Domingo, 24 de Junho de 2012
por Rui C Pinto

Em conversa entre amigos perguntavam-me, há alguns dias, porque é que não há, em Portugal, uma relação estreita entre o meio académico e o meio empresarial por comparação aos Estados Unidos. A conversa fluiu. Da investigação de ponta e desenvolvimento de tecnologias ao desenvolvimento de spin-offs alimentadas em crédito. Abordei resumidamente, para não aborrecer, a necessidade de financiamento directo das Universidades que permitam sustentar continuamente esse desenvolvimento científico e tecnológico através, naturalmente, das propinas.

 

A rejeição da minha tese foi uníssona. "As propinas já são muito caras". "Os professores estão lá é para ensinar". "As propinas já são muito caras para o serviço prestado". Os portugueses, vítimas tantas vezes da sua periferia, olham embevecidos para a dinâmica empresarial que rodeia o MIT, a Carnegie Mellon ou Berkeley. Admiram a sua capacidade criativa e empreendedora. A sua íntima relação com a indústria. Mas certamente não lhes gabam os valores das propinas dos cursos de 1º ciclo: $22,492 no College of Engineering de Berkeley, $44,880 na Carnegie Mellon ou $40,732 (em média) no MIT. 

 

Continuamos, por isso, a pretender o Sol na eira e a chuva no nabal. 


tiro de Rui C Pinto
tiro único | comentar | gosto pois!

4 comentários:
De João André a 26 de Junho de 2012 às 09:05
Quem leia isto pensa que só os EUA são solução. Até parece que não existe ciência de altíssima qualidade feita na Europa, onde propinas são baixas (ou inexistentes) e existem fartas parcerias das universidades com empresas.

Dois curtos pontos sobre o assunto: em Portugal a classe empresarial é cretina até à medula porque pura e simplesmente não reconhece o valor da investigação. Isto é um facto que conhece raríssimas excepções.

Segundo ponto: existe e ensino superior para lá daquele que resulta em produtos (ou seja, não são só os engenheiros ou economistas que estudam).

Quem não entende estes dois pontos bem pode clamar por propinas e EUA que de nada servirá.


De jfd a 28 de Junho de 2012 às 00:44
Sendo que o exemplo do primeiro ponto é?


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds