Sábado, 1 de Outubro de 2011
por Ricardo Vicente

Enquanto assistimos enojados à telenovela Isaltino Morais à tarde e à telenovela Alberto João Jardim de manhã e enquanto pensamos que o primeiro mantém-se presidente de câmara municipal e o segundo mantém-se e prepara-se para ser reeleito presidente do governo regional da Madeira em nome do PSD, há uma figura desse mesmo partido que vem à mente: Marques Mendes.

 

Marques Mendes teve um acto de coragem histórica ao dissociar Isaltino Morais e Valentim Loureiro do PSD. Essa enorme coragem e sentido de decência poderia, porém, ter ido ainda um pouco mais longe. Mas acabou por não chegar à Madeira.

 

Parece que Passos Coelho não irá à dita ilha apoiar Alberto João Jardim. Não apoiar, não ir, não fazer: é pouco. Pouco por omissão.


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | comentar | gosto pois!

3 comentários:
De eirinhas a 1 de Outubro de 2011 às 16:42
Como é que havia de chegar à Madeira se foi logo esconjurado no Continente


De mil a 3 de Outubro de 2011 às 10:51
MM não chegou á Madeira, nem ao Preto da distrital de Lisboa, nem à presidente da CM de Leiria. Só estava contra os 'ladrões', que não o apoiavam; os amigos a roubar não eram 'ladrões -«Deus para nós e o Diabo para os outros».

A hoenestidade publica de MM é vesga; já amigos do peito condenados por associação criminosa também não é medalha...


De Carlos a 6 de Outubro de 2011 às 18:33
Mas não é o mesmo Marques Mendes que foi presidente da ass municipal de oeiras com Isaltino a presidente da Camara!??!?!


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds