Quarta-feira, 21 de Setembro de 2011
por Pedro Correia

A entidade de "supervisão" bancária nada viu, nada escutou e nada disse em tempo útil sobre o "colossal desvio" orçamental na Região Autónoma da Madeira. Não surpreende: é a mesma que durante cinco anos também  não conseguiu detectar o rombo no BPN. Aceitam-se reclamações. Mas é favor endereçá-las ao BCE. Não ao Banco de Portugal, onde o inquilino agora é outro.

tags: ,

tiro de Pedro Correia
tiro único | gosto pois!

De André Salgado a 22 de Setembro de 2011 às 17:39
Pedro, que grande confusão que por aí vai sobre as competências de supervisão do BdP e sobre a natureza da sua intervenção estatística nesta diligência sobre as contas da Madeira.
Mas percebe-se a tentativa reciclada: Se Constâncio - presume-se que por ser "socialista" - foi o responsável pela roubalheira do BPN (e não quem de facto a cometeu - presume-se, também, por serem respeitáveis barões social-democratas), é natural que seja igualmente responsável pelo buraco na Madeira (mesmo que as suas atribuições de supervisão em nada se relacionem com as contas da região e que tenha sido o governo regional a escondê-las deliberadamente, vangloriando-se disso). É fácil e dá milhões.


De Pedro Correia a 22 de Setembro de 2011 às 18:04
Ainda bem que o BP pós-Constâncio teve essa "intervenção estatística", André. Caso contrário as contas madeirenses continuariam a ser impunemente marteladas. Quanto ao caso BPN, todos sabemos o que foi a "supervisão" do BP. Nem vale a pena acrescentar mais nada.


De André Salgado a 22 de Setembro de 2011 às 18:59
Pedro, não foi nem é graças à "intervenção estatística" do BdP que as contas madeirenses deixariam de ser marteladas, mas sim em função do que foi apurado pelo TC, a entidade com essa competência. Pós ou pré-Constâncio.
A supervisão do BPN "falhou", como falharam as supervisões dos buracos de tantos bancos, em tantos países. Dando-se ao trabalho de puxar pela memória, existem diversas opiniões - e politicamente insuspeitas - de quem conhece por dentro os meandros da banca, afirmando ser muito difícil, com os mecanismos que existiam, que o supervisor se apercebesse preventivamente da fraude que estava a ser cometida. Trocou-se a oportunidade de uma reflexão séria sobre o que não funcionou por uma perseguição fulanizada, hipócrita e politicamente útil, abafando a mediatização dos verdadeiros autores da fraude. É só isso, Pedro.


De Pedro Correia a 22 de Setembro de 2011 às 19:16
Em relação ao BPN, estou de acordo no essencial, André. No caso da Madeira toda uma cadeia de supervisão falhou, como hoje o DN assinala num bom trabalho da Lília Bernardes. Apontar estas falhas não significa absolver ou atenuar as gravíssimas responsabilidades do presidente do Governo Regional da Madeira, do secretário regional das Finanças e da Assembleia Legislativa Regional. Isto reitera a necessidade, no entanto, de criar meios acrescidos de supervisão das contas e - esperando que este caso possa constituir um sério alerta às instituições - efectivos mecanismos de responsabilidade política e até criminal, com a intervenção da PGR. Naturalmente, também há que reforçar os poderes sancionatórios do Tribunal de Contas.


Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds