Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2013
por Carlos Faria

Já me habituei que existe um tratamento diferencial na cobertura jornalística nacional dos problemas insulares face aos que se passem no território do Continente, tal como já me habituei a que os problemas no estado social, quando gerido por socialistas, merecem menor atenção do que quando geridos por governos sociais-democratas.

Imagine, que nuns Açores com um Serviço Regional de Saúde, onde o Executivo socialista chuta para as empresas públicas as dívidas da sua governação para se vangloriar perante Lisboa de ter um superavit nas suas contas públicas já houve 50 cirurgias canceladas só em Ponta Delgada, nomeadamente por dificuldades orçamentais.

Este hospital cobre uma população de menos de 150 mil pessoas, transponha a relatividade do problema para a dimensão de 9,5 milhões de habitantes do Continente e veja quantos cancelamentos o Serviço Nacional de Saúde teria efetuado e a dimensão do escândalo que seria.

É assim na prática, na terra do domínio quase absoluto do PS, que está defendido o serviço público... mas o perfume inebriante da rosa cala a desgraça.

 


tiro de Carlos Faria
tiro único | comentar | gosto pois!

5 comentários:
De makarana a 30 de Janeiro de 2013 às 13:07
Não negando eu o que escreveu, a verdade é que na Madeira governa o partido do governo continental, e as coisas são muitissimo pioresd do que nos açores


De Carlos Faria a 30 de Janeiro de 2013 às 13:26
Em termos de dívida orçamental é público e não foi suavizado pelos OCS.Em termos de dívida transferida nas empresas públicas, a dos
mais

Em termos de dívida orçamental é público e não foi suavizado pelos OCS.
Em termos de dívida transferida nas empresas públicas, a dos Açores é desconhecida.
Sobre cancelamentos de cirurgias, não sei, mas o PS recusa-se a cooperar nos cortes do Estado em nome do estado social e nos Açores, vangloriam-se de superavit, já cortam nas cirurgias.
Como faria o PS nos Açores se estivéssemos oficialmente falidos como fizeram ao Continente?


De makarana a 30 de Janeiro de 2013 às 16:49
eu não disse que as coisas estavam bem nos açores caro carlos.O que eu disse foi: que o exemplo da Madeira(em que os medicamentos já não são comparticipados) deixa muitas dúvidas em como o PSD faria melhor do que o Ps faz, apenas isso.Até porque da alçada do PSD não fazem apenas parte a região autonoma mais endividada, como também alguns dos municipios mais endividados do pais,e com mais desemprego(Gaia).
Se o PS fez asneiras no ano passado ou onde governa? Sem dúvidas, carradas delas, mas o PSD também não mostra ser melhor.


De Carlos Faria a 30 de Janeiro de 2013 às 17:27
O artigo critica é a comunicação social que dá menor atenção aos problemas sociais quando os mesmos estão sob a alçada do PS.
Acusa o PS de falar tanto do estado social, SNS, mas mesmo assumindo superavit, o partido no SRS corta na saúde em coisas básicas que impedem cirurgias... imagine como seria o problema se até fosse numa região falida, imagine se a situação fosse no Continente proporcionalmente tão grave mesmo com a bancarrota em que o PS nos deixou.
Denunciar problemas numa região falida é normal, anormal é o silêncio do mesmo problema quando se diz que há superavit


De makarana a 30 de Janeiro de 2013 às 19:16
se existe superavit, não se percebe o cancelamento das cirurgias, dou lhe razão.Mas deixo-lhe um conselho: até a situação estar esclarecida(e com certeza que vai ser necessário isso) o melhor é darmos o beneficio da duvida.É necessário isso ser esclarecido.
Mas regressando uns tempos atrás, o que me lembro é do sócrates e nos blogs que lhe eram queridos a queixarem-se da imprensa em peso


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds