Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Forte Apache

O casal gay, a criança, o juiz, o Henrique Monteiro, o bem e o mal.

Rui C Pinto, 27.10.12

O blogue chama-se "chamem-me o que quiserem". Ora, um texto que versa sobre um caso concreto, sem nunca assumir a discussão do dito caso pode adjectivar-se de dissimulado. Uma dissimulação exposta pela cobardia dos argumentos.

 

O problema é que um juiz decidiu nomear como tutores de uma criança um casal de homossexuais. O que se discute é o formalismo da decisão e a filosofia do juízo. Ataca-se a legitimidade de um juiz decidir quanto aos destinos de crianças, imagine-se!, e, de caminho, coloca-se em causa a própria agenda do juiz... Mas atenção, o que importa ao Henrique Monteiro não é se o casal tutor é gay ou não, como lembra no texto, mas antes se os juízes podem decidir sobre o bem e o mal, tanto mais que o diabo existe nos detalhes, e o yin-yang equilibra o universo em shangri-la. ♪♩♫ Pinheirinho, pinheirinho, de ramos verdinhos, ♩♫ p'ra enfeitar p'ra enfeitar, bolas bonequinhos... ♪♫

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.