratégia do Governo com o pedido de alargamento do prazo de pagamentos à troika.

Sempre se soube que para Portugal superar os problemas da bancarrota a que nos levou o Governo de Sócrates a via não era fácil, mas Seguro, depois de uma contenção populista inicial, procurou cavalgar o descontentamento popular, não só aceitando os conselhos da via socrática do partido que nunca reconheceu os erros das suas opções políticas, mas também esperando uma rotura dentro da coligação e, sobretudo, apostando num falhanço deste governo ao nível das finanças.

É cedo para cantar vitória, até por que muitas coisas difíceis são ainda precisas de ser implementadas, mas já começaram a ser evidentes a todos os portugueses alguns sinais altamente promissores de que Passos e a sua equipa poderão ter mais sucesso do que previa Seguro.

Agora internamente no PS, com um António Costa que matreiramente não se pôs ao fogo da frente da luta política durante a crise, enquanto espreitava a estratégia do líder do PS a desmoronar-se na sua aposta externa, Seguro ontem só tinha motivos para se sentir infeliz e daí aquele tom de Calimero que adotou, mas não tem razões para dizer "è un'ingiustizia però".


tiro de Carlos Faria
tiro único | comentar | ver comentários (3) | gosto pois!

Quarta-feira, 5 de Setembro de 2012
por Carlos Faria

Há de facto coisas estranhas na mentalidade de alguns portugueses e na política nacional.

Desde que Portugal ficou sujeito ao acordo com a troika assinado pelo anterior governo de Sócrates, o Governo de Passos Coelho tem assumido cumprir as regras, não fazer renegociações, nem pedir mais tempo ou mais dinheiro. Tem sido isto que, apesar das dificuldades por que Portugal tem atravessado, nos tem distinguido da Grécia e garantido alguma credibilidade do País nos meios internacionais que alimenta ainda alguma esperança em ultrapassarmos a crise.

Olhando para a Grécia, desde que esta ficou sujeita ao primeiro acordo, aquele País tem sido caracterizado por não cumprir as suas exigências, renegociar os termos em que o mesmo foi feito, pedir mais dinheiro e até mais tempo. Por acaso os gregos têm beneficiado algo com esta estratégia, não se tem verificado que as consequências de incumprimento e a incapacidade de o levar em frente têm sido sempre desfavoráveis ao povo daquele País?

Então por que elementos do PS e Seguro insistem em não cumprir algumas das exigências do acordo com a troika, com o argumento de suavizar a aplicação do programa ou em pedir mais tempo e até alguns mais dinheiro?

Qual a vantagem de seguir um modelo alternativo de gestão da crise que nos seus termos mais se assemelha ao comportamento Grego cujos resultados são bem piores que a estratégia seguida por Passos Coelho?


tiro de Carlos Faria
tiro único | comentar | ver comentários (6) | gosto pois!

Terça-feira, 28 de Agosto de 2012
por Carlos Faria

O PS assinou o protocolo com a troika e o PSD cumpre o que os socialistas prescreveram para o futuro de Portugal.

Alguém cumprir regras de austeridade com rigor sempre causou incómodo deste PS por não ser capaz de tal feito.

Portugal sempre foi criticado pelos gastos excessivos dos Governos e pela primeira vez em muitos anos o País reduziu significativamente nas despesas.

Os portugueses eram criticados por viverem acima das suas possibilidades e no último ano, apesar da crise e dos impostos, conseguiram e passaram a poupar mas dos que nos anos anteriores.

Dizia-se que o Governo de Portugal para equilibrar as contas públicas tinha de reduzir nas despesas e não aumentar nas receitas e quando a dívida aumenta por as receitas diminuirem mais que os esperado, mesmo tendo em conta a timidez dos bancos e a poupança dos cidadãos não estimular o consumo, critica-se a diminuição da arrecadação dos impostos.

Portugal era o segundo País do mundo há um ano com maior risco de bancarrota logo a seguir à Grécia, agora está em sétimo lugar em termos de perigo.

Os juros da dívida de Portugal estiveram sempre a subir até ao início deste ano e a partir de então com as contínuas avaliações positivas da troika, os juros começaram timidamente no início a descer e depois consistentemente a baixar de forma cada vez mais significativa.

Alguém ainda duvida por que têm o PS e o BE tanto medo das avaliações positivas da troika?


tiro de Carlos Faria
tiro único | comentar | ver comentários (4) | gosto pois!

Terça-feira, 14 de Agosto de 2012
por Carlos Faria

Todos sabemos que Portugal está a pagar uma fatura com custos elevadíssimos dos graves erros da gestão económica dos últimos anos, onde o PS tem grandes culpas que se recusa a assumir, sendo o desemprego uma consequência gravosa na economia nacional e extremamente dolorosa para a sociedade, pois compromete o bem estar de muitas pessoas inocentes e a força de muitos cidadãos cheios de capacidades.

O PS exige medidas do governo para combate ao desemprego, mas se retirarmos aquelas que colocaram o País à beira da bancarrota, não se conhece nenhuma proposta consistente vinda dos socialistas na oposição.

Enquanto isto, os Açores, a única região que ainda é governada pelo PS em Portugal, é aquela que nos dados mais recentes teve o maior aumento da taxa de desemprego e este já está cima da média nacional.

Convém por isso avisar Seguro que, embora o discurso socialista seja agradável, César prova no terreno que a receita socialista continua a ser a que dá piores resultados práticos.


tiro de Carlos Faria
tiro único | comentar | ver comentários (7) | gosto pois!

Quinta-feira, 12 de Julho de 2012
por Pedro Correia

Três socialistas que vale a pena ler na imprensa e ouvir na televisão: Francisco Assis, José Medeiros Ferreira e Manuel Maria Carrilho. Todos se distinguem da chilreada dominante.


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | ver comentários (2) | gosto pois!

Terça-feira, 24 de Janeiro de 2012
por Ricardo Vicente

A propósito do post anterior de Luís Naves...

Eu não sinto estranheza nenhuma: a violência das reacções às palavras de Cavaco Silva é explicada pelo factor do costume: o mesmo velho racismo social que escolheu há já décadas Cavaco  Silva como inimigo público número um.

No Portugal socialista que andamos a sofrer desde 1974, as simpatias são dirigidas exclusivamente aos aristocratas: soares, socialistas, militares e outros. Ao mesmo tempo, quem sobe a pulso vindo de família pobre é sempre desdenhado e detestado.

Uma grande parte da sociedade portuguesa tem uma inveja odienta ou um ódio invejoso a todos os que se fazem a si mesmos. Portugal odeia o mérito. E usa da mais rasteira falsidade para dar largas a esse ódio: ainda no outro dia ouvi um comediante popular acusar Cavaco Silva de ter sido toda a vida um privilegiado.


Por outro lado, as pessoas dão mais valor à forma do que à substância. Políticos fotogénicos, com verbo fácil e estilo mãe-galinha são preferidos a gente séria que diz o que pensa e diz a verdade sem eufemismos nem embelezamentos. Guterres, Sampaio, Sócrates foram preferidos a Cavaco Silva e Manuela Ferreira Leite.

 

Os portugueses preferem também a literatice à economia. As cabeças portuguesas não aguentam muito cálculo e as frases verdadeiras, directas e justas magoam muito os nossos sentimentos. Cavaco Silva é culpado de ser economista e isso é o mesmo que não ter literatura. Viveu em África e Inglaterra mas será sempre injustamente denunciado de "não ter mundo". Mas qualquer analfabeto de contas e finanças é louvado desde que seja republicano, socialista e laico.

 

A balança pende pois sempre mais para um soares do que um cavaco e isso explica muito da actual desgraça e frustração portuguesas. O resultado é esta triste vida poética em que se fala de Quinto Império, maçonarias, lusofonia mas só se encontra mediocridade, corrupção e subserviência canina a tudo o que não é nacional (o aborto ortográfico é só um exemplo entre um número infinito deles).

Gostaria que alguma dessas fábricas de teses de mestrado politicamente correctas, que afirmam que Portugal é muito mais racista, homofóbico e machista do que os outros países e do que os portugueses pensam, se debruçasse sobre este assunto: o racismo social e o ódio ao mérito neste país.


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | comentar | ver comentários (7) | gosto pois!

Domingo, 22 de Janeiro de 2012
por Ricardo Vicente

Ainda a propósito do caso das contas do Público relativas às nomeações políticas...

 

O problema de se fazer comparações metodologicamente erradas é muito comum, o que nem sempre acontece é ser dada tanta projecção mediática a uma notícia baseada em erros crassos. De certa forma, este erro do Público (assumindo sempre que não foi intencional...) foi possível porque há sempre muita tolerância a este tipo de erros: é normal ler semana sim semana sim exemplos destas "comparações" sem que surja alguém a apontar o erro. Se é habitual que saiam artigos baseados nesse tipo de comparações e se é normal que se tolerem tais erros, é mais do que provável que um dia ou outro venha a acontecer um caso destes: uma comparação errada que, por ter sido enfatizada pelo próprio jornal que a publicou, suscitou suficiente atenção ao ponto de vários leitores, blogadores e outros desta vez repararem no erro. Mas nem sempre é assim.

 
Há uns tempos atrás surgiu a notícia de que Teixeira dos Santos era o pior Ministro das Finanças da União Europeia. Li a fonte da notícia - era um artigo do Financial Times - e decidi ler e compreender com cuidado a metodologia que lhes permitiu chegar àquela conclusão. Na minha opinião, repito opinião, Teixeira do Santos foi um político/tecnocrata miserável por todas as razões (resultados maus, incompetência, fraqueza). Porém, atendendo à metodologia (comparações ilegítimas, etc.), aquela notícia não tinha cabimento. No entanto, ainda hoje se lêem referências e alusões àquele "estudo" que, na verdade, não passava de um exercício metodologicamente ridículo. Não que fosse difícil defender a ideia de que Teixeira dos Santos era um político péssimo. Mas tal argumento, qualquer argumento não pode ser baseado em "estudos" sem seriedade nem correcção.


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | comentar | gosto pois!

Quarta-feira, 7 de Dezembro de 2011
por Ricardo Vicente

...é verdade que as massas e as elites passam a vida com a "narrativa da modernidade" de que a indústria é coisa do passado, a indústria deslocaliza-se, o futuro e a modernidade estão nos serviços. Mas, que eu saiba, e reconhecendo todos os processos de deslocalização em curso, nenhuma das grandes economias do mundo e praticamente nenhuma das pequenas que mais têm crescido se desenvolve sem indústria. Qual é a estrutura produtiva de uma Alemanha, França e Itália? Quantas marcas de carros é que há numa Coreia do Sul? Sabem eles qual é a contribuição para a economia portuguesa de uma (uma só) Auto-Europa? E a produção automóvel na Áustria e Turquia e Espanha?

Esse mito de que a indústria é coisa do passado e que um país cresce exclusivamente com serviços, internet, turismo e golfe é das piores e mais cancerígenas mentiras que nos têm sido impostas por Bruxelas, políticos, socialistas e  alguma gente das elites do pensamento...


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | comentar | ver comentários (16) | gosto pois!

Terça-feira, 22 de Novembro de 2011
por Ricardo Vicente

Exercício: Dos três elementos seguintes, indique quais são os dois legitimamente comparáveis (ou mais semelhantes entre si) e exclua o terceiro.

 

Elemento A: um socialista que nos últimos 16 anos fez parte dos governos durante 12 anos e 8 meses, 6 anos e 3 meses dos quais enquanto Primeiro Ministro.

Elemento B: um socialista que nos últimos 24 anos fez parte dos governos durante 10 anos e 4 meses, dos quais 4 anos e 11 meses enquanto Primeiro Ministro.

Elemento C: um político que nunca foi apelidado de socialista (em vez disso, um "perigoso liberal") e que nos últimos 16 anos esteve um total de 5 meses no governo ("sempre" como Primeiro Ministro).

Resposta de Nuno Santos Silva do Senatus: B e C.


Classificação final de Nunto Santos Silva: zero valores.


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

Segunda-feira, 21 de Novembro de 2011
por Ricardo Vicente

Os mercados foram malvados. "Foram": no passado. A maldade dos mercados foi não terem estabelecido diferenças entre as taxas de juro da dívida alemã e as da dívida portuguesa (e grega e irlandesa e... e tantos "e"s) há muito mais tempo. Os mercados foram demasiado permissivos durante muitos anos e isso foi mau. Agora que estão pela primeira vez a funcionar com um módico de discernimento, impondo disciplina mínima aos países é que as pessoas começaram a queixar-se deles e a dizer que são maus! As gentes não poderiam ser mais injustas para com os mercados. Estes permitiram o financiamento de Estados sociais e socialistas sobredimensionados, suportaram todos os populismos eleitoralistas e todos os mega-projectos que visavam exclusivamente os cofres das empresas amigalhaças (nomeadamente as da construção civil) e pagaram ainda todos os "direitos sociais" exigidos e imagináveis. E agora quando a farra social-socialista-populista chega ao fim é que as pessoas se queixam!


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | comentar | gosto pois!

por Ricardo Vicente

António Costa é um socialista puro: as notícias sobre o seu mandato na presidência da Câmara Municipal de Lisboa são sempre e só acerca de novos impostos, taxas, multas, ruas fechadas, proibições e gastos injustificados. Agora isto: uma "taxa" sobre a venda de combustível e outros disparates. A ilegalidade da coisa é criticada por Luís Menezes Leitão aqui; da estupidez económica de tal ideia e do consequente ataque à liberdade de escolha das pessoas eu já nem vou gastar o meu tempo a escrever.

 

Sacar o máximo possível do dinheiro dos outros, proibir, fechar, dificultar a vida a toda a gente, desrespeitar a liberdade das pessoas e prodigalizar sem limites: é isto o que foi e continua a ser o socialismo português.


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | comentar | ver comentários (3) | gosto pois!

Sexta-feira, 4 de Novembro de 2011
por Ricardo Vicente

Simplificando um bocado, Papandreou é um Sócrates, id est, um socialista troca-tintas. Os gregos que façam o favor a eles mesmos e a todos nós europeus e encontrem lá depressa pelo menos um Passos Coelho. A demissão de Papandreou é tão necessária como foi por cá a de Sócrates.

 

Já não há paciência nenhuma para socialistas, nem aqui, nem na Espanha, nem na Grécia, nem em lado nenhum.


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | comentar | ver comentários (20) | gosto pois!

Quarta-feira, 26 de Outubro de 2011
por Ricardo Vicente

A propósito deste excelente post de Alexandre Homem Cristo, cuja leitura recomendo na íntegra e sem pressas, devagar para bem perceber...

 

Moral da história: o maior campeão das fraudes em toda a OCDE chama-se Partido Socialista, indo o prémio "Fraude da Década" para o Novas Oportunidades.

 

"Os governos Sócrates fizeram do sucesso escolar um dos seus triunfos. Como em todos os outros, a verdade não coincide com a propaganda. O número de alunos que termina o 9º e o 12º anos pela via tradicional é, geralmente, o mesmo. Ou seja, a melhoria do sucesso escolar não se fez nas escolas tradicionais, mas nos programas Novas Oportunidades e similares, transformando-se uma boa ideia numa via rápida para a certificação escolar. É o sucesso estatístico, em detrimento do sucesso real. Se isto não é facilitismo, não sei o que será" (de outro post do mesmo autor).


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | comentar | ver comentários (7) | gosto pois!

Terça-feira, 18 de Outubro de 2011
por Ricardo Vicente

Ao longo dos quinze meses em que escrevi no Blogue de Direita da Sábado (de Setembro de 2009 a Janeiro de 2011), o tema que mais me ocupou foi de longe o dos "amigalhaços da construção civil", isto é, os negócios entre os socialistas do PS e do Sócrates e os socialistas da Mota-Engil e do Jorge Coelho (por exemplo aqui). Abordei esse tópico várias vezes também no Albergue Espanhol.

 

Escrevi vezes sem conta que os tê gê vês e as novas auto-estradas e as novas pontes e os novos aeroportos tinham rentabilidades negativas para o Estado e que, portanto, só gerariam maior probreza (tal como, de resto, estava descrito nos estudos económicos e pareceres encomendados, bastava ir, por exemplo, ao site da RAVE). Tais obras públicas agravariam o endividamento português, contribuindo para acelerar o rumo em direcção à bancarrota. E previ que, à medida que se avançava nesse caminho, os políticos, para evitarem in extremis a falência do país, acabariam primeiro por cortar nas despesas sociais e nos apoios aos mais pobres em vez de cortar nos investimentos com rentabilidade negativa.

Escrevi também que políticas de obras públicas ruinosas não poderiam ser o resultado de uma ideologia (nem socialismo, nem keynesianismo, nem coisa nenhuma) nem poderiam ser causadas pela ignorância económica, pura incompetência ou a mais supina estupidez. A causa era esta: desonestidade. Desonestidade pura: dinheiro dos contribuintes oferecido de mão-beijada pelos socialistas do PS aos amigalhaços da contrução civil. Desonestidade que, muito possivelmente, foi praticada dentro da legalidade, observando todos os trâmites legais, mas desrespeitando do modo mais baixo a essência da lei: a vontade e o interesse geral.

Com as notícias recentes sobre Paulo Campos, Ascendi, Estradas de Portugal, aeroporto de Beja, PPPs, SCUTs, Parque Escolar (a minha antiga secundária parece um centro comercial de Tóquio, até plasmas tem por todo o lado) e tantas outras e observando o agravar da pobreza em Portugal - é mais do que evidente que acertei em todas as minhas previsões. E isso, desta vez, é muito triste.


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | comentar | ver comentários (4) | gosto pois!

Segunda-feira, 17 de Outubro de 2011
por Ricardo Vicente

Tiago Miranda (Expresso)

 

Em parte é verdade, em parte é mentira. A parte de verdade é esta: estamos endividados para cobrir os défices de funcionamento e as rentabilidades negativas de tantos projectos, por exemplo de construção civil, que serviram única e exclusivamente para injectar dinheiro nas empresas amigalhaças do poder político, nomeadamente a Mota-Engil. É possível que formalmente não haja ilegalidade nenhuma. Mas utilizar os trâmites legais para privilegiar interesses privados expoliando os contribuintes é, substantivamente, um roubo. Roubalheira, ladroagem: são palavras do povo, desagradáveis, deselegantes. Mas são as palavras que com maior propriedade podem classificar, por exemplo, os negócios entre os socialistas do partido e os socialistas da construção civil.


A parte de mentira é esta: estamos endividados porque a economia portuguesa nunca produziu o suficiente para financiar o nosso welfare state, nomeadamente os salários e as pensões da função pública, em particular dos que foram contratados antes de 1993. A dívida de hoje, neste caso, é o preço que as gerações actuais têm de pagar pelos salários e as pensões já pagos no passado a um conjunto de portugueses que se tornou classe média graças e, muitas vezes, por favor do Estado. A menos que se considere a função pública uma classe dominante e os seus rendimentos um roubo, aquela frase não é verdadeira.

 

Tiago Miranda (Expresso)

 

O Estado somos todos nós ("cada cidadão um político") também é só meia-verdade: somos quase todos nós quando o que está em causa é pagar impostos; é uma minoria (demasiado grande porém) quando o que está em causa é mesmo fazer parte do Estado, isto é, trabalhar para o Estado tendo um contrato vitalício, pensão de cem por cento ou próximo disso, acesso à ADSE e outras regalias.


A dívida de hoje é pois o resultado de dois factores: um, puro nepotismo e captura do dinheiro do Estado para servir interesses privados, interesses que são depois defendidos com recurso às narrativas/mentiras da modernização e do Portugal é o único país que ainda não tem isto nem faz aquilo...; dois, a expansão desmesurada de um welfare state sem ter em conta o fraco crescimento económico e, até, o efeito negativo que essa expansão teve/tem no próprio crescimento, um welfare state perverso que consiste em tributar o todo para garantir o bem-estar de um número excessivo de funcionários públicos e subsidiodependentes, número este que quanto mais aumenta mais rapidamente conduz o próprio sistema à falência.


P.S.: Ao ver as fotos nos dois linques do Expresso, a impressão que tenho é que os "indignados" não chegaram sequer a um milhar.


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | comentar | ver comentários (6) | gosto pois!

Sábado, 8 de Outubro de 2011
por Ricardo Vicente

Segundo o Expresso, o "Aeroporto de Beja movimentou 164 passageiros... em 3 meses".

 

Quem é que pagou por este aeroporto? Terão sido os contribuintes? Em caso afirmativo, não seria possível responsabilizar civil e criminalmente todos, mas mesmo TODOS os políticos que concretizaram este "projecto"?


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | comentar | ver comentários (6) | gosto pois!


Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds