Segunda-feira, 10 de Outubro de 2011
por Ricardo Vicente

Segundo o Expresso, o bastonário dos médicos quer que as pessoas com gripes e enxaquecas assinem um papel em que declaram pela sua honra estarem doentes. Porque é que o referido bastonário não propõe antes que sejam os médicos, de cada vez que passam um atestado, a declararem pela sua honra e a assinar por baixo que não estão a mentir ao diagnosticarem a enxaqueca dos outros? E que aponham também um daqueles autocolantezinhos com código-de-barras com a inscrição "isto não é um embuste".

 

Se a presunção de honestidade não serve para as pessoas em geral e é necessário obrigá-las a assinar declarações de honra, porque é que essa presunção há-de servir para os médicos?


"O bastonário (...) defende que os cidadãos devem ser responsabilizados e que os falsos atestados podem mesmo ser condição suficiente para o despedimento" (mesma ligação, o bold é meu).

E que tal responsabilizar os médicos pelos atestados fraudulentos? E que tal os falsos atestados serem condição suficiente para que um médico seja demitido e não possa mais trabalhar no sector público e fique proibido de exercer no privado durante um ano?

O bastonário dos médicos deveria preocupar-se isso sim com a responsabilização dos médicos perante a sociedade. É para isso que o cargo existe. Não é para se preocupar pela responsabilização das pessoas em geral perante os seus empregadores. Para isso já as pessoas têm patrões, têm precariedade e, claro está, têm sentido ético próprio.


tiro de Ricardo Vicente
tiro único | gosto pois!

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds