Sexta-feira, 19 de Julho de 2013
por jfd

Algo tem de ser gabado na politica Portuguesa. A persistência e obtusidade do PCP. Há partidos assim.

 

 

 

ps - Verdes? quem?


tiro de jfd
tiro único | comentar | gosto pois!

Quarta-feira, 17 de Julho de 2013
por Pedro Correia

 

Em dia de moção de censura ao Governo apresentada pelo grupo parlamentar dos "verdes", vale a pena registar o que dois destacados socialistas dizem sobre este partido, que nunca foi a votos autonomamente e se limita a replicar as posições do Partido Comunista no plenário da Assembleia da República e nos órgãos de informação.

Sérgio Sousa Pinto e Augusto Santos Silva falam sem rodeios - e fazem muito bem. Nunca como hoje se sentiu tanta necessidade de posições claras na política portuguesa. Por isso destaco estas opiniões, que expressam exactamente o que penso sobre a mesma matéria.

 

Sérgio Sousa Pinto (RTP i, 16 de Julho, 21.20): «O Partido Ecologista Os Verdes - ou seja, o PCP, pois o PEV é uma farsa, não existe - apresentou uma moção de censura ao Governo. É mais uma deslealdade. Se o PEV não existe, o PCP, em rigor, pôde apresentar duas moções de censura nesta sessão legislativa: apresentou uma em seu nome e agora instruiu os seus satélites 'verdes' para apresentarem outra moção de censura. E porque é que o faz? É contra o Governo? Claro que não: é contra o PS! O PCP grita muito contra a direita mas reserva sempre os ferros contra o PS. O verdadeiro adversário estratégico do PCP sempre foi o PS. (...) Objectivamente, o PCP é um aliado do Governo. Porque esta moção de censura é um enorme serviço prestado ao Governo. Porque dispensa o PSD e o CDS de apresentarem uma moção de confiança, afrontando o Presidente da República, porque o PCP teve a delicadeza de apresentar uma moção de censura que a direita vai derrotar e esmagar no Parlamento. Isto também é um recado que o Parlamento dá a Belém.»

 

Augusto Santos Silva (TVI 24, 16 de Julho, 22.50): «A moção de censura é apresentada agora pelos 'Verdes' - que são barriga de aluguer, como todos sabemos - para embaraçar o PS. O único sentido político [desta moção] não é perturbar os partidos do Governo, mas embaraçar o PS. Se o PS votasse contra a moção, seria acusado de ser muleta da direita; se votar a favor, como vai fazer, será acusado de ter dupla personalidade. (...) Na minha opinião, o Partido Ecologista Os Verdes é uma fraude política. É um partido que nunca foi a votos, que não tem identidade própria e cuja existência se destina a aumentar os tempos de intervenção e os mecanismos institucionais de intervenção no Parlamento ao dispor do Partido Comunista Português. O PS poderia ter em relação a qualquer iniciativa dos 'Verdes' esta linha de conduta: iniciativa política que venha de vocês não nos merece nenhuma credibilidade.»

 

Leitura complementar: O partido que nunca existiu; O PCP coligado consigo próprio.


tiro de Pedro Correia
tiro único | comentar | ver comentários (2) | gosto pois!

Sexta-feira, 12 de Julho de 2013
por José Meireles Graça

Gosto de Heloísa Apolónia por causa do que diz, que é uma espécie de cantochão tranquilizador porque familiar e previsível. Excepto quando discursa, por o dizer vários decibéis acima do tolerável.

 

Pois Heloísa vai censurar o Governo, os colegas da bancada comunista vão secundá-la e a boa gente do BE também. Se ela tiver cuidado com a censura, o PS acompanha, se não abstém-se - na realidade nem interessa. Incidentalmente, a censura dá jeito à maioria - serve para mostrar que existe, coisa que anda um pouco esquecida.

 

Por razões misteriosas, porém, toda a gente finge que os Verdes não são um artifício para o Partido Comunista ter mais tempo de antena. E porque tal expediente é legal, talvez não fosse despropositado os outros partidos, agora que Cavaco resolveu, a benefício da estabilidade como a interpreta o seu profundo umbigo, antecipar as eleições, os partidos democráticos, e o BE, lançarem os seus mais coloridos departamentos sob a forma de partidos, de modo a que àquelas eleições concorram apenas coligações.

 

O PSD bem poderia parir o Partido da Âncora, destinado àqueles seus simpatizantes que têm ideias muitíssimo lúcidas sobre o que o Estado deve fazer como investidor, em particular no que toca ao mar que nos rodeia por todos os lados menos dois, dado que o mar em questão contém uma Zona Económica Exclusiva que o sector privado incompreensivelmente despreza.

 

Do PS poderia brotar o Partido Neo-trotskista do Calote Permanente, aproveitando aqueles seus militantes que têm na matéria posições definidas. O uso de brinco, ainda que não obrigatório, poderia ser a marca identitária do novo movimento.

 

No CDS sente-se a falta dolorosa de uma autonomização da ala sacrista, que defende o governo do País a golpes de encíclicas papais e a reza do terço antes da Ordem do Dia. Imagino que a designação Partido das Bulas seria do melhor gosto.

 

Finalmente, o BE bem poderia desentranhar-se no Partido das Quotas, destinado à defesa de lugares cativos para lésbicas negras, grávidas de dador anónimo e residentes em bairros de lata.

 

Creio que, com este alerta, de mim não se poderá dizer que não sou civicamente empenhado.


tiro de José Meireles Graça
tiro único | comentar | ver comentários (1) | gosto pois!


Regimento
outras cavalarias
tiros recentes
tiros mais comentados
cofre
tags
Arregimentados
Subscrever feeds