Terça-feira, 19 de Junho de 2012
por Luís Naves
 
No debate sobre a crise europeia, instalou-se um poderoso mito segundo o qual os problemas dos países endividados têm origem na austeridade e de que há uma saída mágica, de políticas de crescimento, para resolver tudo numa única jogada. A narrativa distorce a realidade, é politicamente motivada e não permite compreender o que se está a passar. Trata-se, no fundo, de uma forma de desviar para canto, típica das discussões onde o lugar-comum dá vantagem aos discursos superficiais. 
Repetindo simplificações (geralmente americanas), muitos autores da blogosfera continuam a pensar que a Europa não tem liderança ou que o euro é uma monstruosidade. Outros, à esquerda e à direita, repetem a ideia de que a crise se explica pela incrível estupidez da chanceler Angela Merkel, sempre designada 'senhora Merkel', para sublinhar que se trata de uma mulher (e alemã, ainda por cima). Nunca lhe é dado qualquer desconto, nem sequer a legitimidade de defender os interesses do país que a elegeu.
Poucos explicam que, a nível europeu, as negociações estão avançadas na ideia de lançar uma união bancária, projecto que exigirá vários anos. Quando isso estiver concluído, os países não terão os mesmos poderes sobre a sua banca. Imaginem um supervisor europeu a exigir o desmantelamento de um banco português. E, no entanto, para estabilizar a moeda única, isto será necessário, pelo menos o compromisso de que existirá um tal mecanismo. O eleitorado está preparado? É óbvio que não. Por isso, as verdadeiras soluções serão lentas.

 

Ontem em Los Cabos, México, na reunião dos líderes do G20, o presidente da comissão europeia, Durão Barroso, teve uma resposta notável a uma insistente pergunta, sem dúvida feita pela enésima vez.. Barroso explicou que a Europa não recebe lições de democracia, pois todos os 27 membros da UE são democracias, enquanto nem todos os G20 o são. Quando um jornalista canadiano lhe perguntou por que razão deveria a América do Norte correr riscos para ajudar a Europa, Durão respondeu que a crise não começou na Europa, mas na América do Norte, devido a práticas financeiras pouco ortodoxas.
Este é um dos elementos convenientemente esquecidos. Os EUA ainda não saíram da crise. As loucuras e crimes financeiros que levaram ao colapso do subprime continuam a ser práticas comuns. Nada mudou, nem sequer o profundo endividamento americano que, mais tarde ou mais cedo, levará Washington a bater na parede.

 

Mas este contexto é interessante para percebermos as pressões que estão a ser exercidas sobre os líderes europeus. A solução que sairá de uma negociação que envolve países democráticos será sempre o mínimo denominador comum. Em causa, está o cálculo da dose adicional de integração. É um cálculo político puro, que tem a ver com cedências de soberania, tais como perder o direito de decidir sobre a banca nacional ou sobre o orçamento.
Dito de outra forma, para salvar o euro, os líderes terão de propor soluções que reforçam a união política, não havendo objectivamente condições imediatas para o aprofundamento da UE, dada a enorme desconfiança da opinião pública sobre cada novo passo que é dado. Os britânicos já saíram de jogo, afastaram-se da zona euro, o que no futuro terá amplas implicações políticas para Londres.
Por todo o lado crescem as forças populistas e extremistas. O novo parlamento grego, por exemplo, tem um terço de deputados comunistas ou neonazis. Lembram-se dos três que andaram à estalada na TV? Foram todos eleitos.

 

Em Portugal, há muita demagogia sobre austeridade e crescimento, como se houvesse dinheiro à farta para programas de investimento público que vão criar empregos imediatos. E como se tivéssemos a opção de renegociar o memorando da troika e suavizar as metas, isto quando já foi concluída a parte mais difícil do programa.
Enfim, muita espuma, declarações distorcidas e contextos omitidos. Também há muita demagogia sobre a Europa, como se Portugal tivesse margem de manobra para negociar cada vírgula do seu programa de ajustamento. Que devia haver mais solidariedade, dizem, esquecendo que o resgate já é generoso e custa 78 mil milhões, na sua maioria pagos pelo contribuinte europeu, e que há risco efectivo desse dinheiro nunca ser recuperado. Cada português recebe 7800 euros, mas há muitos entre nós que se recusam a ver qualquer generosidade do credor ou a justificar a ansiedade de quem passou o cheque.
Na Europa está a ser preparada uma mudança profunda, a discussão já começou sobre esse passo adicional na integração, mas continuamos a discutir espuma, estados de alma e o orgulho ferido. Depois, no fim da cimeira de dia 28 e 29, teremos de ouvir os comentadores a explicar que a Europa não tem liderança, que a cimeira foi outra oportunidade perdida, que o euro será uma péssima ideia e que a austeridade não se aguenta, a Europa é só conversa e não aconteceu nada. No debate intelectual, chutar para canto é uma arte.  

 


tiro de Luís Naves
tiro único | comentar | gosto pois!

3 comentários:
De Desconhecido Alfacinha a 19 de Junho de 2012 às 21:28
Mais uma vez: Excelente analise!

Muito obrigado.

Melhores cumprimentos


De l.rodrigues a 20 de Junho de 2012 às 10:31
Luis Naves,
tem a noção do paradoxo, para ser gentil, de recusar lições de democracia ao mesmo tempo que nos bastidores se preparam coisas fundamentais para o bem estar dos povos sem eles serem tidos nem achados, sem serem informados, sem serem consultados (que não é por quem negoceia ter sido eleito que tem um mandato para fazer seja o que for, já que não foi certamente matéria de programa eleitoral).

E quanto à generosidade dos resgates... afirmar isso roça o ridículo, desculpe.


De Tiago Cabral a 20 de Junho de 2012 às 12:17
A austeridade, as suas consequências, não podem ser classificadas como a espuma. A austeridade não é apenas um conceito abstracto. O que os portugueses estão neste momento a passar não pode ser menosprezado dessa maneira. E não há aqui nenhuma demagogia, Luís.
Em relação aos ingleses não considero que tenham saído do jogo do euro. Estão a fazer o seu papel de sempre dentro da UE. Foi assim mesmo antes de terem aderido. É uma constante. São europeus mas acima de tudo são aliados dos EUA.
A eleição de cada vez mais deputados de partidos extremistas, demonstra a fraca qualidade dos líderes políticos que temos hoje em dia na Europa. O Durão Barroso puxou dos galões na cimeira? Está lá desde 2004, qual é a imagem que vai deixar?


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds