Domingo, 25 de Setembro de 2011
por Fernando Moreira de Sá

Não existe outro caminho.

 

O nosso país vai ter mesmo de mudar se quiser continuar a existir. Uma mudança imperiosa e obrigatória. Na educação, na economia, no sector público e no sector privado. Estamos perante uma situação de excepção que exige medidas concretas, corajosas e nada populares.

 

Não sei, sinceramente e pondo de lado as questiúnculas partidárias, se os portugueses estão preparados ou mesmo conscientes da gravidade do momento. Não vou discutir se o modelo de desenvolvimento económico que a Europa, a Troika e os especialistas defendem, se é que defendem algum modelo, é o melhor ou não. Já nem sei se “isto” vai lá com mais impostos ou se não seria melhor procurar puxar pela economia diminuindo a carga fiscal.

 

Posso estar enganado, redondamente enganado, mas sem uma verdadeira mudança de mentalidades não vamos lá. Reparem neste exemplo. As regras no acesso ao ensino superior não são universais, não são iguais para todos e, espero não estar a ser injusto, cheira a “Chico-espertismo” típico da nossa mentalidade. E o que dizer quando se lê “isto”? Então os portugueses não são todos iguais? Os sacrifícios são só para alguns? Ninguém aprendeu a lição, nem o poder nem a oposição madeirense?

 

O Governo prepara-se para uma verdadeira revolução no sector público. Durante anos, todos os “Medina Carreiras” deste país clamaram (e bem) contra a “gordura” do Estado. A multiplicação de Institutos Públicos, Empresas Públicas, o crescimento do número de funcionários públicos. Agora que o Governo decide, finalmente, atacar o problema acabando com fundações de duvidosa existência, fundindo institutos públicos e fechando determinadas empresas públicas e lançando uma reforma da Administração Local que é, a meu ver, o princípio do controlo do despesismo, vão começar os sindicatos, as corporações e todos aqueles que defendem “o sistema” a gritar contra. Em casa onde não há pão…

 

Só com a redução do número de dirigentes a poupança é de 40 milhões. Será que chega? Certamente que todos concordam que não, não chega. É o começo. O princípio da mudança de (como detesto a palavra mas não encontro outra) paradigma.  

 

A Reforma da Administração Local incidirá em quatro campos: no sector empresarial local, na organização do território, na gestão municipal e seu financiamento e, na democracia local. Para a minha geração esta pode ser a primeira grande reforma a que assistimos. Ora, agora que tanto se fala na Madeira e no seu buraco, cheira-me que depois das eleições regionais vamos ter uma surpresa no que toca a buracos e suas dimensões. Uns e outros terão, forçosamente, que ser combatidos. Todos reconhecemos, mesmo quando não concordamos, que o desenvolvimento económico e social na Madeira nos últimos trinta anos foi enorme. Como gigantesco foi o desenvolvimento das nossas vilas, cidades e concelhos. E o Portugal de hoje comparado com o dos anos setenta? A que custo? Quais os custos, reais, de todo este desenvolvimento, de toda esta qualidade de vida incomparável?

 

A Troika e as recentes intervenções externas respondem. Todos nós, sem excepção, exagerámos. Agora cabe à minha geração e às que se seguem pagar a dura factura. Uma factura pesada, é certo, mas pior seria se nada fosse feito e já.

 

Enquanto contribuinte, do grupo dos que pagam impostos e que ainda agora pagaram mais uma batelada de IRS, só posso saudar estas medidas reformistas no tocante à despesa do Estado e aproveitar para pedir mais. Que não falte a coragem.

 

Mesmo sabendo que a caixa de comentários vai ser inundada pelos “Abrantes” do costume, não posso deixar de sublinhar que Miguel Relvas, mesmo debaixo de intenso fogo, não cedeu e avançou com esta importante reforma. Seria bem mais fácil e cómodo continuar a fazer de conta…


tiro de Fernando Moreira de Sá
tiro único | comentar | gosto pois!

7 comentários:
De Anonimo a 25 de Setembro de 2011 às 10:23
"Posso estar enganado, redondamente enganado, mas sem uma verdadeira mudança de mentalidades não vamos lá".Concordo a 100%, mas duvido que aconteça. Se analisarmos a historia do seculo passado, uma mudança de mentalidades é sempre posterior a uma guerra, o que não estou a ver que possa acontecer (OK as guerras fiscais não entram para aqui).


De Fernando Moreira de Sá a 25 de Setembro de 2011 às 15:02
Também tenho dúvidas. só me parece que, desta vez, não temos como escapar.

abraço.


De natalia santos a 25 de Setembro de 2011 às 12:34
A (prevista) dureza da nova legislação laboral vai cair em cima dos trabalhadores, a parte mais fraca, antes de qualquer reforma das mentalidades(dos patrões e dos próprios trabalhadores), quase sem almofadas sociais e numa sociedade economicamente pouco dinâmica.
Vai ser como atirar pessoas ao mar sem saber se sabem nadar ou não, talvez com a esperança -dou o benefício da dúvida- que postos naquela situação, se acabem por salvar por instinto ou com ajuda de outros.

Não acredito nesta terapia de choque. Uma parte dos trabalhadores vai mesmo afundar-se.

Pergunto: Vamos deixar que isso aconteça ?


De Fernando Moreira de Sá a 25 de Setembro de 2011 às 15:08
Repare,

A nova legislação vai atingir os trabalhadores? Vai. Nesta fase, na função pública, serão os dirigentes. Não sei se chega, se não terão de alargar aos restantes quadros da função pública.
No sector privado é mais complexo: ou se muda de mentalidade (todos) ou vão os trabalhadores para o desemprego e os empresários à falência. É trigo limpo, farinha amparo.

Quero acreditar que estas medidas são as necessárias para se salvar os dedos e a mão. Como estamos, vai tudo, mesmo tudo, ao ar.

Um abraço.


De l.rodrigues a 26 de Setembro de 2011 às 15:25
Não existe outro caminho? Foi este tipo de discurso que nos trouxe até aqui.... TINA...


De João Severino a 26 de Setembro de 2011 às 17:40
Como é que se pode fazer link deste post para os que se dizem políticos, comentadores e todos os seus familiares?...


De Fernando Moreira de Sá a 26 de Setembro de 2011 às 18:08
simples: cursor em cima do título, control c e depois control v.

Um abraço e obrigado.


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds