Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Forte Apache

jfd @ tv - Game Change

jfd, 16.03.12

Sendo um fanático pelo politico made in USA, aliás como o meu caro colega de forte Francisco, não poderia deixar de comentar a recente adaptação do livro Game Change ao pequeno grande ecrã.

Delirei, como é claro, com o relato de David Plouffe sobre as marcantes eleições de 2008. Uma visão muito democrata e com todos os detalhes possíveis de relatar que me remeteram para aqueles tempos de mudança e luta política renhida. Partilho também a leitura que teve o meu caro Nuno Gouveia do mesmo livro. Caro este, que escreve no Era Uma Vez na América e que é um blog obrigatório para pessoas que partilhem da minha patologia.

Depois com a leitura de Game Change, tive uma visão mais ampla da coisa. Confirmei as coincidências e preenchi os vazios. Fui um insider e partilhei aquelas eleições com aqueles protagonistas. Voltei ao passado e senti na pele da imaginação a pertença no espaço em que comentaram Keith Olbermann, Bill O'Reilly, Rachell Maddow, Sean Hannity ou o respeitável e infelizmente já falecido Tim Russert do Meet the Press, entre muitos outros que são actores num palco que muito me ensina e diverte (ênfase aqui!).

 

Mas o assunto aqui é TV, e foi a TV que já me tinha dado a ver o espectacular filme sobre a recontagem de votos Bush vs Gore na Florida, que me trouxe, pelas mãos do mesmo realizador, o Game Change. E ainda bem que assim foi. Está muito bom e é um excelente pedaço de televisão. Para junkies como eu então, viciante e demasiado excitante para ser visto com quem não partilha nem um pouco da experiência e paixão.

 

Claro que para muitos o expoente máximo é uma Julianne Moore que interpreta Sarah Palin como nem Tina Fey o fez nos divertidos momentos de SNL. Mas o filme é muito mais que isso. É sobre o processo, é sobre McCain e os seus assessores e como lidaram com a escolha para VP. Principalmente a personagem de Woody Harrelson, Steve Schmidt - o estrategista principal e a forma como lida com todas as nuances que advêm da escolha de Palin. Este foi recrutado para a campanha por um McCain moribundo mas que rapidamente ganhou fôlego, a nomeação e, com a escolha de Palin para VP, ganhou um balanço cujo o resto é história.

Recomendo.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.