Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Forte Apache

Redes Sociais e campanhas eleitorais

Fernando Moreira de Sá, 28.05.13

 

 

Vamos ser sinceros: não é com o Facebook que se ganham eleições. Quer seja para uma coletividade, para uma autarquia ou para a Presidência da República - escreve Hugo Melo Gomes no Jornal de Negócios (clicar para ler o artigo).


Aqui está uma frase com a qual até posso concordar, em parte. Imaginem agora a frase "ao contrário" e faço a pergunta: será que com o facebook (e outras redes sociais) se podem perder eleições? Vamos por partes.


Estou convencido (vale o que vale) de duas coisas: é fundamental marcar presença nas redes sociais e, estando, só com profissionalismo. Para já, estar nas redes sociais, como o plural da frase indica, significa "estar" no facebook, no twitter, no instagram, na blogosfera (aqui de forma indirecta), etc. Significa apostar nos conteúdos - comuns, próprios, nas fotografias, nos vídeos, no design, entre outros - e tudo integrado em rede. E perceber a linguagem própria destas "novas" ferramentas de comunicação. Obviamente, como bem refere no seu artigo Hugo Melo Gomes, tudo isto não faz ganhar eleições. Mas ajuda. Ajuda na dinâmica, na "onda", na humanização da comunicação, na partilha de informação. Estar nas redes sociais não significa deixar de estar na rua, no contacto pessoal, colocar outdoors ou não dar entrevistas, não falar com a imprensa. O projecto pode ser excelente, o candidato pode ser fantástico. Porém, se eu não tiver acesso à informação, de nada vale. Ora, as redes sociais são importantes para dar a conhecer o projecto, para "vender" o candidato (entre aspas!) e para criar uma dinâmica de pertença. Claro que não chega.


Coisa diferente é saber se uma péssima presença (ou presença nenhuma) ou um tiro mal dado nas redes sociais pode destruir uma campanha. Sem ter certezas (vou aguardar por outubro para as ter) penso que sim. Basta pensar nalguns números: os quase 5 milhões de portugueses com internet e, destes, os mais de 70% que usam as redes diariamente, com espeial relevância o facebook. E ver como os leitores dos principais jornais fogem dos artigos de opinião, das páginas de política ou, nas televisões, as audiências dos canais de notícias da cabo. Tudo isto, por junto, pode significar alguma coisa. A ver vamos.


Contudo, nunca esquecer: mal ou bem, a meu ver mal, existem duas realidades distintas no nosso país, o país dos grandes aglomerados populacionais e o resto. Logicamente, a influência das redes sociais é diferente.

Pormenores

Alexandre Poço, 15.05.13

Passos em económica e Sócrates em executiva

 

"Tão perto e tão longe, o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho viajou em classe económica, obrigado pela regra que impôs a todo o governo no início do mandato. Livre de tais constrangimentos, o ex-primeiro-ministro e comentador dominical da RTP, José Sócrates, viajou em executiva. Onde, aliás, era o único passageiro."

Viva os políticos profissionais!

Alexandre Poço, 26.04.13

Há anos que ouvimos a ladainha que nos diz que é preciso trazer "nova gente" para a política. Gente que faça a "renovação" do desgraçado e pútrido sistema político, maioritariamente constituído por políticos profissionais. Diz-nos o senso comum que devemos sentir repulsa pelo carreirismo partidário que se inicia nas inefáveis jotas e tem continuidade no parlamento, nas autarquias ou no governo. Um movimento novo, qual agrupamento de D. Sebastiões independentes, é urgente para a restauração do regime. Esse movimento novo tem de nascer para lá dos partidos, como que por geração espontânea, e o ódio ao partidarismo e ao caciquismo deverá ser o cimento cola. A política feita por políticos profissionais é um nojo. Os partidos têm de trazer pessoas de outras áreas.

 

Ora, é engraçado ver a reacção dos que passam a vida a apontar os defeitos dos políticos quando os partidos vão buscar pessoas fora da esfera política para desempenharem cargos ou para se candidatarem a algum lugar. Se é alguém da academia ou da ciência, essa pessoa não conhece a realidade e não será um homem de acção, pois falta-lhe senso político (o mesmo que é simultaneamente odiado). É ver a forma como o Ministro Álvaro é tratado desde que tomou posse. Neste artigo no Blasfémias, o João Miranda já abordou o assunto de forma muito feliz. Nos últimos dias, as novidades do PS Oeiras e do PSD Porto para as respectivas candidaturas autárquicas deram-nos mais dois exemplos desta cultura que odeia políticos profissionais e que pede "renovação" mas que quando confrontada com as personalidades vindas de fora do meio político reage lembrando o populismo das escolhas, a decadência partidária e a falta de perfil para desempenhar cargos políticos. Como alguém disse no Twitter sobre estas escolhas: "Acenam com cromos para ganhar votos".


Ficamos então a saber que um professor universitário, um apresentador de televisão, um ex-futebolista ou um antigo árbitro não servem para a dita renovação, sendo que no caso dos últimos três isto é claramente uma manobra para ganhar votos devido à visibilidade mediática alcançada nas anteriores profissões. Esta gente na política é que não. A política tem de ser tratada de outra forma. São uma vergonha estes movimentos e estas candidaturas. Viva os políticos profissionais!

Dois deputados que deixaram saudades

Pedro Correia, 25.04.13

                            

 

É curioso: o 25 de Abril fez-se para fundar uma democracia representativa em Portugal, sufragada pelo voto universal e livre dos cidadãos. Mas raras vezes, ano após ano, vejo homenagear esse órgão concreto da democracia - com o qual tantos sonharam durante gerações - que é a Assembleia da República, símbolo supremo do nosso regime constitucional.

Espero que este lapso seja corrigido e que em 25 de Abril de 2014, quando a Revolução dos Cravos comemorar quatro décadas, possam ser homenageados 40 deputados, de diferentes partidos. Deputados que nunca foram ministros nem secretários de Estado nem presidentes de câmara nem presidentes de governos regionais: apenas deputados. Seria uma excelente forma de assinalar a instituição máxima da democracia portuguesa.

Fui repórter parlamentar do Diário de Notícias durante cinco anos e, nessa qualidade, tive o privilégio de conhecer competentíssimos deputados em todas as bancadas. E hoje, a pretexto do 25 de Abril, quero distinguir dois desses parlamentares que conheci pessoalmente: Maria José Nogueira Pinto e João Amaral. Ela claramente de direita, ele inequivocamente de esquerda.

Em legislaturas marcadas por fortes combates políticos, nenhum dos dois alguma vez cessou de tomar partido, envolvendo-se convictamente no confronto de ideias que é função cimeira do órgão parlamentar: sabia-se ao que vinham, por que vinham, que causas subscreviam e que bandeiras ideológicas sustentavam. Mas também sempre vi neles capacidade para analisar os argumentos contrários, com elegância e lealdade institucional, sem nunca deixarem as clivagens partidárias contaminarem as saudáveis relações de amizade que souberam travar com adversários políticos.

Porque a democracia também é isto: saber escutar os outros, saber conviver com quem não pensa como nós.

Lembro-me deles com frequência. Lembrei-me hoje deles também a propósito das sábias palavras que Giorgio Napolitano proferiu segunda-feira passada, em Roma, ao tomar posse no segundo mandato como Presidente italiano. "O facto de se estar a difundir uma espécie de horror a todas as hipóteses de compromisso, aliança, mediações e convergência de forças políticas é um sinal de regressão", declarou neste notável discurso Napolitano, de longe o político mais respeitado da turbulenta e caótica Itália, que festeja a 25 de Abril o seu dia nacional.

Palavras que certamente encontram eco entre os italianos.

Palavras que também deviam suscitar meditação entre nós. Palavras que a conservadora Maria José Nogueira Pinto e o comunista João Amaral seguramente entenderiam - desde logo porque sempre souberam pôr os interesses do País acima de tacticismos políticos.

Quis o destino, tantas vezes cruel, que já não se encontrem fisicamente entre nós. Mas o exemplo de ambos perdura, como símbolo de convicções fortes que - precisamente por isso - são capazes de servir de cimento para edificar pontes. E talvez nunca tenhamos precisado tanto dessas pontes como agora.

 

Publicado também aqui

Parece que estão na bancada errada

Pedro Correia, 13.04.13

Dois pesos, duas medidas. A 8 de Março, por unanimidade, a Assembleia da República aprovou quatro - repito: quatro - votos de pesar pela morte de Hugo Chávez. Unanimidade que não se repetiu, longe disso, na sessão parlamentar de ontem, ao ser aprovado um voto de pesar pelo falecimento de Margaret Thatcher: os comunistas votaram contra, o PEV naturalmente também, o Bloco de Esquerda idem aspas. O sectarismo destes partidos em relação a quem não professa a mesma cor política não ocorre só em vida: evidencia-se também na fase post mortem.

Mas o mais espantoso, na votação de ontem, foi verificar que 13 deputados socialistas, depois de terem lamentado a morte de Chávez, não foram capazes de fazer o mesmo por Thatcher, abstendo-se na votação. Tratando-se da primeira mulher que ascendeu à chefia de um Governo ocidental, tratando-se de uma líder política que foi sufragada pelos eleitores britânicos em três eleições sucessivas, tratando-se de uma figura com inegável relevância histórica, nem assim mereceu um gesto de cortesia parlamentar destes socialistas, quase equiparados em sectarismo a comunistas, verdes e bloquistas.

Como se estivessem sentados na bancada errada.

Em busca do Monti tuga...

Diogo Agostinho, 07.04.13

É fantástico assistir à preparação dos planos de uma brigada do reumático que por aí pulula por nobres instituições do nosso mais nobre país.

Nos corredores, entre reuniões e bocas, as soluções milagrosas dos Penedas e Vilares desta vida são há muito faladas.

Gente de bem, com visão, com capacidade de pegar neste País. Gente que não se revê nos actuais dirigentes partidários. Gente que vive encostada a nomes e imagens de rigor e eficácia.

Tenho uma confissão a fazer: estes tipos são zero! Zero de ideias, zero de capacidade de decisão, zero de capacidade de trabalho, vivem entre almoços e inaugurações de bicos de pé, entre convites respeitosos por um Mário Crespo ou um tempo de antena de um qualquer canal, com os seus méritos de serem ex qualquer coisa, são hoje armados em grandes gestores que juntam cargos e cargos em conselhos de administração ou consultores divinos. Quais senhas de presença, trabalhar é para o povo e para quem recebe salário mínimo, eles são de outra casta. São predestinados. São o melhor que este país produziu.

É esta brigada do reumático que sonha com um governo à medida. Eleições? Partidos? Isso é para a plebe. Eles estão acima. Sempre foram a voz da razão. Foi como divinos conselheiros de Sampaio, é agora com o chapéu de guarda moral para os destinos de um povo perdido.

Monti correu mal? Isso foi por culpa de Berlusconi, cá no burgo não há nenhum qualquer populista que os possa atrapalhar na missão tão nobre para que se preparam.

E é uma missão. Não duvidem. Eles estão aí prontos para o sacrificio. E o povo sereno pode agradecer aos ceús por contar com tão nobre armada para o futuro risonho da nossa nação.

A judicialização da política

Pedro Correia, 21.03.13

O nome é péssimo: Movimento Revolução Branca. E o desígnio é tão infeliz quanto o nome: restringir direitos políticos de cidadãos portugueses, indo além da letra da lei. Uma espécie de racismo contra titulares de cargos políticos sufragados pelos cidadãos, utilizando o poder judicial para tentar condicionar candidaturas partidárias em locais tão diversos como Lisboa, Porto, Loures, Tavira, Estremoz, Castro Marim, Beja, Évora e Alcácer do Sal.

Parte-se do princípio que um autarca, após ter cumprido três mandatos consecutivos num determinado município ou junta de freguesia, não poderá cumprir um primeiro mandato noutro município ou noutra junta de freguesia - algo que não é vedado pela lei, nem poderia ser. Porque a presidência da Junta de Freguesia de Marvila, em Lisboa, nada tem a ver com a presidência da Junta de Freguesia de Nevogilde, no Porto. Ou a presidência da Câmara Municipal de Ponta Delgada nada tem a ver com a presidência da Câmara Municipal de Freixo de Espada à Cinta.

A ideia é combater os políticos, presumindo que assim se "limpa" a política. Como se o discurso antipolíticos, eivado de populismo, não fosse sempre o primeiro passo para uma democracia condicionada.

 

O que pretende afinal esta "Revolução Branca"? Ganhar antecipadamente na secretaria aquilo que se receia perder no terreno eleitoral, através do voto livremente expresso pelos cidadãos. Invertendo, com o recurso a providências cautelares, um princípio básico do direito em qualquer país onde vigora uma democracia de matriz liberal: "Tudo quanto não é proibido, é permitido."

Os "brancos", de uma alvura imaculada, preferem inverter o axioma: para eles, tudo quanto não é expressamente autorizado, merece ser proibido. Esquecem que, em matéria de direitos, liberdades e garantias, a doutrina jurisprudencial portuguesa recomenda precisamente o contrário.

"As leis restritivas de direitos fundamentais, como é o caso, devem ser interpretadas restritivamente e não podem ter uma interpretação extensiva. Não somos nós que o dizemos. É a Constituição que o determina no artigo 18.º, quando confere força jurídica aos direitos, liberdades e garantias, e é a jurisprudência constitucional que reiteradamente o afirma."São palavras do deputado comunista António Filipe, proferidas a 14 de Fevereiro na Assembleia da República. Palavras lapidares, que de algum modo antecipam o que sucederá quando assentar a poeira deste folclore juridico-mediático que pretende transformar as providências cautelares em armas de arremesso eleitoral, judicializando a política.

O resultado provisório é este: o tribunal cível de Lisboa declara improcedente a candidatura autárquica de Fernando Seara, que nem sequer está formalizada, expropriando-o de um direito político essencial, enquanto o de Loures - analisando exactamente a mesma matéria de direito - nada obsta à candidatura de Fernando Costa, recusando até apreciar a queixa contra este autarca.

 

A democracia só tem a perder com esta judicialização da política, que coloca os tribunais em sintonia com uns partidos enquanto desfavorecem outros. O Presidente da República e a presidente da Assembleia da República, que gostam de se debruçar sobre tão magnas questões, aqui têm abundante matéria de reflexão: concordarão ambos com esta tentativa de restringir em absoluto a limitação de mandatos?

A última palavra cabe ao Tribunal Constitucional - e não tenho a menor dúvida que os juízes do Palácio Ratton desautorizarão todas as restrições de direitos que os tribunais comuns possam pretender impor, à margem da letra e do espírito da nossa lei fundamental. Resta saber se tudo se processará em tempo útil e quem beneficiará com esta tentativa de transformar magistrados em protagonistas políticos como se a separação de poderes não fosse uma conquista civilizacional.

 

Também aqui

Longa vida ao "Excel"

Alexandre Poço, 08.03.13

Diz-se por aí que precisamos do "regresso da política" para substituir a odiosa "folha do Excel". Empurrar para a frente com a barriga os problemas é um hábito bem nosso. Sei bem o que é que significa esse regresso, por isso perdoem-me o antipatriotismo, mas prefiro o "Excel". 

A "imprevisibilidade" como factor inerente à arte de governar

Alexandre Guerra, 17.02.13

Talvez por ser uma pessoa minimamente exigente com aquilo que lê e ouve, o autor destas linhas conta pelos dedos de uma mão aqueles que, entre os que ocupam o espaço mediático em Portugal, têm um pensamento verdadeiramente consistente e sofisticado. Ou seja, homens que “pensam bem” e que, sempre que escrevem ou falam, merecem a atenção redobrada deste vosso escriba.

Adriano Moreira é uma dessas pessoas. Aos 90 anos é um dos poucos pensadores dignos desse nome em Portugal e, sem qualquer dúvida, uma das mentes mais esclarecidas entre todos aqueles que, por esse mundo fora da "intelligentsia", vão debitando as suas opiniões sobre o modelo de governança das sociedades actuais.

Nos últimos anos, Adriano Moreira tem abordado vários assuntos sobre os quais tem problematizado, nomeadamente, as funções do Estado e a responsabilidade dos governos.

E a este propósito, ainda há uns tempos, o mesmo Adriano Moreira desconstruía de forma magistral o argumento da “incerteza” provocada pela conjuntura internacional que o Governo português (e outros) recorrentemente utiliza para justificar eventuais desvios de previsões ou falhanço de políticas.

Ora, para Adriano Moreira, a capacidade de lidar com a “imprevisibilidade” é precisamente um dos requisitos da função de um Governo, seja em que país for. A Política assume a “imprevisibilidade” e a “incerteza” como factores naturais inerentes à arte de governar e não como “desculpas” ou “refúgios” de previsões erradas ou más políticas levadas a cabo por um Governo.

Em política não há coincidências

Pedro Correia, 23.01.13

Os primeiros sinais positivos das finanças portuguesas desde o pedido de intervenção externa (regresso aos mercados após 30 meses, com juros abaixo dos 5%, garantindo as necessidades de financiamento de Portugal para este ano; execução orçamental abaixo do limite do défice para 2012 previsto no memorando de entendimento; seis avaliações positivas ao cumprimento das metas de consolidação orçamental impostas pelos nossos credores do FMI, do BCE e da Comissão Europeia; primeira balança comercial positiva desde 1943) estão a acelerar algumas pulsações nas fileiras do Partido Socialista. A economia é o melhor barómetro para entendermos certas movimentações políticas.

António José Seguro bem tentou reclamar para si os louros da dilatação dos prazos previstos para o pagamento da nossa dívida, mas não consegue convencer ilustres socialistas, que lhe vão apertando o cerco, conscientes que a recuperação da economia portuguesa daqui a um ano já será realidade, de acordo com as previsões do Banco de Portugal: aguardar pacientemente um longo processo de desgaste dos rivais internos deixou de ser a palavra de ordem.

Os sinais são evidentes. Pedro Silva Pereira, ex-ministro da Presidência, afirma em entrevista à Rádio Renascença que a principal força política da oposição ainda não se apresenta como uma "alternativa credível" ao Governo PSD-CDS, enquanto reclama a antecipação do congresso do partido - cenário já rejeitado pelo dirigente socialista José Junqueiro. Outro deputado do PS, José Lello, defende também um congresso "o mais breve possível", pressionando Seguro. O ex-ministro da Defesa e dos Assuntos Parlamentares, Augusto Santos Silva, no seu habitual espaço de comentário na TVI 24, diz sem papas na língua que a recente trapalhada no PS em torno da ADSE resultou de "um erro de liderança".

E - superando em acutilância os seus camaradas de partido - António Costa aproveitou também a sua tribuna de comentário televisivo semanal, na SIC Notícias, para acusar Seguro de partir para as próximas batalhas políticas "diminuído, sem autenticidade, sem convicção, sem capacidade de confrontação, sem capacidade de formulação de uma alternativa sustentada". Isto enquanto tarda em confirmar a sua recandidatura à Presidência da Câmara Municipal de Lisboa.

Terminou o tempo de esperar para ver: estas vozes não se levantam agora por acaso. Em política, nunca há coincidências.

Também aqui