Quarta-feira, 9 de Janeiro de 2013
por José Meireles Graça

O Relatório está aqui. Mas não o vou ler: tem 76 páginas e o palavreado é o de um paper de economia, uma coisa intensamente fastidiosa. Não faz mal: na minha lista de favoritos, os blogues com economistas são mais de uma dúzia; e como os blogueiros que não são economistas falam com frequência de assuntos económicos, e a minha lista tem uma divisão equânime esquerda/direita, acabarei por saber mais do Relatório do que se o tivesse lido. Ademais, era o que faltava se para me pronunciar sobre qualquer assunto tivesse que o estudar - do que ouço e leio dos especialistas felicito-me com frequência pela minha abençoada ignorância: os porcos, quando estão com o focinho enfiado na gamela, não veem nada do que rodeia o curral; e é facílimo tresler quando se estudam ciências que se declinam em esquerda e direita.

 

Acresce que haverá gente que vê detalhes dos quais nunca me aperceberia. Por exemplo, a coisa chegou hoje ao espaço público e já houve quem topasse que o Ministro Relvas não esteve para maçadas. Um pormenor irrelevante, decerto; mas outros hão-de aparecer.

 

Gostaria de pensar que a parte reformista da Esquerda se vai convencer de que o Estado dos direitos económicos e sociais de valor crescente acabou; e que, a bem ou a mal, o nível de despesa pública terá que baixar, dado que a carga fiscal pode ainda subir no papel mas a receita não.

 

Gostaria de pensar que a parte da Direita que tem uma receita ideológica pronto-a-vestir percebesse que a espiral recessiva não é uma possibilidade apenas teórica; e que, mesmo que o fosse, há um limite para o sofrimento sem esperança, pelo menos se não quisermos que a Democracia vá pelo ralo.

 

Precisamos de crescimento. Tão ou mais importante do que a discussão em torno dos cortes é a descoberta da pedra filosofal do crescimento.

 

Esta receita não dá - foi testada no consulado do autor, quando a Europa ainda acreditava que mini-Planos Marshall haveriam de pôr os países relativamente atrasados a crescer muito mais do que os outros, e deu como resultado a obesidade do Estado, um himalaia de desperdício, um karakorum de corrupção e um crescimento abaixo da ambição e da necessidade. De toda a maneira, quando se pedem esmolas pode-se talvez sobreviver; mas não se pode enriquecer - e esmolas seria do que a agora UE estaria disposta, na melhor das hipóteses, a abrir mão.

 

O investimento público, mesmo para quem acredite, contra toda a evidência, que pode ser a solução, está-nos vedado por falta de crédito.

 

A descoberta de petróleo, gás ou de metais preciosos é improvável; e o mar, essa grande riqueza, continuará teimosamente a ser refractário ao papel que empresários de proclamações lhe destinam.

 

Vou gostar da discussão. Ou talvez não: não é impossível que se veja mais do mesmo.


tiro de José Meireles Graça
tiro único | comentar | gosto pois!

4 comentários:
De murphy a 10 de Janeiro de 2013 às 10:45
Será mais do mesmo - será uma "não discussão".

A comunicação social, infelizmente, é um dos principais obstáculos à resolução dos problemas do País… os Srs. Jornalistas (a maioria) andam num corrupio diário ao serviço daqueles que desde há muito usufruem do "bem colectivo" o qual é mantido à custa do trabalho dos cidadãos anónimos.
Acordem e pensem “que portugueses vão beneficiar deste clima que está criado contra o Orçamento de 2013?”. E porque não se falam de situações como esta?:
http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/01/constitucionalidade-e-quando-um-homum.html




De fado alexandrino a 10 de Janeiro de 2013 às 21:02
e a minha lista tem uma divisão equânime esquerda/direita, acabarei por saber mais do Relatório do que se o tivesse lido.

A frase pode passar depercebido no texto mas a sua importância é enorme.
É por isto que os jornais e jornalistas são cada vez mais irrelevantes.
É nos blogs que se encontra a verdadeira informação porque não está debaixo de nenhum poder.



De José Meireles Graça a 11 de Janeiro de 2013 às 01:31
Veja lá se o Pacheco Pereira o ouve, Fado. Que ele até poderia concordar, desde que na blogosfera só houvesse o Abrupto e o Público só aparecesse nas bancas quando ele tem um daqueles artigos de página inteira.


De fado alexandrino a 11 de Janeiro de 2013 às 16:28
Obrigado.
Um blog que não permite comentários (nem moderados) não é um blog, é um exercício de narcisismo e quanto ao Público, coitadinho, as tiragens mostram o que vale actualmente.
PP é um valioso intelectual rassabiado e até um bocadinho rancoroso.
Perigoso como amigo.
O seu colega de blog Diogo Agostinho mostrou hoje o que vale a blogsfera.
Levou-me às lágrimasde rir.
Antigamente o episódio já estaria soterrado debaixo de toneladas de omissões.
Por nós, por vós e infelizmento por ele continua vivo.


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds