Domingo, 24 de Junho de 2012
por Rui C Pinto

Em conversa entre amigos perguntavam-me, há alguns dias, porque é que não há, em Portugal, uma relação estreita entre o meio académico e o meio empresarial por comparação aos Estados Unidos. A conversa fluiu. Da investigação de ponta e desenvolvimento de tecnologias ao desenvolvimento de spin-offs alimentadas em crédito. Abordei resumidamente, para não aborrecer, a necessidade de financiamento directo das Universidades que permitam sustentar continuamente esse desenvolvimento científico e tecnológico através, naturalmente, das propinas.

 

A rejeição da minha tese foi uníssona. "As propinas já são muito caras". "Os professores estão lá é para ensinar". "As propinas já são muito caras para o serviço prestado". Os portugueses, vítimas tantas vezes da sua periferia, olham embevecidos para a dinâmica empresarial que rodeia o MIT, a Carnegie Mellon ou Berkeley. Admiram a sua capacidade criativa e empreendedora. A sua íntima relação com a indústria. Mas certamente não lhes gabam os valores das propinas dos cursos de 1º ciclo: $22,492 no College of Engineering de Berkeley, $44,880 na Carnegie Mellon ou $40,732 (em média) no MIT. 

 

Continuamos, por isso, a pretender o Sol na eira e a chuva no nabal. 


tiro de Rui C Pinto
tiro único | gosto pois!

De francisco tavares a 25 de Junho de 2012 às 00:16
A propina elevada proporciona uma parceria com empresas de excelência, onde os alunos aprendem, estagiam e obteem colocação?

Talvez a classe docente nos EUA tenha relações mais íntimas com as empresas do que aqui em Portugal. É talvez questão de método, praxis, mentalidade ou tradição.

Penso que há em Portugal, muito docente que nunca foi às empresas para ver como elas funcionam. Não intermediação universidade/empresas.


Bem, em Portugal os números das propinas tinham que ser inferiores.


De Rui C Pinto a 25 de Junho de 2012 às 19:29
A propina elevada permite investir em ciência e tecnologia de ponta, state of the art. Aquela ciência que gera as tão desejadas spin-offs, onde os alunos (os tais que pagaram a propina elevada) criam o seu próprio emprego e empregam alguns colegas.

A classe docente dos EUA têm, de facto, uma relação mais estreita com a indústria e com as empresas. Desde logo porque muitas dessas empresas foram criadas por alunos seus e muitas vezes o sucesso dos mesmos dependente de uma colaboração continuada com a Universidade e os docentes que os impulsionaram. Logo, o método, praxis, mentalidade ou tradição a que se refere depende necessariamente do parágrafo anterior.

Admito que muitos docentes nunca tenham entrado numa empresa. Infelizmente para o país, também se dá o caso de muitos empresários nunca terem entrado numa Universidade. O país terá certamente que fazer diferente neste campo para alterar o status quo.

E começar por fazer diferente é alterar todo o sistema de financiamento da Universidade e da ciência por forma a que se desenvolva tecnologia em Portugal e se formem alunos no domínio dessa tecnologia que possam criar empresas tecnológicas baseadas em produtos de elevado valor acrescentado.


Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds