Domingo, 26 de Maio de 2013
por Rodrigo Saraiva

Imaginemos: vereador, do CDS, durante mais do que um mandato numa coligação PSD-CDS. Quando percebe que não vai ser reconduzido envolve-se numa candidatura independente, dando a cara e sem entregar pelouros. Depois percebe que nessa candidatura independente não terá lugar na lista e apresenta-se como candidato independente, cabeça de lista, em outra candidatura.

Infelizmente não é ficção. É realidade no concelho de Cascais.

Percebe-se talvez o porquê de João Sande e Castro ter conseguido conviver vários anos com António Capucho, reconhecida sumidade de dedicação a cargos públicos e que recentemente anunciou ser candidato à Assembleia Municipal de ... Sintra, na candidatura independente de Marco Almeida.

Até hoje evitei opinar sobre esta candidatura. Em resumo, por compreender a decisão do PSD em optar por outro candidato mas também a decisão de Marco Almeida em se candidatar contra o seu partido. Mas ao saber que Capucho será cabeça de lista à Assembleia Municipal parece-me que o argumento da candidatura ser por Sintra e contra lógicas partidárias cai por terra e assim não é possível compreender.

Fui um defensor (e assim me mantenho) das candidaturas independentes nas autarquias. Infelizmente a maioria dos casos que se tem assistido são de pessoas que não conseguiram vingar a sua vontade numa estrutura partidária. Estruturas com regras. E que curiosamente em muitos dos casos beneficiaram quem agora as retorque. É pena que assim seja.

 


tiro de Rodrigo Saraiva
tiro único | comentar | gosto pois!

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds