Sexta-feira, 19 de Outubro de 2012
por Maurício Barra

É confrangedora a dicotomia entre o país real e grande parte do país publicado (e visionado).

Aliás, para os atentos, vivemos em dois países em simultâneo. O país que vive sob resgate e assinou um PAEF, e o país da intriga que simula situações que não existem mas convinha que existissem para servir as suas agendas políticas.

De certa forma até estávamos habituados, com o pogrom que a esquerda instalada na imprensa lançou desde a primeira semana da posse do actual governo. O que é novidade é a catrefa de comentadores que, devido ao tropeção táctico do Governo no mês anterior, elaboraram narrativas tremendistas, qual delas a melhor para demonstrar ainda maior desequilíbrio que o dito tropeção, para competir num concurso de inépcia intelectual de ansiosos que querem enquadrar a realidade nas suas teorias catastróficas.

É pena quem perdeu a entrevista de ontem a Vítor Bento na SICN. Além de ter dado uma lição de jornalismo à perfídia da menina gótica que ali oficia todas as noites, desmantelou as tergiversões de todos aqueles que nas últimas duas semanas andam numa corrida para serem citados com a “bojarda” do dia.

A mensagem é simples: se não querem criar uma nova Grécia, limitem a vossa análise à esfera da realidade e não contribuam para termos mais instabilidade política do aquela que temos de sofrer para nos livrarmos da bancarrota. Vivemos num Estado de Democracia Representativa que temos de respeitar. Só por estupidez se pode colaborar com os partidos anti-democráticos que querem derrotar a democracia na rua e conduzir o país para a miséria.


tiro de Maurício Barra
tiro único | comentar | gosto pois!

2 comentários:
De Joao a 19 de Outubro de 2012 às 13:44
Maurício não a> podia estar mais de acordo, alias essa já e a minha opinião a algum tempo.
Eu vi a entrevista e gostei de ver e ouvir a lição que Vitor Bento deu e que dava ate para sentir o desconforto da Ana Lourenço , com as respostas, não a> era certamente para aquilo que ele tinha sido convidado.
Tenho para mim que tão cedo Vitor Bento não a> vai ser chamado para mais nenhum programa para dar opinião sobre coisa nenhuma, a voz dele esta contra a corrente dos comentários dos dias que correm, logo não a> mais deve ser ouvida, vou esperar para ver se assim e.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Maurício não a&gt; podia estar mais de acordo, alias essa já e a minha opinião a algum tempo. <BR>Eu vi a entrevista e gostei de ver e ouvir a lição que Vitor Bento deu e que dava ate para sentir o desconforto da Ana Lourenço , com as respostas, não a&gt; era certamente para aquilo que ele tinha sido convidado. <BR>Tenho para mim que tão cedo Vitor Bento não a&gt; vai ser chamado para mais nenhum programa para dar opinião sobre coisa nenhuma, a voz dele esta contra a corrente dos comentários dos dias que correm, logo não a&gt; mais deve ser ouvida, vou esperar para ver se assim e. <BR class=incorrect <a name="incorrect">Ja</A> fui ao site da SICN para ver se o vídeo já se encontrava disponível .. espanto meu (ou talvez não a&gt; ....), ainda não a&gt; esta, vou continuar a visitar a pagina a ser se o consigo enviar a alguns "necessitados". <BR>Abraço


De Rural a 19 de Outubro de 2012 às 14:55
De facto os jornalistas já convenceram os alemães que ou nos pagam o que nos devem ou não mandamos mais emigrantes para lá.

Também os jornalistas convenceram aqueles pais dos enfermeiros que foram para a inglaterra, que não devem autorizar que os filhos vão com o exército inglês para a guerra do Afeganistão.

Os pais dos enfermeiros até choraram e escreveram ao presidente para dizer à rainha que cuide dos jovens tugas.

Temos um jornalismo porreiro, e muito lúcido e muito patriota e muito convincente.



comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds