Terça-feira, 6 de Dezembro de 2011
por José Adelino Maltez

O laboratório mais antigo de quem pensa a política continua a ser a longa guerra civil romana que opôs os cesarianos António e Octaviano aos republicanos Brutus e Cassius, com Cleópatra pelo meio. Claro que sempre torci por Cícero contra o concentracionarismo de César e a emergência do principado e do império. E julgo ter compreendido a causa da queda da república romana: quando as instituições se enredaram em aristocracias possidentes e oligarquias de privilegiados, enquanto os cesarianas passaram a aliar-se à dinâmica da revolta popular e à instrumentalização da abstracção pátria.

Roma, de guerra civil em guerra civil, de triunvirato em troika, logo acabou em dominado, quando o imperador, apenas aclamado pelos chefes da soldadesca, passou a assumir-se como "dominus et deus". E tudo se agravou quando ele se converteu ao monoteísmo e fez com que Roma caísse na teocracia do cesaropapismo. Por isso é que continuo pelo politeísmo superior da republica romana, mesmo em forma de reino, sempre contra as monarcias

Quase diria o mesmo do recente filme sobre Freud e Jung. Onde o pai fundador queria cesarismo, isto é, uma revolução com dogmas e ortodoxos, nomeação de um príncipe real e o estrondo de disciplinados apologetas e propagandistas reverenciais. Prefiro o dissidente, o que quis continuar a dizer que só sabia que nada sabia, para integrar a corrente nos mistérios antigos e assim captar a incerteza do futuro, com a consequente aventura da individualidade. Sou da seita de Cícero e Carl Gustav.


tiro de José Adelino Maltez
tiro único | comentar | gosto pois!

2 comentários:
De BLOWBACK a 6 de Dezembro de 2011 às 16:26
A desgraça e a empresa é como um pau de dois bicos, quando se confundem no vácuo que é a rapina, mesmo que seja pensada por uns e outros a executem com a EXACTA mesma vontade dos primeiros.


De weber a 6 de Dezembro de 2011 às 17:25
O meu bom, cordial e fraterno amigo anda muito certeiro no comentário.
Fui ver o filme do Cronenberg (tem umas pequeníssimas imprecisões, mas ainda assim irrlevantes para a narrativa...) e gostei.
Como pertenço à "seita" dos que consideram Marx, Freud e Nietzsche os pais, patronos, da "alta escola da suspeição", responsáveis de muito distúrbio e imundices, fico contente que tenha tomado partido e levantado estandarte por Jung.
Eu, também, e connosco o grande filósofo francês Paul Ricoeur.


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds