Segunda-feira, 22 de Julho de 2013
por Maurício Barra

O compromisso a três permitia que o estreito caminho para Portugal não cair no segundo resgate tivesse duas vantagens: por um lado dava a Portugal mais força negocial para impor aos credores razoáveis alterações ao memorando actual devido ao compromisso alargado de cumprir o que ficasse acordado; por outro lado garantia uma estabilidade de médio/ longo prazo para as medidas consensuais que resultassem dessa negociação.

Objectivamente favorecia tanto o actual governo como um eventual futuro governo do PS.

Quando Seguro percebeu que assumir soluções para as actuais condições objectivas da economia portuguesa não seria aceite pelo projecto de poder de Sócrates (que domina o grupo parlamentar), não era compatível com a estratégia de António Costa (que quer o lugar de secretário-geral), teve sempre a oposição de uma parte da câmara dos lordes socialista, e sofreu todos os dias uma campanha de contra-informação brutal (que utilizava o Público e a SIC Notícias como órgãos oficiais), sucumbiu para não perder o partido que, oficiosamente, ainda controla.

Sucumbiu e perdeu eleitorado. Perdeu eleitorado socialista democrático, que está farto dos jogos de poder que os colocam sempre nas mãos da agitação e propagando do PC e do BE.

O PSD/CDS, se não tivessem feito o número infantil das demissões e, entre muros, discretamente efectuado as alterações que entendessem no Governo propondo-as ao Presidente da República, tinham evitado esta catarse nacional. E também tinham evitado um descrédito adicional, na proporção da sua irresponsabilidade.

Agora estão condenados a governar a sério. Sem mais tiros nos pés. Se forem inteligentes, juntam às suas as propostas exequíveis do PS e transformam o que seria um compromisso a três num compromisso a dois. Um novo compromisso a dois com os portugueses, numa nova política que negocie e evite os efeitos negativos do ajustamento na frágil economia portuguesa, sem capital para investir e criar emprego.

Um compromisso que estará permanentemente vigiado.

Vigiado pelo Presidente da República, que os salvou mas os vai manter com rédea curta.

E, sobretudo, vigiado pelos portugueses. Não desculparão, rigorosamente, mais nenhum disparate deste governo.


tiro de Maurício Barra
tiro único | comentar | gosto pois!

5 comentários:
De V. a 22 de Julho de 2013 às 12:25
Está enganado. Os "portugueses" já não querem saber. É pena que a abstenção e os votos em branco não contem para reduzir o número de criaturas inúteis no parlamento. Mas preparem-se para a maior abstenção e votos em branco de sempre.


De Cobarde a 22 de Julho de 2013 às 16:06
"Sem mais tiros nos pés."

Não me preocupa nada os tiros que eles dêm nos próprios pés, apenas me preocupa os tiros que dão nos meus e nos do resto da população.


De murphy a 22 de Julho de 2013 às 17:10
Um aspecto intrigante da última semana... Porque será que, durante a realização das 9 reuniões do “compromisso de salvação nacional”, a malta do “que se lixe a troika” não organizou uma única manifestação?
Será que se uniram ao apelo do PR?…(hummm, não. Com maior probabilidade, seria pela realização dos festivais de verão…)

Porque era importante um acordo que envolvesse o PS? Essencialmente, porque, sem esse compromisso, o “ambiente prec” segue dentro de momentos…
http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/07/por-onde-andaram-os-que-se-lixe-troika.html


De kelly a 24 de Julho de 2013 às 17:07
Murphy, também quero beber aquilo que tomas :)


De murphy a 24 de Julho de 2013 às 22:10
tchin, tchin! :)


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds