Quinta-feira, 24 de Maio de 2012
por Rodrigo Saraiva

Miguel Relvas foi acusado de duas coisas. De fazer pressão e de ameaçar. São duas coisas distintas.

 

A segunda, que era baseada num qualquer conhecimento de factos da vida pessoal da jornalista, era grave e ficou esclarecida que não aconteceu.

 

A primeira não consigo perceber onde existe erro ou gravidade. Quem entra no “jogo mediático” deve estar capaz de lidar com pressões. De fazer e de receber. Mas mais uma vez lá se está a dar um sentido pejorativo a uma palavra. Portugal no seu melhor. Ainda na semana passada fui pressionado por uma jornalista. Para fazer uma reportagem teria que ter um exclusivo de outra notícia. Gostei? Não. Mas tive que jogar.


tiro de Rodrigo Saraiva
tiro único | comentar | gosto pois!

5 comentários:
De da Maia a 24 de Maio de 2012 às 17:02
Como está lenta a aprovação de mensagens... repito:
-----------------
É claro que quando ele referiu "divulgação de dados pessoais na internet", o ministro estava a referir-se aos dados da sua agenda pessoal, o que lhe impedia de responder.
Só o ego exacerbado da jornalista levou-a a considerar que se tratavam dos dados pessoais dela.
Tss Tss Tss!

Demorou tempo aos criativos - andam a ficar muito lentos, mas a retórica tem sempre escapatórias, como bem aprenderam nas escolinhas de auto-ajuda.


De Rodrigo Saraiva a 24 de Maio de 2012 às 18:03
Caro(a) Da Maia, olhe que aqui não se passam 24h ligado ao back office à espera de cheguem comentários para clicar no "aprovar". Diria que é preciso mais bom senso, mas isto se estivesse, como dita o bom senso, devidamente identificado. volte sempre.


De da Maia a 25 de Maio de 2012 às 01:55
Tem toda a razão... a pressa já parecia a da jornalista do Publico.
Está a ver porque razão aparece só o "da Maia", é que senão ainda me ameaçava de revelar dados pessoais!
;-)


De Filipa Rilhas Reis a 24 de Maio de 2012 às 17:34
Isso tudo.

Mas há aqui qualquer coisa que não faz sentido.

1- Não se publica a noticia do Relvas no Publico, por nao ser relevante e não trazer nada de novo, conforme vinha em comunicado.

2- No entanto a directora diz à ERC que o Relvas ligou a pressionar para não se publicar a noticia. A mesma que a própria diz não ser relevante.

3- Então o Relvas liga a pressionar e a ameaçar uma jornalista que tem em mãos uma noticia assim. Irrelevante.

Perdão?

Estou há duas horas a tentar perceber isto.


De Rodrigo Saraiva a 24 de Maio de 2012 às 18:03
fosse só este "caso" que não fizesse sentido ...


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds