Segunda-feira, 5 de Setembro de 2011
por Luís Naves

Passeio breve. Muitos trabalhadores vieram de férias e o trânsito estava outra vez caótico. Em três locais diferentes, pessoas discutiam. Uma rapariga gorda gritava para um velho, talvez com razão; sandália chã, como se usa agora, a blusa sem chegar à calça, mostrando um pneu de banha a nível da cintura. Um velho e uma velha sentados num dos novos bancos de jardim gritavam um com o outro: “Deixe-me falar”, explodiu ele, a certo ponto; não percebi o tema da discussão; quando reparei neles, aquilo continuava: iam ao fundo da rua, ele atrás dela; chegaram a um prédio e entraram.
Sol manso, ar de cristal, ocorreu-me isto:

 

Observo o esplendor do dia
Que passa em morna monotonia
Dois velhos discutem
Ela exige que a escutem
E diz ele, deixa-me falar
Não há meio daquilo acabar
Se houvesse só gente amável
O mundo seria mais suportável
Mas talvez fosse muito banal
Sempre a sorrir, sempre igual


tiro de Luís Naves
tiro único | gosto pois!

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds