Segunda-feira, 1 de Julho de 2013
por Carlos Faria

Nada tenho contra OCS cuja linha editorial seja ideologicamente assumida, desde que não alterem números e factos reais para deturpar a verdade, é uma forma de transparência maior que títulos tendenciosos de alguns meios de comunicação ditos de referência e cujos seus jornalistas se apresentam como isentos.

Já sei que o tratamento de dados estatíticos pode ser tendencioso, mas sobrepôr aos dados oficiais de uma entidade supranacional, não dependente do governo e sem cariz ideológico, as previsões dos jornalistas ou as respetivas perspetivas como aconteceu hoje no Expresso não é um bom exemplo de ética jornalística.

 

Eis um bom exemplo de como um jornal faz um título com isenção relativo aos os mesmos dados, como veem não é difícil perceber a diferença.


tiro de Carlos Faria
tiro único | comentar | gosto pois!

Quinta-feira, 18 de Abril de 2013
por Carlos Faria

Embora no mundo da televisão as receitas de hoje possam não ter o mesmo efeito amanhã, a verdade é que depois do estrondoso pico do número de telespetadores da primeira entrevista de Sócrates, os programas seguintes têm vindo paulatinamente a ter audiências modestas e, pior ainda, em decréscimo.

A verdade é que no regresso televisivo de Sócrates este, mais do que ódios ou admiração, despertava a curiosidade de se saber se era capaz de vestir o papel de comentador e despir o de ex-primeiro ministro derrotado no parlamento e no voto popular. Não foi capaz e serviu-se do espaço pago pelos meus impostos e destinado a serviço público para se vingar dos seus opositores e não fazer nenhum mea culpa dos seus maiores erros que levaram Portugal à bancarrota. Limitou-se a assumir a falha de pormenor de ter tentado governar em minoria, talvez a única coisa que as suas vítimas (todos nós) aceitávamos como uma atitude compreensível.

Hoje, à exceção dos sempre fieis da RTP, dos seus fã e de outros comentadores que veem todos os comentários políticos para preparar os seus, praticamente ninguém vê ou fala sobre o que ele disse e a sua mensagem quase só é replicada nos blogues que sempre foram incondicionais seus apoiantes e nunca aceitaram a derrota democraticamente sofrida em 2011.

Esta situação também mostra que mesmo com, justificado ou injustificado, descontentamento das políticas do atual governo, o Povo não voltou a acreditar naquele embuste, não se revê naquela via, nem considera o seu autor um salvador, o que seguramente deve deixar um travo amargo a quem desejava um regresso de tal modelo de governar Portugal... afinal o Povo talvez tenha aprendido com os erros de Sócrates, ele é que não.

tags: ,

tiro de Carlos Faria
tiro único | comentar | gosto pois!


Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds