Sexta-feira, 25 de Maio de 2012
por Maurício Barra

Jogar futebol. Gostar de futebol. Falar de futebol.

Mais do que isso? Não.

Porque começa pela desonestidade intelectual (não vemos o que os outros vêem, vemos o que os outros não vêem), o adversário não está no mesmo campo que nós, o adversário é o outro lado para todas as condenações, transforma-o em inimigo, tribaliza-nos e tribaliza-os, define campos estanques de estigmas , já não interessa se é de futebol que se trata. Passamos a ser hooligans mentais.

E já não temos de ser os melhores. Temos é de ganhar. Os meios hão-de justificar os fins.

Expandimo-nos para fora do campo do jogo. Aceitamos desvios a nosso favor, vociferamos contra o benefício dos outros, e assim alimentamos os fautores, os que mexem os cordelinhos, os que não querem simplesmente jogar futebol, querem o poder de ganhar antes de entrar em campo. E aceitamos que ou nós temos esse poder, ou então esse poder vai para os outros.

E o futebol deixa de ser um jogo, passa a ser um confronto escuro, de gente sombria, que vive bem evitando a claridade da lei.

E instala-se a paranóia. Ou controlamos ou somos controlados.

E antes que o jogo chegue ao fim já nos esquecemos da ética, dos valores morais, do fair-play, da verdade, da alegria dos nossos filhos a correrem atrás de uma bola. Ficamos infectados. Não nos importamos de não ser justos.

E tudo começou porque fizemos um intervalo nos valores, um intervalo em que fomos inferiores às nossas frustrações e abdicámos temporariamente da honestidade intelectual. 


tiro de Maurício Barra
tiro único | comentar | gosto pois!

4 comentários:
De da Maia a 25 de Maio de 2012 às 10:05
Muito bem.
Grande texto benfiquista... eh eh, porque só escreve um texto destes quem perde o campeonato! - é o que dirá quem o ganhou, se não quiser sair do disco riscado.
;-)


De Maurício Barra a 25 de Maio de 2012 às 10:25
Bom, este não é um texto benfiquista. É um texto de quem recusa a degradação de futebolizar tudo, sobretudo a discussão política.
E, por sinal, emiti-o pela pela primeira vez, no meu blog pessoal, há dois anos, quando o Benfica ganhou o campeonato.


De da Maia a 25 de Maio de 2012 às 13:20
Claro, por isso eu falei em sair do "disco riscado"...
... do círculo vicioso, em que o martelo vê tudo como um prego.
O clubista vencedor analisará sempre qualquer reacção do vencido como um espasmo do derrotado... pouco lhe importa o significado, porque sintonizou como significado único a questão vitória/derrota.



De Maurício Barra a 26 de Maio de 2012 às 08:49
Exactamente ,caro da Maia


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds