Sexta-feira, 2 de Novembro de 2012
por José Meireles Graça

Tenho alguns amigos que revejo em casamentos, ou funerais, ou baptizados, e que estão mortos há muito - mas não estão ao corrente do facto.

 

Esta condição de fantasmas revela-se pelo estranho comportamento de contarem incansavelmente uns aos outros, e a mim, as mesmas histórias passadas há mais de quarenta anos e que todos sabemos de cor. Era num tempo em que eles tinham a importância que perderam, as esperanças que o futuro desmentiu e o estado de permanente exaltação que acompanha os anos verdes.

 

Casaram, tiveram filhos, separaram-se ou não, tiveram o seu quinhão de alegrias e tristezas - mais destas -, o mundo que conheceram já não existe, mas é ainda à luz do que então eram que veem o presente, que por contraste lhes parece infalivelmente uma coisa bem cinzenta e desprezível.

 

É da ordem natural das coisas - alguns de nós perderam a capacidade de entender o mundo que nos rodeia e o passar do tempo reforçou a saudade mas não a lucidez, que aliás nunca abundou.

 

E mesmo que na estultícia da análise, às vezes, nem tudo seja para deitar fora, sempre a condição de mortos-vivos é o que lhes explica o discurso. 


tiro de José Meireles Graça
tiro único | comentar | gosto pois!


Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds