Sexta-feira, 28 de Setembro de 2012
por Maurício Barra

Supondo que a repetição intensiva que a SICN exibiu, e continua a exibir, sobre a perseguição que faz ao primeiro-ministro em qualquer lado a que ele vá, não tenha sido encomendada pelo BE ou pelo PC (mas parece), esta exibição histriónica revela muito do que é a política editorial de uma estação de televisão.

O ódio visceral que a SIC dedicou a este governo desde o primeiro dia, porque não queria ser incomodada pela privatização da RTP, é a demonstração da arrogância de quem se considera dono da informação em Portugal e não quer, também, ver perturbada a formatação ideológica da informação que quotidianamente “ fornece” aos portugueses. Aliás, a alternativa que propôs foi a eliminação da RTP e a constituição de um duopólio que se “encarregaria”, adicionalmente, da nova televisão que viesse a ser privatizada ou concessionada.

Assim, desvirtuar o conteúdo pela forma é, habitualmente, a cacha do dia. Não começou hoje nem vai acabar amanhã. Ter ou não ter honestidade intelectual não faz parte das preocupações de muitos ansiosos primários que fazem do jornalismo o megafone diário das suas agendas políticas. Não subsistirão enquanto discurso dominante e racional, mas são notórios porque em público exercem a que deveria ser a sua profissão.

Analisando friamente, muitos dos “transmissores de notícias” do nosso país não têm como objectivo ser jornalistas, mas sim ser paparazzi do quotidiano, procurando notoriedade efémera a qualquer custo, (en)cobertos pela falta de probidade de editores que, quando os mandam reportar, efectivamente os mandam ladrar e morder, para que a notícia não seja o que a pessoa diz, mas sim a marca da mordidela na canela.

 

Obsrv: suponho que não vos escapou o ataque em alcateia dos bobbies e tarecas de Sócrates (e de Marinho Pinto) à Ministra da Justiça, pelo simples facto de a senhora ter garantido que não prescrevia a investigação ao eventual dolo público das negociações de Governo de Sócrates com as PPP's.


tiro de Maurício Barra
tiro único | comentar | gosto pois!

7 comentários:
De k. a 28 de Setembro de 2012 às 09:02
woof woof!

Não, a senhora ministra da justiça é inqualificável ao pretender usar o seu cargo, e pressionar a magistratura a criar processos politicos - algo digno de um estado fascista, ou comunista.

Espero que tenha visto a entrevista com o procurador geral da republica cessante, muito elucidativo.


Assinado: Fiel cão do socas


De Maurício Barra a 28 de Setembro de 2012 às 12:19
fascista ? comunista ?
é uma pena ter problemas com a democracia !


De Marão a 28 de Setembro de 2012 às 10:53
Jornalistas ou andrajosos carregadores de microfones? Na SIC Notícias há um lorpa qualquer com uma conversa de fundo que tenta humilhar e provocar Passos. Ainda não identifiquei a fera a quem pertence aquela voz, mas gostava de saber se com o governo anterior andava com o bico metido no cu. E os perguntadores de esquina de punho em riste talvez tenham consciência que por bem menos eram capazes de levar dos seguranças de Sócrates uns valentes chutos no lugar dos tomates.


De AP-AmigodePeniche a 28 de Setembro de 2012 às 13:51
Totalmente de acordo e reforço, alguns pormenores:
Desde o primeiro dia do governo com o ataque canino a Miguel Relvas - filou-o e não o largou ate sentir que estava mais ou menos morto - mas com derivações sempre na direcção do primeiro ministro para ver se descobria algum ponto por onde filar este também...
contribuiu e de que maneira para a escalada de linguagem verbal agressiva, agora aproveitada e levada ao extremo pela esquerda PC e BE.


De fado alexandrino a 28 de Setembro de 2012 às 19:42
Fiz dois posts sobre a isenção do Expresso nesye e noutros assuntos.
Se vos apetercer vão lá ver.


De Maurício Barra a 29 de Setembro de 2012 às 09:23
sim, sim, já os li.
costumo acompanhar o seu blog


De jorge c a 29 de Setembro de 2012 às 10:44
não é deveras extraordinário que a teoria da conspiração tenha como interpretes, só do lado do psd , balsemão , ferreira leite, berta cabral , rui rio, pacheco pereira, (marques mendes -é a 1ª e última vez que o menciono), antónio capucho, etc e etc .???

a culpa de não cumprirmos as metas da troika não é do jornalista: é do (des)governo.
e sobre a ministra da justiça, convém dizer que não estamos no irão. a propósito, o tal sucateiro, o face oculta, e tal? aquilo não anda nada? ainda apodrecem os robalos.já o pasquim semanal sol se prepara para encerrar portas, e os procuradores e juízes não acertam uma..uma chatice sem sócrates ...


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds