Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Forte Apache

Bastonário dos Médicos: Duas Parvoíces e uma Ideia Razoável (2)

Ricardo Vicente, 10.10.11

Segundo o Expresso, o bastonário dos médicos afirmou que "Esta crise é uma oportunidade para a criação de novos impostos seletivos que contribuam para melhorar a saúde dos portugueses e evitar o consumo de medicamentos" e que "deve ser instituído um imposto sobre a fast food e outros alimentos não saudáveis como o sal, os hambúrgueres, os venenosos pacotes de batatas fritas e as embalagens de dezenas de variedades de lixo alimentar" (o bold é meu; cfr. tb. o DN que traz um artigo mais longo).

 

O referido bastonário já terá pensado no efeito redistributivo óbvio deste imposto? Saberá ele que a obesidade está relacionada com a pobreza pecuniária e educativa? "Fast food" é sobretudo comida de pobre. E o que dizer da importância do pão e da manteiga para os mais desfavorecidos? Que passem a comer croissants light?


Se o paternalismo desprovido de qualquer ética e respeito pela liberdade e responsabilidade dos outros não chega para deitar para o caixote-do-lixo qualquer projecto de lei deste género, ao menos que os paternalistas do costume pensem nas consequências redistributivas daquela medida.

 

Parece que na Dinamarca o imposto sobre  comida gorda aplica-se também ao leite, ao queijo e, até, à carne. Será que o bastonário dos médicos portugueses também pretende impostos mais altos para o leite e a carne consumidos em Portugal? Será que o bastonário também acha que a crise é uma "oportunidade para a criação de novos impostos" sobre alimentos tão essenciais como o leite e a carne?

 

A crise enquanto "oportunidade para a criação de novos impostos selectivos"! Será que o bastonário dos médicos não compreende que a crise já é a "oportunidade" para as pessoas ficarem ainda mais pobres, precárias, desempregadas e à beira da pobreza, ou numa pobreza ainda mais funda?

 

O bastonário dos médicos deve pensar que todos os portugueses ganham por mês o mesmo que os médicos que ele protege. Porque é que o bastonário não propõe ao invés um imposto "selectivo", como ele gosta, sobre todas as profissões protegidas por ordens ou, pelo menos, sobre a sua tão protegida profissão? Para quem se interessa tanto por impostos "selectivos", espero que lhe agrade esta proposta. Aqui fica o desafio!

 

4 comentários

Comentar post