Sábado, 11 de Agosto de 2012
por José Meireles Graça

Quando era miúdo, tropeçou numa figueira, bateu com o joelho num tanque e caiu-lhe um dióspiro na cabeça. O dióspiro ficou até hoje a sua fonte de inspiração. E foi ela, a inspiração, mais o convite da Direcção da Capital Europeia da Cultura, que o levou a conceber esta instalação, na qual uma sardinha que caiu de uma varanda e, escorregando num guardanapo que estava a secar, aterrou num balde de lampreias, também desempenhou um relevante papel.

 

O autor diz ser "casado com o som e contra o divórcio sonoro", e que "os contentores do lixo são as minhas bibliotecas e as minhas enciclopédias". E a sua criatividade é esfusiante: prepara para o corrente mês a "Quinta Sound", que inclui um "Concerto para Galinha e Pato".

 

As extensas declarações do artista, para as quais remete o link acima, merecem a visita, ao menos para quem não seja indiferente à "sensibilização e sentido crítico e da mudança de atitudes e valores". Porém, quem for insensível, não tiver razões para mudar de atitudes, e estiver satisfeito com os seus valores, pode também ouvir as declarações, que não dará o seu tempo (e dinheiro - estas coisas saem caro) por perdido: não me recordo de nenhum monólogo tão cómico em todo o cinema português.

 

P.S.: Embora se passe na minha cidade, acedi a esta história por este post (vergonha minha - um lisboeta mais atento do que eu).


tiro de José Meireles Graça
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!

Terça-feira, 31 de Julho de 2012
por Diogo Agostinho

Aqui este jovem, que vos escreve hoje, nasceu na região que é agora invadida pelos portugueses que chamam o Algarve de Marrocos. Poderia dizer: gostam pouco, não é? Eu sei que gostam.

 

De 300 mil habitantes ano, o Algarve nesta altura passa para o milhão e meio, dois milhões. É, de facto, uma região única. As condições, o sol, a praia, a temperatura da água (mas que raio de temperatura de água é essa da Costa?). Todo o encanto que o Algarve tem. Ora, vem isto a propósito de terem saído os números dos gastos dos turistas estrangeiros em Portugal. O número é entusiasmante: quase 500 milhões de euros.

 

Nesta fase que o País atravessa, o turismo é crucial para o nosso futuro. Bem sei das reclamações que muitos portugueses fazem do serviço no Algarve. Por isso lanço o apelo a quem está no sector, quer seja restaurante, hotel, loja, aluguer de toldo, aluguer de gaivota, que seja simpático quer com o camone, quer com o tuga. É que dinheiro não tem cor. E simpatia conquista. É o flanco a corrigir na minha região.

 

O turismo é fulcral para o Algarve.

 

Estive também este fim-de-semana por lá e felizmente a campanha nojenta de Guimarães, capital da cultura, não vingou! Eu não me esqueço do cartaz que fizeram:

 

 

 

Para se promoverem, não precisam de mandar abaixo! Toma lá morangos!


tiro de Diogo Agostinho
tiro único | comentar | ver comentários (5) | gosto pois!

Quarta-feira, 4 de Abril de 2012
por José Meireles Graça

"O Toural já foi campo aberto, já foi jardim fechado com um lago e um coreto, já foi jardim aberto, tempos houve em que não teve árvores, noutros tempos as teve, já teve no centro o monumento a Afonso Henriques, depois substituída pela fonte monumental. E, muito antes e por muito mais tempo (300 anos), teve uma notável fonte-chafariz, actualmente implantada no Jardim do Carmo."


 

Os meus conterrâneos andam indignados com esta grade dourada, de 60 metros de comprimento, colocada no Toural, centro da cidade. Está em processo de assinatura pelos Vimaranenses uma exposição, dirigida à Câmara, a protestar.

Não vejo qualquer utilidade no arrebique gratuito e vejo-lhe inconvenientes - é um obstáculo desnecessário, separando nada de coisa nenhuma.

Porém, este é um retoque final numa praça que foi remodelada de alto a baixo, à boleia da cornucópia dos milhões da Capital Europeia da Cultura, e em obediência a um projecto aprovado pelas autoridades competentes.

A evidente munificência do novo arranjo implicou a substituição do piso da placa central da praça, agora com uns traços enigmáticos que, no conjunto, explicaram-me, representam a planta do Centro Histórico (coisa da maior utilidade, suponho, para um turista que visite a cidade de helicóptero), além da remoção da fonte monumental por troca com a fonte-chafariz, das quais se fala em epígrafe.

Não vou assinar a petição, é inútil - a grade, de toda a maneira, pode bem ser que desapareça levada por ladrões (que, se não fosse politicamente incorrecto e xenófobo, diria que serão provavelmente Romenos). E, se não for roubada por causa do policiamento para o impedir, é apenas uma questão de tempo até que uma nova Câmara, com um novo pretexto, e com novos arquitectos e artistas, troque a mobília urbana toda, porque sim.

Assinaria com gosto uma petição para se deixar em paz o que está, guardando o investimento para restauro, conservação e obras utilitárias, ainda que pouco visíveis, se tiver que ser; e reservar a criatividade, a inovação e a modernidade para o espaço novo, o degradado quando não mereça restauro, e ainda o velho, se lhe acrescentar adequação ao uso.

Mas esta petição, receio, não teria muitos subscritores. E assim será sempre, enquanto o cidadão julgar que são os outros a pagar.


tiro de José Meireles Graça
tiro único | comentar | ver comentários (5) | gosto pois!

Domingo, 15 de Janeiro de 2012
por Fernando Moreira de Sá

 

Ontem, pouco passava das oito da manhã e estava nas instalações da RTP Porto à conversa com o Presidente de Braga 2012 e um colaborador da RTP a discutir a velha questão do Norte e os media nacionais. Obviamente, a questão da privatização da RTP e, sobretudo, o futuro da RTP Porto eram tema de acalorado debate matinal entre cigarros consumidos no exterior do edifício.

 

Hoje, numa das páginas de facebook mais seguidas e activas do Norte (ESTA) um seguidor da mesma escreveu: O Jornal de Notícias foi o único jornal de expressão nacional a levar para a sua capa a abertura da Capital Europeia da Juventude em Braga. Os outros jornais optaram pelas habituais notícias de desgraça, intriga e futebol nas suas já tradicionais capas. Será que um evento que pretende ser um dinamizador de economia local, regional e até nacional não merece maior valorização, apoio e mediatismo por parte de quem pode e deve fazê-lo? (Miguel Oliveira).

 

Em 2012, Braga é Capital Europeia da Juventude e Guimarães Capital Europeia da Cultura. Dois grandes momentos, ambos no Minho e Norte de Portugal. No primeiro caso, é a primeira vez que uma cidade portuguesa é escolhida. No segundo caso, é a terceira vez. No primeiro caso, Braga é única Capital Europeia da Juventude em 2012 e Guimarães divide com Maribor. O que interessa saber, ao contrário do justo desabafo do Miguel Oliveira, é se o Norte e o Minho aproveitam os respectivos eventos para perceber a importância de uma comunicação regional forte. Não é por acaso que o JN deu o devido e merecido destaque de capa ao evento. Não é por acaso que o Porto Canal deu o devido destaque e hoje, pelas 19h, repete a transmissão do espectáculo da cerimónia de abertura. Não é por acaso que o JN reforçou a sua equipa no Minho. E não é por acaso que o Porto Canal fez o mesmo, abrindo uma delegação em Braga em 2012. Como não é por acaso que em Braga existem dois jornais diários muito fortes, o Correio do Minho e o Diário do Minho, assim como rádios locais igualmente fortes (RUM e Antena Minho).

 

O caminho é esse. Como para os canais ditos nacionais, Vila Franca de Xira já é Norte longínquo e só serve para pequenos apontamentos estilo "favor que se faz aos provincianos" e se se olhar, por exemplo, para o Expresso tal realidade se torne ainda mais nítida, o caminho é fazermos nós pela vida. Não quero ser injusto: a TVI esteve ontem em Braga (uma excelente reportagem), a SIC também e fez uma bela reportagem e a RTP até transmitiu um dos seus programas da tarde em directo de Braga (e todas estiveram na cerimónia de abertura). Assim como as principais rádios e jornais nacionais. Eu sei, se sei, que estiveram. Eu sei o esforço que os seus jornalistas do Norte fazem, todos os dias, lutando para conseguirem meter as suas peças e sei, ui se sei, o que lhes acontece, as injustiças profissionais de que são alvo, o desinvestimento que diariamente sentem na pele por parte das suas chefias sentadas nas poltronas em plena capital do império. Em Guimarães também vão estar, até para não parecer mal e, quem sabe, fruto desta prosa, até o vão fazer com mais cuidado. Eu sei. Por o saber muito bem, continuo a lutar para que as gentes do Norte também saibam e possam, de uma vez por todas, abrir os olhos.

 

E abrir os olhos é apostarem nos seus órgãos de comunicação social, no seu Porto Canal, na sua RTP Porto, no seu JN, no seu Correio e Diário do Minho, no seu Grupo Santiago, no seu Notícias de Vila Real, Diário de Aveiro, Diário de Viseu e assim sucessivamente. Só quando o fizerem, só quando neles investirem, serão respeitados pelos outros. É uma forma de criar riqueza, de ter verdadeiro acesso à informação. Reparem, a culpa não é de Lisboa. A Capital faz o seu trabalho. Nós não. Quando temos um diário, como o Público, criado por um grupo empresarial do Norte, que vende mais em Lisboa que no Norte todo, estamos à espera de quê? A culpa é de Lisboa? Não, é nossa - mesmo que o Público se coloque a jeito e sempre tenha menosprezado a sua região.

 

Quando vejo e sinto na pele a dificuldade do Porto Canal em obter apoios, quando no Norte me dizem, "é um canal do Porto", em vez de perceberem que é um canal do Norte que começou, naturalmente, no Porto (como o JN começou no Porto e depois alargou a toda a região) e que se está a expandir por toda a região e é o único, repito, único espaço diário de informação do que se passa em Chaves, em Viana do Castelo, em Braga, em Guimarães, em Bragança, em Vila Real ou, resumindo, no Douro/Trás-os-Montes/Minho/Douro Litoral e no eixo Aveiro-Coimbra-Viseu, ter o nome "Porto" é apenas e tão só o do local onde nasceu e não daquele onde vive. Hoje, o Porto Canal, tal como o JN, já ultrapassou as fronteiras da Circunvalação e nós, homens e mulheres do Norte, se queremos ter acesso à informação do que se passa na nossa terra, temos de apoiar estes OCS que são nossos em vez de andar sempre a lamentar que a RTP/SIC/TVI/Expresso/CM/Público não nos ligam nenhuma e depois, ver o Correio da Manhã disponível de borla nos cafés de partes significativas do Norte ou ver nos mesmos cafés e restaurantes as televisões sintonizadas nesses mesmos meios de comunicação que tanto gostamos de criticar por não nos ligarem nenhum. Olhem para os nossos vizinhos galegos, que são menos que nós em quantidade mas alimentam a sua TVG, as suas rádios e os seus diários como A Voz da Galiza ou o Faro de Vigo. É esse o exemplo a seguir. A lamúria não nos leva a lado nenhum.

 

Por exemplo, a nossa batalha no que toca à RTP Porto não passa pela sua manutenção como pública ou pela sua privatização. Não. O caminho é outro. É conseguir que os seus profissionais, os seus meios técnicos, as suas instalações, que também são nossas, fiquem connosco e ao serviço da nossa região. Se no público ou no privado? Tanto se me dá. Olhem, por mim, o Porto Canal e a FCP Media podiam candidatar-se a ficar com a RTP Porto. A solo ou em parceria com o Estado? Repito, tanto se me dá. Assim como não percebo o porquê de o Estado não permitir que o Porto Canal esteja na TDT.

 

Por isso, caro Miguel Oliveira, o importante não é os outros ignorarem. O importante é nós não ignorarmos os nossos, é sublinhar que o JN fez o seu trabalho e por isso merece o nosso apoio. É apostarmos no que é nosso em vez de nos andarmos a "picar" porque o nosso canal se chama Porto e não Braga ou Vila Real. O Porto é e será sempre o coração da região mas nunca deverá ser a sua "capital". Nenhum coração sobrevive sozinho, precisa do cérebro, dos pulmões e de todos os restantes órgãos que fazem este corpo, a nossa Região Norte. Nenhuma Região, nestes tempos, sobrevive sem uma comunicação social regional forte (olhem para a vizinha Espanha e para a sua comunicação regional) e esta só será forte se nós a fizermos forte, apoiando-a, investindo nela, gerando massa crítica para a alimentar. 

 

É isso que Braga está a fazer e é por isso que se está a tornar um exemplo a seguir em toda a região. É a verdadeira alma da Pronúncia do Norte que não é contra ninguém mas, isso sim, a favor de algo muito simples: o que é nosso.



tiro de Fernando Moreira de Sá
tiro único | comentar | ver comentários (5) | gosto pois!


Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds