Sexta-feira, 4 de Maio de 2012
por Judite França

Não há fome que não dê fartura, diz o povo. E tem razão: passo semanas sem escrever uma linha no Forte (e é só por minha culpa, minha tão grande culpa) e hoje os astros alinham-se para que eu tenha mais temas do que mãos para escrever...

 

Logo de manhã, apercebo-me que um Observatório dos Mercados Agrícolas (hã?????) já tinha topado as grandes distribuidoras. Por exemplo, 80% do preço final da alface fica na distribuição. 80%. E quando é o Observatório dos Mercados Agrícolas descobriu isto? Não interessa nada. Porque tudo se desenrola depois do episódio Pingo Doce.

Até lá, as margens de lucro da cenoura ou da pêra eram problemas de somenos importância com certeza. Mas agora, com o 1.º de Maio transformado em dia do consumidor desvairado, vamos lá falar das margens esmagadas dos produtores, sobretudo os agrícolas, que não têm armas para negociar verdadeiramente contra as grandes distribuidoras.

De cada vez que os hipermercados falam da produção nacional, e do clube dos produtores, e outras coisas que tais, basta passar pela zona da fruta e ver que os limões - sim, até os limões - podem bem ter vindo de muito longe.

O país acordou para o drama dos agricultores com anos de atraso e precisou do frenesi do 1.º de Maio para perceber que, se calhar, já se pensava em fazer alguma coisa a sério para resolver o problema. E não é preciso pensar muito: basta copiar o exemplo de alguns países europeus, que obrigam a que os hipermercados comprem alguns dos seus produtos localmente.

Simples, não? Se assim for, não será preciso negociar até à insanidade - são os produtores que ficam loucos de raiva, claro - com as distribuidoras, que acenam com as maçãs da América do Sul.


tiro de Judite França
tiro único | comentar | gosto pois!

2 comentários:
De k. a 4 de Maio de 2012 às 12:48
A distribuição moderna tem um poder negocial desmesurado relativamente aos Produtores - podemos filosofar um bocadinho sobre isto, mas não é um dos males de Portugal "vivermos acima das possibilidades" e importarmos tanto? Deviamos dar um bocadinho de poder a quem faz coisas, não apenas a quem as distribui.

O PD é só uma irritação - O Sr. Alexandre é um merceeiro que gosta muito de fazer comentários politicos, mas é daqueles que nada produz - enriqueceu à custa dos "excessos" que agora condena.


De jfd a 4 de Maio de 2012 às 16:57
Concordo com o que dizes.
Falava eu com um produtor dos Açores e fiquei espantado com o preço do adubo, com as medidas e qualidade que o cabrito deve ter para poder ser vendido e depois com o preço absurdamente baixo a que é vendido. Comparando depois com o preço a que o vejo no talho.


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds