Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Forte Apache

Assumptos do dia (11) A via do segundo resgate

Luís Naves, 02.07.13

Portugal está hoje mais perto do segundo resgate do que estava ontem. Esta é a primeira consequência da saída do ministro Vítor Gaspar. Não há novo alento, apenas perigos e estreitar de margens.
Reconheço a validade de muitas críticas feitas a Vítor Gaspar, nomeadamente ter subestimado os efeitos perversos da austeridade, mas o ministro conseguiu credibilidade externa, o que colocou Portugal no caminho da Irlanda, evitando que o País percorresse o da Grécia.
A saída de Gaspar representa o triunfo dos grupos de interesses e dos lóbis, o avanço das corporações profissionais instaladas, dos negócios subsidiados, o sucesso da república dos juízes e da república dos comentadores políticos, a vitória das tácticas partidárias destrutivas e de movimentos sociais não eleitos.

 

Nenhum destes grupos será responsabilizado pelo segundo resgate. Haverá maneira de culpar aqueles que o tentaram evitar. Vamos assistir ao mesmo filme: quem nos levou à bancarrota reaparece imaculado e está à beira de regressar ao poder, quem aplicou swaps ruinosos transfere a culpa para os que se atrasaram a dar por eles. A questão não está na comunicação política mais ou menos ingénua: após dois anos a ouvir sistematicamente mitos, a sociedade portuguesa já não aceita a realidade. Esta irá impor-se nos próximos meses, mas os donos da narrativa podem sempre sacudir a água do capote.

 

Que significa um segundo resgate? É o caminho da Grécia e da menoridade política, o caminho que nos afasta da Europa e nos empobrece a prazo de pelo menos uma década. Significa que, incapaz de regressar em Outubro totalmente aos mercados, o País terá de depender da ajuda dos seus parceiros da zona euro, necessitando de dinheiro que virá acompanhado de novas exigências, cada vez mais duras. Governos progressivamente mais fracos e pressionados pela rua acabarão a pedir a reestruturação da dívida e, após quatro ou cinco anos de sacrifícios inúteis, a saída da zona euro.
Ontem, correu notícia de rodapé segundo a qual o Governo (em bloco) teria recusado propostas da troika de flexibilizar ainda mais as leis laborais e reduzir o subsídio de desemprego. Admitindo a veracidade da informação, não custa imaginar a intensificação de pressões como esta, na altura em que o País se aproximar da situação de cofres vazios e mercados relutantes em emprestar dinheiro. 
Vítor Gaspar não tinha uma varinha de condão, mas tentou evitar o segundo resgate, enfrentando poderosas forças conservadoras que recusam as reformas de que o País precisa. Cedências como as que foram feitas pelo ministro da Educação, Nuno Crato, comprometeram a reforma do Estado e será mais difícil cumprir os compromissos internacionais.
Preferia estar enganado, mas o País não muda, sendo a resistência à mudança o principal lastro que nos arrasta para o fundo. 

10 comentários

Comentar post