Sexta-feira, 3 de Maio de 2013
por Luís Naves

Sob pressão de um compromisso internacional, o Governo vai ser forçado a avançar com cortes na despesa do Estado que equivalem a 3% do PIB. O anúncio das medidas será feito hoje, mas a ex-líder do PSD, Manuela Ferreira Leite, já veio a público criticar esta política, dizendo que os cortes não terão qualquer resultado. Serão um desastre inútil, uma calamidade.

 

Compreendo que Bloco de Esquerda, PCP, até o PS, estejam contra os cortes na despesa. Já não compreendo quando a política é criticada por uma dirigente do PSD que sempre defendeu a redução do peso do Estado na economia. A isto chama-se hipocrisia.

Por inépcia, Manuela Ferreira Leite desperdiçou em 2009 uma excelente oportunidade para vencer eleições legislativas. Uma vitória do PSD, naquele momento, poderia ter evitado alguns dos erros que nos atiraram para a bancarrota.

Não cabe neste post discutir se as medidas do Governo serão adequadas. O que critico é que elas sejam arrasadas antes do respectivo anúncio. Ferreira Leite podia criticar uma medida em concreto, dizer que não funcionava, mas pronunciou-se antes de conhecer os detalhes. A antiga líder sabe que não é possível cortar na despesa do Estado sem mexer em pensões e salários. Mas critica os efeitos recessivos, sabendo ao mesmo tempo que não há margem para fazer de outra forma.

 

Cortar 4 mil milhões na despesa do Estado é uma imposição externa e Manuela Ferreira Leite sabe disso. Sem o anúncio das medidas de corte, não haverá sétima avaliação positiva e, portanto, o País estará numa catástrofe muito pior do que um corte de 3% do PIB na despesa pública.

A troika não se comove com a indignação de Ferreira Leite e é indiferente à sua inépcia. Julgo não haver um caso semelhante na Europa de um ex-líder de partido a criticar os seus sucessores quando estes estão no poder.

 

Vivemos numa época profundamente hipócrita, onde nunca há verdadeiras discussões. Quando surge uma questão que é necessário debater, logo a conversa se entrega à furiosa análise de pormenores bizantinos. Estamos rodeados por jogos de curto prazo, omissões, pontos de vista, falsos dilemas. Onde ontem havia uma convicção, agora existe apenas o vazio de uma fingida preocupação social.


tiro de Luís Naves
tiro único | comentar | gosto pois!

4 comentários:
De Tiro ao Alvo a 3 de Maio de 2013 às 14:31
Também não entendo esta posição da Ferreira Leite. Há nela qualquer coisa de esquisito, que eu não quero classificar de outra forma.


De Francisco a 3 de Maio de 2013 às 15:31
Por inépcia?????
Haverá muitos nomes para a coisa e um deles é Pedro. Exactamente! Esse mesmo, tão louvado, à época, pelos Luíses Naves desta vida


De murphy a 3 de Maio de 2013 às 17:32
Os cortes que serão anunciados nos próximos dias, são muito complicados pois não se limitam a abalar as clientelas de ps ou psd, eles ameaçam o “status quo” da capital e do regime…

http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/02/portugal-lisboa-e-o-resto-do-pais-2.html

Sendo INEVITÁVEL uma alteração do modelo económico português, o qual terá de passar, OBRIGATORIAMENTE, por uma forte aposta nos sectores mais tradicionais – nomeadamente, na Agricultura e Indústria -, até que ponto a imposição do modelo de sociedade preconizado por este grupo bem instalado em “Lesboa”, que domina a comunicação social, constitui um obstáculo ao desenvolvimento social e económico de Portugal?


De Francisco a 4 de Maio de 2013 às 23:30
Esta senhora está "cega" pelas velhas contas que tem a ajustar com Passos Coelho e a quem não perdoa as tricas da politica partidária de outrora. Pouco se lhe importa se PPC está a fazer um trabalho patriótico, muito difícil, impopular e que lhe custará, provavelmente, o seu futuro politico, mas que, sem esse trabalho, o país vai para o cano. Ela não quer saber disso. A sede do ajuste de contas é mais forte.


comentar tiro

Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds