Quarta-feira, 25 de Abril de 2012
por José Meireles Graça

Miguel Portas não deixou obra memorável: não recebeu, que eu saiba, prémios como economista, escritor, jornalista e co-autor, bem como apresentador, de séries documentais para televisão; e não foi uma figura da cultura pop, ou do jet-set, ou sequer do Poder.


E todavia a sua morte causou comoção. O pertencer à família a que pertence, e a morte prematura e as suas circunstâncias, não chegam para explicar o fenómeno.


Mas Portas tinha a imagem de ser um político de causas, e de estar disposto, por elas, não apenas a ter sido preso, adolescente ainda, mas também a abandonar uma agremiação da qual é difícil sair; a embarcar em empreendimentos generosos e de sucesso duvidoso; a defender com tranquilidade os seus pontos de vista, sem acrimónia e com respeito por opiniões diferentes, e até opostas, da sua; e em tudo pôr simpatia, desprendimento, generosidade e empenho.


Se as ideias que defendia para a coisa pública alguma vez se tornassem as dominantes, seria uma vítima do monstro que com as melhores intenções ajudara a criar; e concluiria decerto que as pessoas comuns não se regiam pelos seus padrões, ou, quem sabe, que a igualdade não pode ser obtida sem violência.


As pessoas sabem que não há muitas pessoas assim; e não precisam concordar com elas para lhes sentir a falta.


tiro de José Meireles Graça
tiro único | gosto pois!

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds