Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Forte Apache

O momento coiote

Luís Naves, 16.10.11

Nuno Ramos de Almeida cita aqui Slavoj Zizek, mas o filósofo estava a copiar Paul Krugman. É engraçado. O momento Wile E. Coyote do filósofo é bem diferente do original do economista, este com data de 2007.

Existe uma crise no capitalismo? Parece evidente e concordo com muito do que afirma Slavoj Zizek. Mas a crise da originalidade na filosofia neo-marxista parece ser bem séria.

De qualquer forma, Nuno Ramos de Almeida devia ponderar no fenómeno das ilusões sistemáticas.

A metáfora de Krugman dizia respeito ao problema estrutural da economia americana, tinha a ver com o excesso de endividamento da Era Bush e com a necessidade de um dia o país mais poderoso do mundo ter de enfrentar a sua cruel realidade, tal como faz o coiote dos desenhos animados, ao perceber que não há chão que o sustente e que debaixo dos pés não tem senão o vazio. O artigo de Krugman é ainda mais famoso porque antecipa a crise financeira e, num outro texto, a crise grega.

Nós, portugueses, também estamos num típico momento Wile E. Coyote, pois chega a factura pesada das fantasias que nos venderam nos últimos anos.

Deixo um Link com a intervenção de Zizek. Leiam a história que ele conta sobre o prisioneiro enviado para a Sibéria e da carta aos amigos. Havia um código para enganar a censura: escrito a azul, era tudo verdade; a vermelho, tudo mentira. Ora, a primeira carta chegou escrita a azul, falando das maravilhas na Sibéria, excelente clima, a boa comida, instalações óptimas, guardas simpáticos. Só havia um problema, era impossível comprar tinta vermelha.

Portugal viveu na mesma ilusão de que tudo estava a correr bem e ignorou os avisos das cartas com tinta vermelha, pois as pessoas só queriam ler as que vinham escritas a azul.